É pecado não ser feliz

Encontrei um pedacinho de papel entre as folhas de um Moleskine: um recorte da rubrica «Escrito na pedra» (jornal Público). Não sei desde quando…

 A frase é do célebre escritor argentino J.L.Borges (1899-1986):

No passado cometi o maior pecado que um homem pode cometer: não fui feliz.

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Mas eu sei uma frasezinha (que é o poema inteiro assim só num verso) que creio ser de juan Ramon Jimenez que diz (perdão se não escrevo castellhano)
    Solo lo hiciste una vez pero ficou de pedra hiciendo-le para siempre
    acho lindo
    Há quantos anos não pego em JRJ que comprei antes de ser Nobel
    E se calhar estou enganada já que comprei JRJ e ???? na mesma altura – ai quem é – conterrâneo de António Machado ??? Ai Garcia LLorza (ais tarde Nobel não sei quando mas porque não vejo os livros não recordo em que anos foram já que escrevi a data mas a memória não ajuda


  2. A infelicidade é sempre exagerada pelos felizes.

  3. Dora says:

    Gostei.

  4. Armindo de Vasconcelos says:

    Também eu rabisco umas coisas no moleskine. Aqui e ali. Minhas e dos outros. Hoje, ao ler a Maria do Céu, lembrei este, escrito na chuva de um dia quase morto de 2009.

    à busca das palavras

    pois… sou tinta…
    … mas venho do sangue, que o fiz sem pais, órfão desde bebé.
    … mas venho da gleba, porque nasci de dedos sujos na terra dos outros.
    … mas gizei-me, forte e poderoso, porque tenho esta voz que resume a pacatez dos sítios donde venho e a grandeza dos que se fizeram alguém.

    Fora isso, eu quero não querer, porque tudo o que me foi dado foi sofrido. Sempre. Até o amor!

  5. MAGRIÇO says:

    Poderemos nós ser felizes quando assistimos a tanta Iniquidade
    por parte dos poderosos, quando crianças morrem por falta de cuidados básicos, quando vemos governantes aumentarem a sua fortuna pessoal enquanto deixam morrer de fome aqueles que jurou defender, quando a aleivosia, a infâmia e o egoísmo são as mais vincadas características da sociedade em que vivemos? Eu não consigo ser feliz se a meu lado morar a miséria e o infortúnio. Mas parece-me que o chique e o moderno é cada um olhar unicamente para o próprio umbigo e quem não estiver bem que imigre. Eu não tenho vocação para estes conceitos. Sou antiquado.

  6. Maria do Céu Mota says:

    MAGRIÇO, não conseguimos ser indiferentes a tudo o que aponta. Nem ser sensível a isso é ser antiquado. O que eu entendo da frase de Borges é o seguinte: ser feliz naquilo que depende de mim.


    • Mas, como muito bem diz a Céu, podemos constatar, sim, a nossa felicidade particular. E podemos, comparativamente, sopesá-la e tomar consciência do seu elevado valor… e a esse valor podemos imprimir energia… e com essa energia mudar, felizes, o que em torno de nós faz os outros infelizes.

    • MAGRIÇO says:

      Eu percebi, Céu. E se deixei alguma dúvida de uma hipotética crítica, penitencio-me desde já. É que, para mim, é difícil conceber a felicidade individual abstraindo-me da infelicidade alheia. O conceito de Fernando Pessoa “O mundo é de quem não sente! A condição essencial para se ser um homem prático
      é a ausência de sensibilidade”, infelizmente não deixa de ser verdadeiro nos dias que correm e para um determinado extracto, mas eu não consigo aceitar o modelo assim como não pretendo impor qualquer outro a quem quer que seja. Cada um tem direito à sua própria felicidade e, como não tenho certezas absolutas (até se pode provar, matematicamente, que 1 = 2!), não sei mesmo se será certo que a felicidade alheia condiciona a nossa.

      • Maria do Céu Mota says:

        Caro MAGRIÇO, fiquei a pensar no que escreveu da 1ª vez. Existe um livrinho que se chama Felicidade: Um trabalho Interior (John Powell). Ele diz que temos que assumir total responsabilidade pela nossa felicidade. Esperar que ela venha de outras pessoas ou de coisas exteriores é percorrer um caminho errado. Felicidade: uma busca permanente. Abraço.

        • MAGRIÇO says:

          Estou de acordo, Céu, que cada um deve procurar a própria felicidade. Mas acho que estou com alguma dificuldade em fazer passar a minha mensagem e peço desculpa de não conseguir ser mais claro. Eu não sou de esperar que os outros resolvam os meus problemas, gosto de ser eu a pegar na roda do leme. O problema é que, mesmo que siga a rota correcta, não fico feliz se vejo os outros barcos a encalhar nas rochas. Portanto, eu não dependi de terceiros para dirigir o meu barco, tomei o rumo certo, mas a infelicidade dos outros timoneiros impede-me de tirar o prazer que esperei que a navegação me proporcionasse e pode, até, deixar-me deprimido por algum tempo. Pode haver – quase de certeza que há! – quem tire prazer da infelicidade alheia e que até fundamente nela a sua própria felicidade, mas não serão exemplos muito edificantes.
          Retribuo o abraço.

  7. Pisca says:

    Gosto é da parte do Moleskine, sempre dá um ar fino e intelectual ao que lá se rabisca

    Se fosse num caderninho do chinês não era a mesma coisa, claro


  8. Em toda a minha vida só comprei um Moleskine. São pequenos luxos… Que mal tem imaginar-nos um Chatwin ou um Sepúlveda? São cadernos bem bonitos, com bolsas, marcador, elástico e muito bem encadernados. Chatwin deu origem à inscrição que se encontra na 1ª página: “in case of lost, please return to: ” ” As a reward : $” !
    Um caderninho chinês ou outro barato, qual é o problema? O que conta é o que está dentro!

  9. Amadeu says:

    Como diria o Ramalhe Eanes, com um Moleskine é muito mais fine

  10. Maria do Céu Mota says:

    Peço desculpa a todos os comentadores, mas estive a pensar melhor e emendei o título do post. Passei o «é» para traz de «pecado» e parece-me agora melhor a frase!!!

  11. Amadeu says:

    É pecado é


  12. Ma. do Céu,
    Duas grandes qualidades teve Borges na frase:
    a) Não computou à terceiros sua falta de felicidade (ser feliz é escolha. o contrário também), já que temos tanta pena de quem julgamos profundamente infelizes e às vezes não por própria ‘escolha’ não o são.

    b) Reconhecimento do fato em tempo de tentar aliviá-lo com alimentos funcionais (Serotonina e Dopamina – que é o que conta para o prazer de existir).

    Abaixo um coment. que deixei no Blog do teu seguidor Beto Bertagna, no post “Mais vale um byte ou um por de sol?”, há poucos dias – onde também se fala (eu falo) s/ Moleskines :
    Quote
    (*) Existirá uma terra, tipo o “Tártaro” , para onde vão e se escondem (ficam rindo das nossas caras/buscas vãs?) todos os caderninhos, bloquinhos, agendas, diários, “moleskines” e ‘filofaxes”, quando deles mais precisamos? Um rodada de Vivas para os guardanapos de papel e as bolachas de chopp (só as secas!)…. que sempre nos salvam!
    Belo texto, Beto, pelo qual agradeço.
    Unquote
    Fique bem, Norma

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.