Foto da II Guerra Mundial

Frente de Leninegrado. Na imagem, um grupo de oficiais alemães e portugueses observam um capturado ou destruído tanque russo do tipo KV1. Eram normais estas visitas de elementos de exércitos de países neutrais, às frentes de combate do Eixo e dos Aliados e neste caso, conhecemos bem um dos oficiais portugueses. Em último plano, à esquerda e entre dois militares da Wehrmacht, vestindo um sobretudo e de bivaque escuro na cabeça, está aquele que mais tarde seria o Marechal Spínola. Na foto não conseguimos vislumbrar o famoso monóculo. Terá adoptado a moda nessa visita à Frente Leste?

Comments

  1. Bruno says:

    Eu sempre disse que esse indivíduo era um traidor da pátria… E fazem dele um herói nacional e nos livros parece que ele fez tudo… Enfim…

    • Nuno Castelo-Branco says:

      Bem, caro Bruno, parece-me que não foi bem assim. Naquela época, Portugal fez a política que era possível, não se imiscuindo na guerra. Contrariou quando pôde e sempre que o soube fazer. Adiou a questão dos Açores, obteve o reconhecimento USA da necessidade da devolução de Timor após o fim da guerra, foi amolecendo a posição alemã. Nem tudo foi negativo e Spínola deve ter feito esta visita de forma rotineira, tal como outras missões foram enviadas a países aliados. Aliás, 1943 assistiria à chegada de uma enorme remessa de equipamento militar: tivemos os primeiros tanques (os Valentine), artilharia anti-aérea, excelentes caças Sptifire (numa impressionante quantidade), equip. de transmissões, motorização da infantaria, etc. Em suma, o exército modernizou-se e isto no seguimento das compras feitas anteriormente à Alemanha. Como curiosidade, notemos o facto de a nossa artilharia se ter servido dos canhões excelentes Krupp – posteriormente adaptados às munições NATO – até há bem poucos anos. Por outro lado, A.S. de Spínola não era propriamente um “general de aviário” como alguns que por aí andam e falam em demasia. Esteve nas frentes de combate, conviveu com os soldados e aproximou-se das populações dos territórios onde era Comandante-chefe. Em suma, era um militar notável. Quanto à foto, creio que a moda do monóculo deve ter sido adoptada por essa altura, dado ser um tanto ou quanto comum entre os oficiais prussianos. Os russos que o digam, reciclados ou não dos tempos da extinta URSS, ainda hoje “desmaiam” de gozo à vista de qualquer tradição da velha Prússia.

      • Maquiavel says:

        O que ele fez em 1941 é mais ou menos indiferente. Foi para o mandaram, que devia ser um mero capitäo, embora com a mesma idade os Capitäes de Abril tivessem feito muito mais. Mas adiante.

        A traiçäo de Spínola deu-se a 11 de Março de 1975 quando ia metendo o país em guerra civil. Já a 28 de Setembro de 1974 tinha mostrado as garras, aí mostrou as presas. Depois, como qualquer cobarde igual a ele, fugiu à debandada e alojou-se na ditatorial Espanha franquista, onde depois estavam danadinhos para invadir Portugal e acabar com a “festa democrática” que tinha sido instalada. Traiu a Pátria e a Democracia, afinal abrindo caminho ao PREC.

        Um traidor a todos os níveis, que depois foi vangloriado pelos mesmos que ignoraram Salgueiro Maia. E hoje em dia a contínua lavagem de imagem continua, veja-se o discurso de Cavaco (quem mais) quando abriram a “Av. Spínola” em Lisboa, que poderia até servir ao Tenente-Coronel Maia, mas näo ao Marechal Spínola.

        Conheço muitos soldados que tiveram o “prazer” de privar com ele na Guiné, e por isso ganharam-lhe um asco que nem podem ouvir falar do nome dele. Pelo menos um deles quando à 01:00 de 26/04/74 lhe viu a fronha à frente da JSN pensou “afinal… no fim de contas, é mais do mesmo”. Infelizmente a História deu-lhe razäo.

        Espera… um “militar notável”? Mais lavagem de imagem! Pois se onde ele tinha maior presença operacional directa, sendo até governador, perdeu a guerra totalmente: a Guiné-Bissau, cuja independência já tinha até sido reconhecida internacionalmente desde 24 de Setembro de 1973!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.