Movimentos para inglês ver

O sistema está tão mal feito que em poucas horas se pode automatizar todo o processo de registo e de votação. Assim sendo de que vale um sistema destes? – Batota obriga à eliminação de 10 676 votos no Portal do Governo.

Professores

No one has the answer we just want more

Boa sorte para todas e para todos!

Postcards from Romania (25)

Elisabete Figueiredo

Cluj-Napoca é uma cidade grande mas o mundo será sempre pequeno (e ainda bem)

Chega o Kamil na sua bicicleta e chega também a pequena Elisa (Elisabeta) com ele. É linda e está ligeiramente envergonhada, porque não me conhece. O Kamil está igual. Quatro anos não é assim tanto tempo.
Vamos conversando até casa. A mesma simpatia, o mesmo olhar, como se tivesse sido só ontem que, em Montecatini Terme, o conheci e nos rimos como doidos, com a Eniko e o Antonio, a dizer disparates intermináveis. Conheço a Eniko desde 2007. Conhecia-a em Wageningen. Mal a conheci, inaugurei (inaugurámos) a palavra amigo, como naquele poema*. [Read more…]

Louca por figos

Para mim, um verão sem figos frescos não é bem bem a mesma coisa, pronto! Sejam eles do Algarve, sejam eles aqui do meu mercado!! E têm que ser bem maduros, já abertos. E é comê-los logo ali, segundos depois de comprá-los. E não vale a pena gastar dinheiro nos hiper. Dificilmente são bons e por certo não arranja mais caro! No mercado arranjei-os eu, hoje, a metade do preço. A mais pura das verdades e verdadeiramente maravilhosos. E acompanham tão bem com nozes… ou simplesmente sós!

Vantagens de se comer figos:

1- energia; ajudam ossos e músculos (fibra, minerais, vitaminas);

2-alto teor em agentes antioxidantes protectores do organismo;

3-valor nutritivo;

4- etc.

Figos frescos: uma deliciosa e saudável tentação.

Cada um tem a sua mania…

O Caso Vera Pereira, o IEFP e a ignorância em forma de blogue

Tudo começou com a publicação pelo Arlindo do que parecia ser uma oferta de emprego com destinatário reservado (o “Tugaleaks” diz que chegou primeiro, mas o analfabetismo que por ali infelizmente grassa pelos vistos também inclui a simples contagem de tempo). A coisa espalhou-se pelas redes, e como estamos em Agosto no dia seguinte chegou à comunicação social.

Ora nem tudo o que parece é. Compreendo que o Arlindo com o saco cheio dos concursos de professores feitos à medida de fulana & sicrano tenha visto “educadora de infância” e automaticamente disparado. Não fiz o mesmo apenas porque em tempos lidei com o IEFP por via de uma associação sem fins lucrativos com estatuto de Empresa de Inserção. E sei que estas coisas funcionam assim: para obter os benefícios do IEFP (neste caso num programa de apoio à formação), mesmo que a lei não imponha que uma empresa funcione como o estado na selecção de quem ali vai trabalhar é obrigatório o formalismo de fingir que sim. [Read more…]

O António Borges arranjou uma erva da boa

Portugal deixou de estar na ‘bancarrota’ .

Isto é que é

uma Universidade de Verão.

Dia Internacional dos Desaparecidos

Vi na SIC que hoje, 30 de agosto, é o Dia Internacional dos Desaparecidos!

Pedro Miserável Soares

A ler: A Miséria Moral.

O fracassar e o não tentar

“Não há comparação entre o que se perde por fracassar e o que se perde por não tentar”

Francis Bacon (1561-1626), filósofo, ensaísta e político inglês

 

Manuel Loff responde a Rui Ramos

No Público de hoje,

O debate de ideias não é fácil. E menos ainda quando se o procura evitar arrastando-o para um terreno que se pretende descrever como moral, quase judicial. Rui Ramos (RR), coordenador da História de Portugal que o Expresso que o decidiu oferecer aos seus leitores e que eu critiquei, na parte que lhe cabe, nas minhas duas últimas crónicas no PÚBLICO (2 e 16 de agosto), queixava-se há dois anos de que “vivemos num mundo muito diferente do que eu vivi em Inglaterra ou em Espanha, onde nos mesmos seminários, congressos e departamentos convivem pessoas com ideias muito diferentes, discutindo acalorada ou friamente, mas debatendo ou divergindo” (PÚBLICO, 31.5.2010). Ramos reagira assim quando, no PÚBLICO, São José Almeida o confrontou com as opiniões de vários historiadores (F. Rosas, A. Costa Pinto, M. de Lucena, I. Pimentel, eu próprio, com quem ele, mal ou bem, tem convivido em congressos, júris, comités), entre as quais se formularam críticas mais duras do que aquelas que eu agora dirigi ao seu trabalho. [Read more…]

Se tivesse personalidade era dupla

António Borges, o privatizador-mor, quer

 um novo modelo económico, com menos Estado e maior concorrência entre as empresas

Facebook e Emprego

“O Facebook já gerou 230 mil empregos na UE e contribui com cerca de 15 300 milhões para o PIB comunitário”.

Nos nossos dias, já é possível procurar emprego nas redes sociais. E quem faz o recrutamento não resiste a espreitar as pessoas ao facebook. Os especialistas em networking, como Filipe Carrera, aconselham a partilhar, a partilhar, a partilhar primeiro, ajudar os outros depois. “(…) a pessoa deixa conteúdo, deixa conhecimento, ajuda outras pessoas e de repente as coisas acontecem. (…) o perfil no LinkedIn, no Facebook ou no Twitter faz parte da nossa extensão profissional, devemos cuidar dele”.

E outro conselho ainda: “Nunca coloques na web algo que não queiras que o teu chefe ou a tua mãe vejam” !!

A entrevista a Filipe Carrera está disponível na revista Notícias Magazine do passado domingo, dia 26 e aqui!!

Hide yourself, Jekyll

Quase uma semana depois de soltar na TVI Mr. Hyde, Dr. Jekyll decidiu falar, de modo a exorcizar inquietações e a reorientar o assunto. Com incomodidade mal disfarçada (e o Joker fora do baralho), veio dizer que “não há razão para nenhuma histeria, nem para nenhuma mobilização excepcional” pois nada está decidido quanto ao modelo a seguir na privatização do serviço público de rádio e de televisão. Um ano e meio após anunciar a intenção de prosseguir essa via, Dr. Jekyll adianta agora um dado novo:  antes de se escolher o modelo devem ser respondidas outras perguntas, nomeadamente o que se entende por serviço público de rádio e de televisão. “Não é a ideia vaga de que deve existir um serviço público, é qual é esse serviço público em concreto”. É absolutamente notável que, um ano e meio após se ter comprometido a decepá-lo, Dr. Jekyll ainda não saiba o que é, ou deve ser, o serviço público!

Pois bem, tentemos situá-lo. O senhor está em Londres. É convidado, enquanto Primeiro-Ministro deste país, para assistir à cerimónia de abertura dos jogos paraolímpicos de 2012. A sua presença denota a importância do evento que agora se inicia, que pretende constituir-se como o expoente de valores tão inalienáveis como a inclusão social e a não discriminação. Os jogos paraolímpicos são transmitidos pelas televisões de todo o mundo. Em Portugal, apenas pela RTP2. A televisão que o senhor quer liquidar está a prestar serviço público. E por sua decisão, os jogos paraolímpicos deixarão de ser transmitidos na nossa televisão. [Read more…]

O prazo para pagar o IRS acaba amanhã

E já não me sinto lá muito bem hoje.

Técnica revolucionária em Medicina: a caçadeira pode substituir o bisturi

É evidente que não se podem tomar decisões executivas sem se ter em conta os gastos, as despesas, sem se fazer contas, enfim, como acontece com qualquer um de nós, todos os dias. Este governo, no entanto, aproveitando, aparentemente contrariado, o desastre socrático, transformou a despesa no único critério das decisões. O resto é Carnaval, com máscaras de má qualidade. [Read more…]

O Arredas Começa Hoje

O Folk Fest do vale do Neiva começa hoje! E pode ir de comboio!

Professores – o dia mais longo

Nunca o dia 30 de agosto foi tão amargo. E se calhar até foi, mas a memória de professor é mesmo assim – esquece facilmente, tal a quantidade de incompetentes que nos têm transformado a vida num inferno, um ano atrás do outro.

Falta um dia para que meia dúzia de milhares de professores dos quadros saibam uma de duas coisas: em que escola vão trabalhar ou, caso continuem sem horário, que na próxima segunda-feira terão que se apresentar na escola onde estiveram este ano para fazer não se sabe muito bem o quê.

Para os candidatos a um contrato o problema é bem maior e muito pior. Incomparavelmente pior. Uma parte muito significativa vai ficar sem colocação – e quanto a isso, não me parece que escrever por antecipação seja um problema. Como gostaria de amanhã ser desmentido pela realidade.

Os outros, os poucos que conseguirem um lugar, vão vacilar entre o que têm em mãos e outras ofertas a que se candidataram. Ao contrário do que se diz por aí, é possível rescindir e optar por algo melhor.

Tudo isto em cima do acontecimento – o arranque do ano letivo.

De 6ª para 2ª, milhares de portugueses vão ter que fazer as malas, deixar a família e partir. Ainda não sabem se para o Norte ou para o Sul, para mais perto do mar ou de Espanha. Não sabem se vão conseguir alugar casa ou um simples quarto, nem tão pouco o que vão fazer, que turmas ou anos vão leccionar. Nada.

Falta um fim-de-semana para começar o ano lectivo e há mais de 100 mil almas que neste país não sabem o que vão, profissionalmente, fazer na 2ª feira. A Escola Pública merece mais e o país precisa de mais e melhor Escola Pública.

Faz todo o sentido não aceitar este tratamento em silêncio e por isso, na 6ªfeira, às 18h vou estar no Porto, na Praça da Liberdade.

Postcards from Romania (24)

Elisabete Figueiredo

Girassóis a preto e branco

Chego a Cluj e ao hotel. O incómodo continua. Sei lá. Nem mesmo a circunstância de, pela primeira vez, nesta viagem, o hotel ser digno desse nome, me conforta. Nem mesmo o telefonema da Eniko a saber quais os meus planos, me anima. Planos, já se vê, não tenho. Tirando os dias guardados para esta ou aquela cidade, não faço nunca planos de visitas a sítios, monumentos, coisas. Vou andando. [Read more…]

Amistad

A escravatura como um dos negócios mais lucrativos dos grandes impérios coloniais europeus, neste caso o Império Português. Uma das obras-primas de Spielberg. Não se devendo passar o filme todo, por não ser interessante para os alunos, a cena da infernal viagem dos escravos no barco é imperdível.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Eu sou RTP

A “questão” RTP é comigo! Eu sou RTP!

E por isso partilho um texto que Roma de Oliveira publicou no seu Facebook:

“Faz esta semana 13 anos que trabalho na RTP. Já tive uma boa dose de lutas, e mais terei. Mas a que travamos agora, todos juntos, faz-me vir aqui partilhar o que penso. Leio e ouço muitas opiniões acerca do nosso grupo audiovisual. Grande parte delas em resultado da tremenda ignorância da nossa sociedade relativamente às inúmeras funções da RTP, enquanto serviço público.

Assim, e porque sou pragmática, vou elencar apenas algumas dessas funções. Para que se perceba porque é que a RTP é muitíssimo mais do que um canal de televisão:

A Rádio e Televisão de Portugal: