Proença, o Grande Mefisto Tuga

O Mefisto Proença de Carvalho, extremamente inteligente e sagaz, também é, e morrerá assim, uma criatura muito à vontade nos grandes lodos contaminantes da Justiça. Ao ler a sua entrevista ao Dinheiro Vivo, JN, de hoje, a certa altura diz o seguinte acerca da Justiça, da actuação e medidas da Ministra, e não precisaria dizer absolutamente mais nada que mais bem o definisse como tubarão dos orçamentos entre os demais tubarões protegidos do sistema, que é, a par de Júdice.

Só um bem sucedido Mefisto português, nos respectivos comércios com quem está Governo, atiraria que: «Há aqui uma visão securitária e perigosa. Está a tentar resolver-se os problemas de ineficácia do sistema retirando direitos, ou seja, sacrificando-se o Estado de Direito [O direito de ir para Paris gozar com os milhões comissionistas de negócios ruinosos para o Estado!]. Falamos dos prazos de prescrição [Não toquem nos prazos de impunidade!], aligeiramento das regras de processo [Sim, mantenha-se o labirinto legiferante com que, em Portugal, é mais fácil fugir imune e impune na proporção do dinheiro que se tenha!], nomeadamente retirando direitos aos arguidos, retirando recursos [Os recursos a peso de ouro que conservam Isaltino a secar como um bacalhau ao sol da liberdade!]. Considera-se que há abuso de garantismo, quando não há. [Não há para ti e para os que defendes, Daniel, tu que és tão próspero, tão rico, tão administrador de tanta coisa ao mesmo tempo?! Garantismo para criminosos ricos e com as costas quentes por advogados mefistofélicos, como tu, em Portugal, é como dois mais dois, Proença!]. Caricaturalmente, era como querer resolver os problemas da saúde retirando tratamentos aos doentes.» [Não será antes, caricaturalmente, como simplesmente castrar violadores da lei, legiões de impunes da corrupção e do roubo?!]

Proença de Carvalho não pode desiludir-me. É isto. E corre-lhe bem. Que tal se me transferisse cinco euros para eu poder comprar uns iogurtes e uns pacotes de leite?!

Governo opta por não vender o tele-lixo

Governo opta por vender o único canal que não passa telenovelas, pirosas ou não (se bem que as primeiras dominam), que não tem concursos da tanga e que não faz dos espaços noticiosos um autêntico folhetim de fait-divers. O governo opta por vender o único canal que emite séries a horas decentes, que tem desporto sem ser bola e que passa filmes sem serem os repetidos e repetitivos blockbusters.  Mas há-de querer que eu continue a pagar a mesma miserável taxa na factura da electricidade, os prós&prós do regime continuarão  a ter tempo de antena e a concursomania não há-de parar.

[Read more…]

Estação de Vila Real

Versão Pós-Moderna.

É uma história dos homens

Mais do que a história da inconstitu-cionalidade do corte dos subsídios, é o que conta Pedro Lomba.

Progressos

Enquanto transforma o fascismo em mera banha da cobra (compreende-se, há que desvalorizar, mataram uns tipos, coisa sem importância, menos uns comunas), Miguel Botelho Moniz faz progressos na distinção entre estalinistas e trotsiquistas. Pelo andar da carruagem ainda descobre quem foi Ramón Mercader.

Post Scriptum: Apagar um trackback é feio. Curiosamente acontece muito em blogues de extrema-direita instalados no WordPress.