Dúvida de Verão

Quem é a Margarida Rebelo Pinto?

Agora que eu estava a ficar com saudades do exilado em Paris

Obrigado André Azevedo Alves. Passou-me num instantinho.

Quando a premissa é falsa, quero lá saber do programa do governo

Programa do ainda “actual Governo“:

O Grupo RTP deverá ser reestruturado de maneira a obter-se a uma forte contenção de custos operacionais já em 2012 criando, assim, condições tanto para a redução significativa do esforço financeiro dos contribuintes quanto para o processo de privatização.

Sendo mentira, a parte da “redução significativa do esforço financeiro dos contribuintes“, ficaria por aqui, deixemos agora o Marques Mendes que descapitalizou a RTP acabando com a taxa de radiodifusão ou a taxa/EDP que foi inventada na curta estadia de Durão Barroso em S. Bento, tudo às ordens do tio Balsemão que agora se descobre enquanto aprendiz de feiticeiro, nem estou virado para discutir o caso privatização da RTP propriamente dito, uma toleirada de Agosto inventada à pressa para tapar o absoluto e definitivo falhanço das metas orçamentais. Mas ao procurar no tal programa de governo não pude deixar de ler um parágrafo anterior:

As mudanças em curso (v.g. a Televisão Digital Terrestre, que deverá cobrir todo o País em 2012, e as novas gerações de banda larga) exigem especial cuidado de forma a garantir que não há cidadãos excluídos particularmente por razões económicas, pelo que o Estado compromete-se combater qualquer tipo de exclusão, actuando de forma rigorosa na esfera legislativa e reguladora.

Perante factos, nem vale a pena gastar argumentos. Esta gente é tão rasca que ainda acordo com saudades do exilado parisiense um dia destes. E aí, não respondo pelos meus actos.

Fonte do gráfico.

Sobre a R.T.P.

Uma vez mais o governo português parece andar à deriva. Por um lado pretende mostrar serviço à troika, por outro tem medo da opinião pública interna e não quer efectivamente colocar em causa as vacas sagradas, neste caso a RTP, preferindo optar pela cosmética à efectiva mudança. Pela parte que me toca defendo há muito a total privatização de todos os elefantes brancos que muito dinheiro custam ao contribuinte, mas servem, tem sido assim ao longo de décadas, aos partidos políticos para colocar boys em jobs bem remunerados. A RTP é apenas mais um triste exemplo. Bem sei que na U.E. existe a tradição de manter um ou mais canais públicos de televisão, mas existe mundo desenvolvido para lá do espaço da U.E., onde as televisões e não só, mesmo privadas, são exemplos de isenção e independência face ao poder político. Nos E.U.A. por exemplo, já provocaram a demissão a um presidente e condicionaram a manutenção no poder ou eleição a inúmeros políticos.  [Read more…]

«Na cama com Deus»

Foi assim que a jornalista do Público, Susana Moreira Marques, intitulou o seu artigo sobre o escritor inglês Graham Greene (Público, 25/8), na rubrica «Os Livros também têm biografia» que sai aos sábados. Transecrevo parte o artigo:

Em 2012, as histórias que rodeiam O Fim da Aventura – um livro que falta reeditar em Portugal – estão talvez fora de moda. Graham Greene marcava o fi m de uma época – em que se conhecia o desespero e a glória, e Deus era uma questão pertinente. (…) Poucos livros incluem Deus como personagem, e quando assim acontece, normalmente não são um sucesso. Quando O Fim da Aventura saiu em 1951, Deus já estava fora de moda.

Não gostei: 1º) afirma que o livro O Fim da Aventura, daquele autor, «falta reeditar em Portugal», o que não é verdade; 2º) refere que, no tempo em que nos encontramos, as histórias que rodeiam este livro «estão talvez fora de moda» (não percebo como uma história, seja ela qual pode estar desactualizada); 3º (o ponto fulcral que me levou a escrever este post) “Quando O Fim da Aventura saiu em 1951, Deus já estava fora de moda“; 4º a jornalista julga que na altura em que foi escrito o livro, “Deus era uma questão pertinente“, ou seja, hoje já não é…

Para a jornalista, as histórias desta obra «estão talvez fora de moda» porque Deus é personagem nela.

Por sorte, Susana M. Marques transcreve um excerto do prefácio assinado por Jorge de Sena que é também quem traduz a obra: “Em que medida um católico de consciência e de prática com o talento extraordinário de Greene pode ser, para o mundo de hoje [estava-se em 1953], uma figura extremamente importante?”

Não será Deus a questão de todos os tempos, negando-o ou aceitando-o?

Deus não é uma moda. Logo não pode dizer-se que «estava» ou está fora de moda. E no entanto…

Portugal, que estado?

A identificação ideológica do actual governo é das mais claras desde o 25 de abril. Quer nas decisões, quer nas declarações são várias as marcas muito identificadoras de uma visão nunca antes vista por estas bandas.

Seria importante, num momento em que parece que tudo tem um preço de mercado, definir com clareza o que se pretende do Estado. Os incompetentes que nos gerem usam a máxima “menos estado, melhor estado”.

Mas isso significa o quê?

O serviço público de saúde deverá ser um exclusivo do serviço nacional de saúde ou os privados e a igreja devem também ter um papel?

E na Educação? A Escola Pública deve ser para todos ou ” o TODO” deve ser assegurado, em parte pelo privado? E que parte?

E na comunicação social? Deve ou não haver canais públicos e rádios públicas asseguradas pelo estado?

E na justiça ou na segurança? Que papel para o privado?

Cada um dos laranjinhas que rapidamente surgem a defender qualquer estupidez dos amigos do Relvas poderia aproveitar o desafio e responder a estas perguntas. Talvez assim se ficasse a saber melhor o que pretendem.

E não me custa nada adivinhar que o povo é capaz de não gostar do que aí vem…

Postcards from Romania (7)

Elisabete Figueiredo

Your face not Portugal

Decido parar em Rasnov, na volta, espero na paragem de autocarro com um cheiro esquisito em volta. Milho doce cozido. Ora aqui está o cheiro esquisito. Pergunto à senhora se posso tirar uma fotografia. Diz-me que sim. Talvez na esperança que eu coma uma maçaroca cozida. Pouca sorte (provavelmente a minha). Detesto milho.

Um casal de romenos com um filho está também à espera do autocarro. São turistas. Como eu. O homem procura tirar uma foto dos três. Naturalmente ofereço-me para lhes tirar a fotografia fazendo gestos. Multumesc, diz-me ele. Cu placere, respondo eu, fazendo recurso das poucas palavras que sei dizer em romeno.

Numa mistura de inglês e romeno pergunta-me de onde sou. Portugal, respondo eu. Faz um ar muito espantado, olha para mim, passa com a mão em frente da sua própria cara e diz: ‘your face not Portugal’.  Rio-me e repito: Portugal. Volta a abanar a cabeça: ‘your face not Portugal, Portugal dark’ e aponta para o próprio braço, moreníssimo, nem com 20 anos na praia eu ficaria assim. Volto a rir-me e tento responder numa mistura esquisita, ainda mais esquisita, de italiano e inglês, na esperança que se pareça ao menos vagamente com romeno, que em Portugal há pessoas de todas as cores, como na Roménia. Não percebe. Hesito entre demonstrar-lhe com o cartão de cidadão a minha nacionalidade e continuar a rir-me, não dele, mas de mim. De ser contente por não parecer Portugal.

Continuo a rir-me. Riem-se os três também e entretanto chega o autocarro.

(Bran, 8 de Agosto de 2012)

Carta do Canadá: Portugal desamparado

Com a lentidão meditativa  a que obrigam as informações importantes,  acabo de ler  uma obra de Marc Roche que, nestes tempos incertos de Pátria e Europa,  todos devíamos ler:  O BANCO – Como o Goldman Sachs Dirige o Mundo. Ficamos a saber que, de forma secreta, praticamente de seita, laboriosamente,  persistentemente, ao longo dos anos, o Banco Goldman Sachs adquiriu a configuração de um polvo monstruoso, cujos tentáculos, sob a forma de homens de mão, está infiltrado em toda a parte. Objectivo: empobrecer países mal governados e passar o seu património para o capital selvagem e sem pátria.  Tudo isto o autor denuncia com grande pormenor e acervo de provas.

Na União Europeia, os homens principais do Goldman Sachs são Mario Draghi (presidente do BCE) e Mario Monti (primeiro ministro de Itália). O autor descreve, ao pormenor, as golpadas do banco sobre a Grécia, com a colaboração de governos da direita e da esquerda, para grande proveito e regozijo dos banqueiros alemães.
Em Portugal, segundo Marc Roche, os tentáculos do Goldman Sachs são António Borges, Carlos Moedas e, de forma sonsa, Victor Gaspar. Todos os figurantes da coisa pública  que com eles colaboram servilmente, são a repetição gananciosa e sem escrúpulos dos que, em 1580, entregaram Portugal à Espanha a troco de fortunas e títulos. Toda uma elite negativa e traidora que,ontem como hoje, cabe no grito desesperado de Almada-Negreiros: “maquereaux da Pátria que vos pariu ingénuos / e vos amortalha infames”. [Read more…]

Cecília encontra Relvas

Postcards from Romania (6)

Elisabete Figueiredo

 The Dracula’s Castel is the fucking castel of the fucking sleeping beauty

Sou a única turista no autocarro. Os homens têm bigodes farfalhudos e bonés de lã. Pergunto-me como é que aguentam. As mulheres são as mulheres. Têm sempre, quase sempre, um ar mais delicado onde quer que nos encontremos.
Entra um casal de velhotes. Juro que estava em Portugal há 20 anos. Ou ontem. A senhora veste-se toda de preto, lenço e meias. O senhor tem um chapéu como usava o meu avô Alberto. Sim, de repente lembro-me do meu avô Alberto e de como punha um laço na minha trança, quando eu era pequena, ou já nem tanto. Para o meu avô Alberto, que tinha os olhos verdes, como os meus, uma trança havia de ser com laço na ponta, de preferência branco.
O autocarro arranca e na janela passam cavalos e vacas e rebanhos de ovelhas, casas em construção, ruínas, e entram mais pessoas. Chegamos a Bran. Depressa percebo a Walt Disneylização de tudo aquilo. Suponho que o Vlad Tepes, o empalador que originou, ao que consta, a lenda do conde Dracula, se revolva na tumba indignado. De certa maneira, penso em inglês, sei lá porquê, the Dracula’s Castle is the fucking Castle of the fucking Sleeping Beauty.

(Bran, 8 de Agosto de 2012)

Monstro em cela de luxo

Breivik teve a pena máxima que a Noruega permite: 21 anos de cadeia. Alguém se deu ao trabalho de contabilizar o tempo que é condenado por cada vítima: 3 meses…

Breivik matou 77 pessoas, cidadãos inocentes, gente muito jovem.

A democracia da Noruega dá a Breivik uma cela confortável de três divisões. Uma para exercício, com aparelhos de musculação e outra com computador, onde poderá escrever livros… (talvez manifestos racistas como se leu no Editorial do Público de ontem).

Há gente que não cometeu nenhum crime na sua vida e vive muuito pior que aquele monstro.

Recordo uma notícia do ano passado, que saiu na altura em que o monstro norueguês comete o massacre «inqualificável». No Paquistão, “operários das fábricas de tijolo são tão explorados que têm de vender os rins  para pagar as dívidas”. Trabalham de sol a sol para receber menos de 1 euro. Enquanto isto, o Paquistão “é o povo que, em todo o mundo, mais donativos faz para obras de caridade”. Hipocrisia.

A vida daquela gente é uma prisão. Vivem com a corda na garganta, condenados a passar os seus dias a pagar dívidas e empréstimos atrás de empréstimos.

Isto é justiça?

Postcards from Romania (5)

Elisabete Figueiredo

Brasov (Piata Sfatului)

Não se deixem enganar pelo ar encantador desta praça. Quero dizer, a praça é realmente encantadora. Vou daqui para a estação dos autocarros. Dizer que caí num filme do equivalente romeno do Emir Kusturica é, apesar da repetição, o mínimo. A estação é indiscritível. Na bilheteira a senhora (simpática) faz o melhor.

Na sala de espera um bêbado ressona. É a única pessoa na sala, além de mim. Deve estar ali desde o dia anterior. Desde sempre. A avaliar pela sujidade e pelas garrafas no chão. À volta dele quatrocentas moscas que, quando eu me sento (sim, eu sento-me nas estações de autocarros ao pé dos bêbados), se atiram furiosamente a mim. Picam-me. Desistem. Voltam ao bêbado. Suponho que esteja mais apetitoso que eu, dado que acabo de tomar banho.

Cá fora um calor sufocante. Entro no autocarro e gostava de ser uma espécie de turista que filma tudo. Gostava. Mas não sou, para o bem e para o mal tenho uma máquina fotográfica com cerca de 100 anos. Os mesmos que parece ter o autocarro.

(Brasov, 8  de Agosto de 2012)

A Viagem da Descoberta de Vasco da Gama

Para quem tiver conhecimentos e paciência para fazer a tradução deste documentário, aqui está um excelente contributo sobre a viagem de Vasco da Gama à India.
Sobre esta matéria, não pode deixar de ser feita uma referência, apesar de não ser um filme, ao projecto denominado «A Viagem de Vasco da Gama», da autoria do Centro de Competência NONIO da ESE de Santarém. Aí se apresenta a narração da viagem por etapas em banda desenhada, com jogos em cada uma dessas etapas. Brilhante.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

erretêpê

RTP: privatizar ou não privatizar, eis as questões

Pode o Estado renunciar à prestação de um serviço público de media?

Não. A Constituição incumbe o Estado de assegurar a existência e o funcionamento de um serviço público de rádio e de televisão (art.º 38.º, n.º 5).

O serviço público de rádio e de televisão (SPRTV) pode ser “privatizado”?

Em Portugal, o SPRTV não pode ser assumido, ainda que em regime de concessão, por entidades cujo capital seja maioritariamente privado. Isto é assim porque a lei fundamental prevê a existência de um sector público da comunicação social (art.º 38.º, n.º 6). Esta garantia institucional da liberdade de comunicação, último bastião na defesa do funcionamento de um sistema de media independente dos interesses políticos ou económicos, desapareceria com a opção de exploração ou gestão do SPRTV pelo sector privado. Constitucionalistas das mais diversas áreas políticas, como J.J Gomes Canotilho, Vital Moreira, Vieira de Andrade, Jónatas Machado ou Jorge Miranda, partilham a ideia de que o SPRTV não pode ser explorado senão por uma empresa pública. E a CRP é clara quando afasta qualquer modelo de gestão privada do sector público: “o sector público é constituído pelos meios de produção cujas propriedade e gestão pertencem ao Estado ou a outras entidades públicas” (art.º 82.º, n.º 2). Consciente do facto, o projeto de revisão constitucional 1/XI, publicado na 2.ª série A do DAR de 17 de Setembro de 2010, n.º 2/XI/2, supl., apresentado pelo PSD em 2010, tinha precisamente como objetivo permitir a abolição do sector público da comunicação social, propondo que “a estrutura e o funcionamento dos meios de comunicação social do sector público, quando exista, devem salvaguardar a sua independência perante o Governo, a Administração e os demais poderes públicos (…)”. [Read more…]