Algarve, o Paraíso Ecológico

Ou de como a Ria de Faro é um esgoto a céu aberto…

Baralhar e dar de novo ou simplesmente fazer macete

Professores.

Este, como quase todos os meus escritos, é sobre professores e é uma espécie de ponto de ordem à mesa, na discussão que cresce na blogosfera educativa, sendo que, há algo irrefutável: ninguém foi de férias.

O Público trazia há dias um texto onde se fazia a dicotomia entre as redes sociais e a rua e onde defendi que em algum momento teremos de voltar à rua, porque, considerem ou não moderno e chique, é também na rua que se ganha o futuro.   A minha experiência como sindicalista (SPN, FENPROF), com muitos anos de trabalho em torno dos professores contratados e das questões da precariedade levam-me também a concluir que nada consegue substituir o contacto pessoal, a troca de ideias e de argumentos, olhos nos olhos – isto não vai lá só com facebook e blogues. Não vai! Como diria o outro, de bons likes está o inferno cheio.

E na rua, as vitórias são proporcionais à sua força, a mobilização de que fala o Miguel, e para isso o papel da FENPROF é fundamental. A luta dos professores na rua só acontece com a FENPROF – façam as leituras históricas que quiserem fazer, mas ou há FENPROF e temos os professores na rua ou não há FENPROF e não teremos os professores na rua. Até prova em contrário, esta é uma verdade sem contraditório.

Mesmo não o assumindo é isso que escrevem, sem escreverem, o Nuno e o Ricardo. Equacionam a necessidade de uma maior ligação entre os professores e os sindicatos, que naturalmente subscrevo. O Nuno acredita que “É possível imprimir uma nova dinâmica aos sindicatos fazendo-os sair da zona de conforto”, enquanto o Ricardo vê cada  vez com “maior dificuldade a tão necessária reaproximação dos professores aos sindicatos“, mas defende que “primeira fase de uma qualquer estratégia, passa exatamente por discutir.” [Read more…]

Canal de Estória

Desde a sua entrega aos zelosos cuidados de Madrid, o antigo Canal de História foi resvalando para o âmbito daquela antiga colecção de livrinhos malucos que nos propunham a teoria da “Terra Oca”, os “Deuses Astronautas” e a “comprovação científica” das profecias cataclísmicas.

O que temos hoje como programação histórica? Além da escabrosa publicidade ao Nutela, Kinder Surpresa – eles dizem “churprecha” -, Audi, Mercedes e a uns tantos bancos e companhias de seguros estabelecidos no país vizinho, temos algo do mesmo estilo, mas com  …”intuitos formativos”. Os Illuminati, ou a benfazeja Maçonaria que mais não é senão a preciosa herdeira dos imprescrutáveis segredos e sortilégios dos Templários. Prosseguindo, com um bocadinho de azar seremos forçados a ver o novel e milésimo episódio de A Vida Depois de Nós – não, não é uma canção da Romama -, ou uns camionistas TIR a alta velocidade razando precipícios no Alasca. No entanto, o prato forte é reservado ao Efeito Nostradamus – com um desfiar ininterrupto de loucuras ajaezadas de excelsas parvoeiras -, logo seguido dos terrores das Profecias Maias ou a recentemente inaugurada temporada acerca da Vida Alienígena. Estes aliens …”sempre viveram entre nós” e de facto não descendemos de macacas, mas sim de seres que chegaram de Orion – está provado pelo alinhamento das pirâmides egípcias e centro-americanas -, sendo os nossos prováveis criadores, exímios manipuladores do ADN ancestral daquilo que seria a humanidade.

[Read more…]

Pede-se um comentário à esquerda, sff.

“Sarkozy nunca nos expulsou, veio o Partido Socialista fazê-lo”

Na última semana, as autoridades francesas desmantelaram vários acampamentos em que viviam imigrantes de etnia cigana. Um grupo de 240 já foi mandado de volta para a Roménia [PÚBLICO, edição impressa, 11 AGO 2012]

É no que dá ver as coisas a preto e branco. Este processo vem de trás mas haja coerência. No governo de Sarkozy não faltou  adjectivação criativa pelo que se espera o mesmo agora.

É perguntar ao ar condicionado

Desapareceram os documentos do negócio dos submarinos

Bilhete-postal da Terra

O monstruoso e metálico robô Curiosity já mandou para a Terra alguns bilhetes-postais da paisagem marciana. Ainda a preto e branco, vemos a cratera onde ele pousou…
O robô não levou nenhum bilhete-postal para Marte, pois neste planeta não há vida inteligente, nem anfitrião para receber qualquer presente que fosse oferecido com a melhor das boas intenções e em missão de paz do nosso planeta.

Mas numa coisa os dois planetas são parecidos: ambos têm crateras.
Não me quero referir às crateras naturais, que a Terra as tem em grande número e são belas, por sinal. Estou a pensar nas crateras provocadas por sucessivos bombardeamentos a mando do regime de Assad sobre Alepo, uma terra mártir… Só em dois dias já morreram 322 sírios.
Aqui na Terra, o planeta do Homem, onde há vida (muito) inteligente, há, contudo, desumanidade e maldade: aqui os homens são capazes de abater de animais abandonados pelos donos (Taiwan); aqui na Terra, ainda se amputam mãos aos homens que roubam e ainda se mata por apedrejamento homens e mulheres por sexo fora do casamento (Mali).

Aqui na Terra, ainda há brutamontes e homens rudes tal como na Pré-História. [Read more…]

O Comboio em Durrães


Linha do Minho no vale do Neiva,  2008.

Fausto

Longa mentragem de Murnau baseada na peça de Goethe. Fausto, um velho alquimista, vê a sua cidade ser assolada pela Peste Negra. Legendado em português.
ficha IMdB

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Unidade 4.3. – Crises e Revolução no séc. XIV