Manuais escolares usados

Esta é, desde sempre, uma época do ano complicada para as famílias, tendo em conta a necessidade de adquirir manuais escolares. Se juntarmos a isso o facto de que, devido à crise económica, as dificuldades financeiras das famílias aumentaram exponencialmente, é fácil perceber que aumentou, também, a probabilidade de muitos encarregados de educação não poderem comprar os manuais escolares ou outro manual necessário.

Existem várias iniciativas que permitem a troca ou a aquisição de manuais e livros a preços mais baixos. Fica aqui a indicação de algumas ligações úteis:

Manuais Escolares em 2ª Mão

 Banco do Livro Escolar – troca gratuita de livros escolares

 Manuais Escolares Usados – Trocas

A todos os que queiram divulgar iniciativas similares basta usar o contacto do Aventar.

Morreu “O” homem da lua

Neil Armstrong morreu. Tenho na memória televisiva aquele homem que cumpriu o sonho da Humanidade. Ele era O homem da lua, muito mais do que apenas o 1º homem na lua.  Parece até que ficou à espera da chegada do Homem a Marte, ainda que numa versão robotica.

Quem consegue dizer mais nomes de Homens que colocaram os pés na Lua? Eu não, mas também o que é que isso interessa? Nada. Mas como o post é meu eu é que mando e se eu digo é porque é, pelo menos antes do primeiro comentário deste post que corre sérios riscos de se tornar o mais estúpido por mim escrito, mas é mesmo assim – detesto ver gente morrer. Detesto.

Neil Armstrong

Faleceu aos 82 anos de idade (em inglês).

Postcards from Romania (4)

Elisabete Figueiredo

Os dedos da mão como se fossem ruas

O hotel tem um pátio. A miúda da receção quer que lhe fale em inglês e assim faço. No pátio um velhote pergunta-me em italiano se sou italiana. Digo que não, mas que falo um pouco e começo a falar pelos cotovelos, o que parece agradar-lhe, dado que faz o mesmo.

Ponho as coisas no quarto. Saio e peço orientações para chegar à praça. O senhor explica-me muito bem usando os dedos da mão como se fossem ruas. Intervala as explicações com ‘amore mio’, com a mesma entoação com que os ingleses dizem ‘darling’. Parece-me um bom lugar. Saio. Encontro a praça. Está fresco e as pessoas sentam-se nos bancos. Estão calmas e parecem estar contentes. Também me sinto contente.

Não é preciso dizer mais nada, quando se escrevem postais.

(Brasov, 7 de Agosto de 2012)

O negócio dos Manuais Escolares

As editoras fazem todas o mesmo!
As mães ou os papãs encomendam os respectivos manuais das principais disciplinas do 5ºano, por exemplo (dispensa-se os facultativos, é menos essa despesa) e, sendo de 17,50 € o preço médio de cada um, o valor total da conta a pagar será cerca de 90 €.
Mas a «coisa» está muito bem feita: a ASA, a Santillana, a Porto Editora e a Texto, neste caso, têm preparada uma folhinha com uma «Recomendação Pedágógica» que vem embrulhada num plástico, hermeticamente fechado, juntamente com o Manual mais dois produtos que o pai e a mãe não estavam à espera (na lista que a escola fornece não são referidos): Cd-Rom e Caderno de Actividades.
Pois é, o problema é que não são oferecidos com o Manual. Estes dois produtos custam quase tanto como o manual. Assim, a conta que seria de menos de 90€ é, para quem estiver distraído, quase 160 €.
Ah! A folhinha diz o seguinte:
Recomendamos a utilização conjunta destes produtos como forma de facilitar a aprendizagem dos alunos e contribuir para o sucesso escolar. Trata-se apenas de uma recomendação, pelo que os produtos podem ser sempre vendidos separadamente por simples opção, sem que acresça qualquer encargo ao adquirente.
 
Pois esta «recomendação» das editoras, tão preocupadas com o sucesso e a aprendizagem dos alunos, custa aos pais cerca de 70 € a mais do que é o essencial.
Claro que na papelaria /livraria/ hipermecado não vão chamar a atenção para isto…
Esteja atento quando fôr comprar os livros / material escolar dos seus filhos. É o «gastem, gastem, comprem, comprem»!
 
P.S. Não ficava bem comigo mesmo se não desabafasse…Desculpem.
 
  

Cantar em Português, antes ou depois do AO

Vitorino, numa entrevista ao Jornal de Leiria refere que “Quando um português canta em inglês fica tristemente ridículo”.

O Miguel Guedes, dos Blind Zero, no seu perfil do Facebook não deixou o velho alentejano sem resposta, cujo conteúdo subscrevo totalmente:

“Toda a gente tem direito a frases mais ou menos infelizes puxadas para títulos de jornal. O problema é que o Sr. Vitorino, lê-se na entrevista, pensa mesmo assim. Ele e mais uns quantos que no passado proferiram semelhantes dislates. Tenho respeito pelo Sr. Vitorino e sempre o vi como um homem de liberdade, daí que fique admirado por esta raiz que lhe tolha o pensamento. Não lhe perdi o respeito por isto. Só chego à conclusão de que lhe falta liberdade de espírito. E liberdade estética.

Há muitos anos que, ciclicamente, defendo a liberdade de criação seja em que língua for, seja como for. Contra estas tretas, contra este tipo de discurso, contra esta pacóvia e atávica forma de ver a arte e o trabalho dos outros. Imagine um carro, Sr. Vitorino. O volante é a direcção, a vontade e a paixão são o motor, a língua meras rodas do veículo. O que conta verdadeiramente é o que se diz pela boca e pelo pensamento das pessoas que vão lá entro. Que amam e odeiam em português mas que o podem dizer e expressar de qualquer forma, em qualquer língua.
O que é ridículo para si são só as rodas. Fazem andar e podem deslizar, mas são só as rodas, Sr. Vitorino. E olhe que deslizam em qualquer língua… O que conta verdadeiramente são as pessoas. Nem todos os que cantam em inglês ficam tristemente ridículos. Nem todos os que cantam em português ficam tristemente ridículos. Ficam tristemente ridículos os que ficam tristemente ridículos. Mesmo que por piada paga.”
Miguel Guedes acrescentou, ainda, um vídeo ao seu texto: [Read more…]

Chile e a escola pública

Desta vez são os estudantes chilenos que parecem apontar o caminho e dia 28 há mais gente para se juntar ao protesto.

E ninguém está a falar ou exigir vantagens pessoais ou profissionais, ninguém exige nada de individual. Apenas a Escola Pública.

de Não há assim tantas diferenças entre o que eles exigem e aquilo que deveriam ser as nossas lutas. Vamos seguir com mais atenção a inspiração chilena.

Postcards from Romania (3)

Elisabete Figueiredo

 Entre Bucareste e Brasov

A estação de Bucareste Norte parece-se vagamente com um filme do Kusturica. uma confusão brutal. O intercity entre Bucareste e Budapeste é lento, mas confortável. Escrevo umas coisas no meu caderno novo, lilás. Leio umas páginas de ‘Uma Manhã Perdida’ da escritora romena Gabriela Adamesteanu.

Entramos na Transilvânia e as montanhas cortam-me o folego. Ao longo da janela desfilam carroças redondas, coloridas, lindas, dos ciganos.

Em Brasov a estação parece-se ainda mais com um filme do Kusturica. Mulheres de lenços na cabeça, rodeadas de crianças.

O taxista, desta vez, fala francês e não me rouba no preço. É até muito simpático. Oferece-se para me levar amanhã a Bran por 30 euros. Digo-lhe que quero ir de autocarro. Ele entende que um autocarro cheio de mochileiros não é sítio para uma mulher ‘elegante’ (?) como eu. Rio-me e digo-lhe que nãos e preocupe, que estou habituada a andar de autocarro. Insiste e dá-me um cartão. Digo-lhe que sexta-feira o chamo de certeza para me levar de volta à estação. desfilam carroças redondas, coloridas, lindas, dos ciganos. Em Brasov a estação parece-se ainda mais com um filme do Kusturica. Mulheres de lenços na cabeça rodeadas de crianças. O taxista desta vez fala francês e não me rouba no preço. É até muito simpático. Oferece-se para me levar amanhã a Bran por 30 euros. Digo-lhe que quero ir de autocarro. Ele entende que um autocarro cheio de mochileiros não é sítio para uma mulher ‘elegante’ (?) como eu. Rio-me e digo-lhe que não se preocupe, que estou habituada a andar de autocarro. insiste dá-me um cartão. digo-lhe que sexta-feira o chamo de certeza para me levar de volta à estação.

(Brasov, 7 de Agosto de 2012)

Bicicletas em Barcelos

Corre uma petição que promove um melhor convívio entre o comboio e a bicicleta. Favor assinar.

Caminho marítimo para a India: A Viagem

Pequeno filme com infografia da viagem de Vasco da Gama. Muito bom.

Caminho Marítimo para a Índia: a Viagem from Daniela Fonseca on Vimeo.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo