Alô-alô? Klop!

Aguardamos ansiosamente os furibundos protestos de uma certa esquerdinha que quanto a este tipo de nefastíssima seitazita, mantém-se sempre ceguinha, surdinha e mudinha. Vá lá, expliquem-nos o que se passa e o que se pode fazer.  Não, desta vez “os sionistas” não têm qualquer culpa.

Pré-crime agora chama-se TrapWire

A ficção mistura-se com a realidade

Esta notícia não está a ser praticamente coberta pelos meios de comunicação social, a não ser pelo ângulo do ataque aos servidores da wikileaks. O ataque é interessante, mas o que o ataque está a querer ocultar é muito mais.

Estamos a ser vigiados minuto a minuto. Muitas das nossas acções são registadas: quando entramos num transporte público, quando conduzimos um automóvel, quando somos filmados por câmaras de vigilância, quando fazemos transacções com cartões de crédito (ou débito!), quando fazemos um telefonema, recebemos um sms, ou quando enviamos um mail. Não esquecer também as redes sociais onde pessoas sem noção do valor da informação partilham dados pessoais, por vezes ao minuto e, claro, todos os sites que visitamos, as páginas que consultamos, a que horas o fazemos e desde onde.

Todo este mar de informação, quando considerado em partes isoladas, é absolutamente inócuo. No entanto, se imaginarmos um sistema, uma máquina, que agregue toda esta informação, submetendo-a a um tratamento adequado, fazendo cruzamentos de informação entre bases pertinentes, armando-se das probabilidades condicionadas por mil eventos, então… Então talvez seja possível prever o futuro.

O grande problema é que a máquina existe, está a funcionar, chama-se TrapWire

[Read more…]

Cuida-te

Sim! É para Vossa Senhoria que estou a falar!

Cuida-te! Este, no chão, também é alemão!

 

Concursos de Professores por mail e pelo telefone

E as férias especiais dos professores continuam, ainda que este seja o único mês do ano em que o podem fazer. Sim, isso mesmo – o nosso patrão só nos permite férias em Agosto e mesmo assim centra todo o processo de concursos precisamente neste mês, em mais uma exemplar demonstração de respeito pelos seus colaboradores.

Nos últimos dias, os professores que pediram Destacamento por Condições Específicas receberam uma mensagem de correio electrónico com o resultado desse destacamento – sugiro leitura da nota do ad duo sobre o assunto.

Por agora e até amanhã (dia 14 de agosto) é tempo dos Directores “pescarem” da lista de DACL (Destacamento por ausência de componente lectiva) os professores para quem verifiquem ter serviço. É a angústia, não do guarda-redes no momento do penalty, mas do professor à espera que o telefone toque.

Admito que estarão todos FARTOS destas coisas dos profs, sempre a dizer mal, sempre à volta com queixas, com isto e com aquilo…

Mas, de facto, que país é este que mostra este desrespeito por quem trabalha? Que governo é este que despede aos milhares  e que continua a dizer na televisão que isso são coisas sem sentido?

Durante quanto tempo mais, Mário Nogueira, terá que desmentir o Ministro?

Retrocessos da civilização

Há 56 anos, a mulher tunisina alcançava o “mais avançado estatuto entre todas as mulheres dos países árabes: a igualdade de género“.

Hoje, o actual governo pretende a «islamização» do país e os tunisinos não estão pelos ajustes. Já houve manifestações na rua.

Os tunisinos exigem a alteração de um artigo da futura Constituição em que a mulher surge não como igual mas como «complementar ao homem». Escreveu-se já que esta posição do governo é uma “nova ditadura baseada na religião”.

Ao mesmo tempo que está em debate a alteração à Constituição, a atleta tunisina Habiba Ghribi dedicou a sua medalha olímpica (a primeira mulher na história do país a conseguir uma) às tunisinas e a uma «nova Tunísia». É preciso dizer que a Tunísia ganhou apenas 3 medalhas nestes Jogos Olímpicos sendo que, então, uma delas é de Habiba! Nada mal!

Muitas vezes as mudanças não se fazem para melhor, como é o caso.

Volta-se para trás, retrocede-se, perde-se, de um dia para o outro, aquilo que alguém (ou muitos e ao fim de muito tempo) conquistou.
Já vi isto em qualquer sítio

O problema dos alunos

Ser hoje aluno numa escola pública não é o mesmo que ter sido aluno numa escola pública ontem.

A Escola do Cerco (Porto) foi a minha casa durante uns anos e de lá saí, como muitos outros, para a Universidade. A maioria dos meus colegas, ali pelo 3º ciclo abandonou a escola, mas houve para muitos uma verdadeira oportunidade. Localizada numa das freguesias mais complicadas do Porto, a Escola do Cerco não era um problema. Foi para muitos a solução e é sempre um prazer ir ao Hospital de S. João e ver um amigo médico, entrar numa escola e ver um colega professor, etc…

Hoje, mais de vinte anos depois está tudo um bocadinho mais complicado.

A Escola Pública está a braços com uma dificuldade, que não sendo nova está na matriz conceptual que o conservador Nuno Crato tráz para a Escola. Para ele e para os seus, a escola pública deve, em primeira análise, criar trabalhadores produtivos e eficazes. Daí a “conversa” em torno das vias profissionalizantes que querem introduzir logo aos 10 anos. Se me permitem a demagogia, quantos de nós, com 10 anos, seríamos competentes para definir o nosso destino? [Read more…]

Os Portugueses, por AP, e Alberto Pimenta, por SB

Alberto Pimenta - luz, sombra, brilho. © Sandra Bernardo | Direitos reservados

 

“Os portugueses não formam uma sociedade porque não são sócios uns dos outros. Tomemos os exemplos mais corriqueiros. Na cidade velha, vai-se pela rua e pode-se apanhar com sacos de migas de pão ralado, atirados aos pombos, na cabeça. E a rua está cheia de cagadelas de cão, coisa que não se vê em mais cidade nenhuma, porque cada um entende que o espaço público se pode sujar à vontade. Lisboa é habitada por uma horda que usa fato e gravata e anda de automóvel, mas que não chegou sequer ao patamar mínimo de civilização urbana. Começa-se sempre de cima para baixo. A Lisboa 94, com a sua falta de ideia, fez várias coisas em cima sem haver nada em baixo, confundiu arte com cultura. A cultura começa nas ruas onde se pode andar, no ambiente cuidado, nos jardins tratados, que não existem.

[Read more…]