Ainda e sempre os privilégios dos funcionários públicos

O diário i, órgão oficioso do governo, faz mais uma notícia com os privlégios da função pública. O jornal é um animal de hábitos.

Comments

  1. Miguel says:

    Eu juro que não sei onde vivo. Eu tinha quase a certeza que um polícia ganha em média 1600 brutos por mês. Uma secretária na freguesia ganha 1200, a da câmara que atende chamadas já chega caso aos 2000. O eng. da treta que vai ver se as casas estão bem construídas e que leva um presunto está quase a chegar aos 3000. E o chefe das finanças que há 15 anos atrás (mudou de chefe e agora não sei) ganhava aos 500 contos por mês.

    Essas pessoas devem me ter mentido no ordenado que auferiam. Só podem ser mentirosos, ou então não vivo na terra.

    • António Fernando Nabais says:

      Isso quer dizer que todos os funcionários públicos ganham mais do que devem? Na sua opinião ilustrada, quanto deve ganhar, no máximo, um funcionário público? Considera que 1600 euros brutos é demasiado para um polícia? E se houver um engenheiro que não seja da treta e que não leve presuntos? Deverá ganhar mais ou menos do que 3000 euros? Eu sei bem onde vivo, infelizmente.

      • Miguel says:

        Não, não interprete por aí. Não estou a discutir se ganham o que merecem ou não. Estou a afirmar que no privado, na sua grande maioria, um posto equivalente ganha menos. É uma falta de respeito afirmarem que não.

        E só em salário porque se considerarmos outros benefícios, como seguro de saúde, subsídio de doença, extras e horas trabalhadas.


        • Eu respeito mais quem estuda o assunto e publica os seus dados do que os achares e anedotas do cidadão comum.
          É que o cidadão comum ainda acredita numa fada no céu.

        • António Fernando Nabais says:

          Por acaso, sei que no ensino é verdade que se ganha menos, porque há colégios a explorar os professores, obrigando-os a trabalhar mais horas e a ganhar o mesmo. Mesmo que isso se possa generalizar (e não sei se se pode), continua a ser errado considerar que quem ganha mais é necessariamente privilegiado, porque pode dar-se o caso de, ainda assim, estar mal pago. Por esse prisma, a maioria dos portugueses é privilegiada, se comparada com um desgraçado que viva num campo de refugiados. O problema é outro: se, no privado, a exploração ainda é maior do que na função pública, a solução não passa por baixar o nível de vida dos funcionários públicos, mas por tentar melhorar a vida de quem deveria estar melhor.
          Seja como for, a insistência em comparar as médias dos salários (técnica habitual) é enganadora, porque, na administração pública, há muitos licenciados. Para além disso, no privado, existem, muitas vezes, maior camuflados de aumentar os rendimentos.
          Seja como for, é uma discussão inútil e julgo que ociosa: enquanto as pessoas se deixarem intoxicar pela inveja social cultivada por políticos e jornalistas acerca dos alegados privilégios dos funcionários públicos, ficam mais contentes se virem outros a perder direitos e esquecem-se de reivindicar os seus.

          • Miguel says:

            Verdade seja dita. Acima de tudo somos todos Portugueses, públicos e privados, e mais do que nunca deveríamos unir para mandar os realmente privilegiados ao chão.

  2. José says:

    Sr António Fernando Nabais, esta noticia é maliciosa e foi realizada por encomenda para as pessoas que não pensam pela sua cabeça e que acreditam em tudo o que se escreve, sem tentar aferir da sua veracidade, como parece ser o seu caso.
    Esta pseudo jornalista Margarida Bon de Sousa, é uma perfeita anormal…. o que tem de Bon, não é competência.
    Por jornalismo populista e incompetente é que o jornal I tem tido quebra de vendas.
    A ignorância é tal, que nem tem em conta que a reposição de um subsidio é retirado por via dos impostos. No caso de um funcionário público que tenha um vencimento de 1200€, com a reposição de um subsidio, e respectivo aumento de impostos, vai em 2013 receber menos 80€ face a 2012, por via de arredondamentos.
    Quer isto dizer que não só não vai receber mais face a 2012, como ainda vê o seu rendimento líquido reduzido.
    Mas isto foi um exemplo, e aconselho que antes de opinar, investigue se o que se escreve é verdade.

  3. Bota Abaixo says:

    1600 euros brutos para um polícia é um bom ordenado e por aí fora toda a minha gente a ganhar bem que é que se desejava pois claro mas assim Portugal não é um país competitivo para atrair investimento estrangeiro pois o checos e os romenos são mais qualificados e ganham menos para já não falar nos asiáticos. E toda a gente clama e berra que é preciso impulsionar e relançar a economia portuguesa mas ninguém sabe como. Claro que os capitalistas e empresários querem ter os maiores lucros possíveis para as suas empresas pagando salários mais baixos possível e não investem aqui. Qual será então a solução para a crise económica portuguesa, exportar pasteis de nata?

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.