Cantando e rindo

Não há direita a sério em Portugal?

História de uma catástrofe inglesa

A Inglaterra também quis pagar a dívida.

De pé, ó vítimas da Merkel

 

Versão incompleta em actualização.

“A rezar para que não chova”

Na Escola Básica e Secundária de Barroselas (Viana do Castelo), há quadros interactivos, videovigilância, computadores e… muita chuvinha nas aulas.

Um aparente bem-estar, mas apenas tecnológico, porque os alunos queixam-se de salas muito frias de inverno e muito quentes de verão, o tecto na cantina degradado, cortiça cheia de humidade e a água entra mesmo pelo quadro eléctrico. A Parque Escolar tarda a fazer novas obras… (DN, 22/10/2012)

Muito português (as aparências iludem).

João César das Neves, um católico

em democracia Portugal nunca conseguirá controlar a despesa pública.

A inquisição vem já a seguir

Debate em Gaia – Clube dos Pensadores

Daqui a meia hora, em Gaia, o Clube dos Pensadores recebe Maria de Belém Roseira.

Para quem não conseguir lá estar, fica a ligação para acompanhar via net.

 

Acordo Ortográfico: o Porto deixou de ser a Cidade Invicta

O trabalho de sapa do João Roque Dias encontrou, em pouco tempo, mais um exemplo da supressão de consoantes que não são mudas. Neste caso, trata-se de uma afronta involuntária à cidade do Porto, orgulhosa de ser invicta há vários anos. No site do Colégio de Quiaios e numa legenda da TVI, o c de Invicta desaparece e o Porto deixa de ser invencível.

Já tive ocasião de notar alguns fenómenos semelhantes: Acordo Ortográfico: sabor a pactoAcordo ortográfico: a fissão da ficção e Acordo Ortográfico: consoante antes de consoante não se escreve.

A insegurança no uso da ortografia não é, infelizmente, um problema recente, mesmo nas escolas e na comunicação social, ambientes em que a língua devia ser mais bem tratada. O chamado acordo ortográfico, por ser um instrumento carregado de deficiências, serve para acentuar essa insegurança.

Num país a sério, com políticos a sério, a leviandade com que o AO90 foi posto em prática não existiria. Assim, é só mais uma acha para a imensa fogueira onde arde a irresponsabilidade das políticas culturais e educativas.

A chama imensa

Custa me ver o Juíz Desembargador Rui Rangel “dar-se ao luxo” de se expor como se expõe ao ser candidato a Presidente do Benfica. Como cidadão, é óbvio que tem todo o direito à sua paixão clubística. Mas daí a arriscar o seu prestígio ser queimado pela “chama imensa”, vai uma longa distância: a que separa a paixão da prudência. E o exercício maior de um Magistrado Judicial é o do juízo prudente, matriz da jurisprudência. Não bate certo esbanjar o seu talento no mundo do futebol. Não bate certo com a sua craveira de Magistrado Judicial e muito menos com a sua intervenção pública, em relação à qual, diga-se, não são poucas as vezes em que estou em desacordo. Não bate certo com a sua posição social de Magistrado Judicial, de titular de Órgão de Soberania. Não bater certo com o contributo que poderá dar no debate das grandes causas da Justiça que urgem ser resolvidas.  Não bate certo sujeitar-se ao que já ouviu e ao que ainda vai ouvir. Não bate certo estar sujeito a ter apoios públicos menos recomendáveis. Não bate certo com nada. Excepto, com aqueles que, eventualmente, achem que até poderá dar jeito, para quando se sentirem “roubados” (como é usual dizer-se) por algum árbitro, ter um Presidente Juíz que logo dê voz de prisão. De resto… não bate certo.

Sr. Presidente não permita a saída de mais nenhum jovem

Faça tudo o que estiver ao seu alcance para que nem mais um faça as malas e invista a sua vida noutro país!

Do it now!

Constituição islandesa feita pelos cidadãos

Salta-me à vista esta notícia, «vinda» da Islândia: “A futura Constituição islandesa poderá ser a primeira no mundo a incluir propostas redigidas por cidadãos (…) 25 pessoas de diferentes áreas eleitas em 2010 e que ao longo de 2011 pediram ideias a todos os islandeses através da Internet, obtendo 3600 comentários e 370 sugestões. (…)  As reivindicações para a que a nova Constituição fosse redigida por cidadãos seguem-se à crise de 2008, quando o sistema bancário do país entrou em colapso.”

O povo a escrever a sua Constituição!

Que se copiem os bons exemplos. Será que conseguimos? Eu acredito que sim!

(Não estará na altura certa?)

E por falar na Islândia… Sabia que o desemprego neste país desceu de 12%, em maio de 2010, para os 5%, em setembro deste ano?

Eles estão a trabalhar bem!

Vinculação extraordinária de Professores

Já por aqui se falou desta coisa estranha, mas não resisto a voltar ao tema da vinculação extraordinária de professores.

Os últimos anos têm sido marcados mais pelo desemprego do que pelo emprego e este, escasso, quando acontece, é sempre no meio de uma grande confusão.

No entanto o Governo entendeu apresentar aos Sindicatos uma proposta para vincular professores, isto é, o MEC vai meter nos quadros (efectivos?) os professores que respeitem, fundamentalmente, estas duas condições:

– “Exercício efetivo de funções docentes num dos 3 últimos anos imediatamente anteriores ao presente procedimento concursal, em resultado da colocação no âmbito dos concursos”,

– “Ter completado pelo menos 3 600 dias de serviço efectivo em exercício de funções docentes nos estabelecimentos públicos.”

Passando isto para português, diria que os contratados que trabalharam num dos últimos três anos e que têm 9 anos e 315 dias poderão usufruir desta oportunidade. Parece que o o dia 31 de Agosto de 2012 será a referência para esta contagem.

E o que se poderá dizer sobre esta proposta? [Read more…]

Mis nietos debaten Passos Coelho

Mais uma vez os meus netos debatem sobre a política em Portugal. Após ter apresentado o orçamento de Estado para 2013, estivemos horas no Skype e contaram-me do debate que tinham tido com os seus pais, analisando o texto de ontem 18 de Outubro, onde foram apresentados. Ainda não sabem muito português e é o nosso hábito falar em inglês, que eu traduzo para o Castelhano mastigado que eles conhecem e eu também por ter passado a ser a minha primeira língua o português europeu, que retirei do luso galaico e que dá-me prazer para falar e escrever, após dezenas de anos de morar com eles na Paróquia de Vilatuxe, onde fui ensinado pelos meus vizinhos aldeões. A seguir, o inglês, língua que usamos em família. Castelhano, não tenho com quem falar, mas as línguas maternas não se esquecem com facilidade. A minha mulher e eu temos uma campanha para lhes falar em Castelhano chileno que lentamente aprendem … Aliás, eles procuram essa língua para ser entendidos pelos parentes que moram no fim do mundo e querem saber o que na Europa acontece.

[Read more…]

Não houve surpresas na Taça de Portugal

Os 3 grandes – Porto, Benfica e Braga – ganharam com maior ou menor dificuldade e não houve um único tomba-gigantes. Sinais dos tempos..

Scaramouche

Pouco antes da Revolução, a rainha Marie Antoinette pede ao seu primo que descubra a identidade de um panfleteiro que está atacando a imagem da Nobreza. Exímio espadachim, o primo mata o homem, mas deixa escapar seu amigo, que se refugia numa companhia teatral, onde vive sob a máscara de um bufão. Capa-espada de primeira, dirigido por George Sidney em 1952, mostra o ambiente pré-revolucionário da França.

ficha IMDb

Carregue para ver

Da série Filmes para o 8.º ano de História

Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas

Unidade 7.2. – O triunfo das Revoluções Liberais

%d bloggers like this: