Beethoven e a sua rebeldia contra as classes sociais

 

Todos sabemos que nasceu em Bona, em dia incerto, mas quem investiga o génio da música, criador de forma clássica da composição musical, sabe que pode ir aos registos da igreja da sua freguesia, e fica a saber que por desleixo dos pais não foi inscrito no Registo Civil. O problema era que tinha nascido um filho primogénito, também como o nome de Ludwig, falecido poucos meses depois. Nasceu este segundo que foi denominado com o nome do irmão falecido. Os pais, Maria Magdalena Kewerich (17461787), e Johann van Beethoven (17401792), pensaram que a inscrição do nascimento do primeiro filho, Ludwig Maria que nasceu e morreu no ano de 1769, era válida para o segundo, Ludwig também, e apenas o batizaram no sai seguinte do seu nascimento, Beethoven foi batizado em 17 de Dezembro de 1770, tendo nascido presumivelmente no dia anterior, na atual Renânia do Norte, Alemanha

[Read more…]

As tabelas de preços do ensino privado

O  Nuno Domingues  viu o preço das escolas privadas com contrato de associação, quando paga o estado, e foi ver quanto pagam os pais que pagam (é suposto que as turmas subsidiadas sejam à borla) em algumas destas beneméritas instituições.

Nós pagamos 4522 euros, em média, por aluno e por ano, preço de tabela, os pais têm desconto e pagam nalguns colégios 2500 euros, preços de outra tabela.

Ou seja: estava completamente enganado quando, perante o Relatório do Tribunal de Contas, constatei nas suas próprias conclusões como o privado é mais caro que o público, tendo em conta uma maior oferta de soluções e recursos educativos e os cortes recentes na educação perante uma diferença mínima calculada (e note-se que foi impossível isolar todos os custos contabilizáveis do público, inflacionando o resultado médio obtido).

Afinal o ensino privado com contrato de associação fica-nos mais caro mas é mais barato. [Read more…]

Agressão social

Idosa ferida em assalto escondeu agressão para não pagar 108 euros no hospital.

Durão, o português

À frente da comissão europeia está um português.

Foram muitos os Tugas que argumentaram: a entrada de Durão Barroso na Comissão Europeia será uma mais valia para Portugal, como se um dos quatro fosse bom em alguma coisa.

Hoje, estou certo, não há dúvidas das vantagens para Portugal da presença do José Manuel em Bruxelas.

Como, também, não há dúvidas que o sonho do PSD (um Presidente, um governo, uma maioria) é o melhor para Portugal.

E agora que penso no sonho, se calhar até será mesmo o melhor para Portugal. Só é pena que, de facto, não exista nenhuma das três condições:

– O Presidente? Quem? Onde? Falou?

– Governo? Desculpem? Go-VER-no? Uma equipa que governa? Se fosse uma equipa que SE-governa…

– Maioria? Caramba. Enganei-me.

Há uma maioria. Uma imensa maioria (a dois tempos: I e II) que está farta deste governo!

Agora temos que procurar um Governo e um Presidente. E com urgência!

Tem que ser possível encontrar outro caminho, porque com estes tipos…

Salvo por uma paixão

Morreu o «fotógrafo de Auschwitz», Wilhelm Brasse (1917-2012), o antigo prisioneiro que foi obrigado a fotografar os milhares de novos prisioneiros que chegavam àquele campo de concentração.

O polaco cedo se apaixonou pelos segredos da fotografia, “sem nunca imaginar que este seria o seu passaporte de sobrevivência no campo de extermínio nazi”: um certo dia, corria o ano de 1941, o comandante do campo incumbiu-o de fotografar os prisioneiros, já que ele era o único fotógrafo profissional da unidade. Os alemães precisaram dele e isso permitiu-lhe sobreviver!

O Museu Auschwitz-Birkenau conta com mais de 39 mil fotografias de Brasse…

Brasil: Independência ou morte

Longa-metragem de 1972 sobre a independência do Brasil. Tarcísio Meira desempenha o papel de D. Pedro.

ficha IMDb

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carregue para ver

 

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.2. – O triunfo das Revoluções Liberais

Alternativas: a CGTP

Em Portugal é um lugar comum dizer-se que não sou político e não quero ter qualquer relação com a política.

É, talvez, o maior dos nossos problemas. Se calhar esta ideia resulta da confusão entre política e partidos, até porque estes tomaram conta de parte significativa da nossa vida política, deixando pouco espaço para outro tipo de intervenções.

Querendo ou não querendo qualquer cidadão é um Político e com P dos grandes. E a afirmação da dimensão política de cada cidadão é anterior aos próprios partidos, isto é, cada pessoa antes de poder integrar um partido é um cidadão e por isso um político.

Nesta afirmação conceptual do que deverá ser a dimensão política da nossa cidadania, torna-se muito importante a intervenção nas diferentes organizações da nossa sociedade.

Os sindicatos são, também, um desses pilares da nossa democracia e têm nos últimos tempos procurado encontrar alternativas políticas ao caminho, errado, que o (des)governo de Passos Coelho insiste em percorrer.

Arménio Carlos apresentou uma conjunto de propostas alternativas à TROIKA, algo também feito há coisa de um mês.

Começa a ser hora de deixar de dizer que não há alternativas!

Há alternativas! Há outro caminho!

Saldos

Relvas teve equivalências em disciplinas que não existiam

É o que se pode ler no Expresso.

Luís Filipe Vieira foi reeleito

Os sócios do Sport Lisboa e Benfica votaram e fizeram destas eleições as mais participadas de sempre num clube português – 22676 sócios expressaram, democraticamente, a sua vontade.

Luís Filipe Vieira, candidato da Lista A, foi eleito para Presidente do Sport Lisboa e Benfica com uma percentagem de 83,02.

A questão central do próximo mandato apareceu em cena nos últimos dias: os jogos em casa da Liga Portuguesa serão transmitidos pela BENFICA TV, ficando a Olivedesportos de fora do universo benfiquista.

Esta empresa tem tido um papel central no desporto português dos últimos 20 anos e estou curioso para perceber o que vai significar esta decisão do BENFICA, ainda que tenha algumas dúvidas sobre a capacidade do clube em fugir à ditadura de Joaquim Oliveira.

Quanto à demagogia do 3-1-50, nem vale a pena comentar…