Que faz a oposição na Assembleia de Portugal?

2+de+Abril+de+1976+-+Assembleia+Constituinte+aprova+a+nova+Constitui%C3%A7%C3%A3o+da+Rep%C3%BAblica.jpg

Partido Social Democrata, 38,63% e 105 deputados.

Partido Socialista, 28,05% e 73 deputados.

Centro Democrático Social-Partido Popular, 11,74% 24 deputados.

Coligação Democrática Unitária (Partido Comunista PortuguêsPartido Ecologistas Verdes), 7,94% e 16 deputados.

Bloco de Esquerda, 5,19% e 8 deputados. Fonte: Instituto de Informação Estatística, ou IIE.

Esta é minha imagem de hoje.

Pergunto-me eu, o que faz a oposição ao governo na Assembleia de Portugal? Perder o seu tempo, perorar, fazer figura de parvo, falar para o povo ouvir o que seus deputados dizem e serem reeleitos outra vez, falar para a bancada dos assistentes aos debates? Nem entendo nem queria entender. É uma simples tristeza ver como se desgasta Jerónimo de Sousa em dizer sempre frases como esta: “Falta coragem” a Passos Coelho para “rasgar a Constituição”

Exorto o PS a não ficar à espera…, ou “O capital tem medo da luta organizada, não de protestos”  (Fonte: DN do 29 de outubro de 2012)

António José Seguro diz: “Muita gente já não tem mais furos no cinto para apertar” ,  a proposta do Governo de Orçamento para 2013 “nasce ferida” por um sentimento de desconfiança dos cidadãos, apresenta metas inexequíveis e terá um efeito recessivo maior do que o esperado. Ou: Este Orçamento nasce ferido de um sentimento de desconfiança por parte dos cidadãos… O efeito recessivo é maior do que o esperado e a receita fiscal não é exequível. Assim, o Orçamento não é exequível (mesma fonte que a anterior)

Será este o papel da oposição, proferir discursos para o impenetrável governo, para ouvidos moucos. Este governo apenas ouve palavras em linguagem calão. A coligação que nos governa, apenas se ouve a si própria, ou, por outras palavras apenas ouve o PM que nunca antes tinha sido membro da Assembleia, apenas um gestor de empresas da sua propriedade, que ganhava todos os concursos para asfaltar ruas, tratar do metro da Ponte 25 de Abril, trabalho realizado sem que ele entenda o que é o dia da liberdade em Portugal, quando os patriotas verdadeiros como Mário Soares, Álvaro Cunhal, Otelo Saraiva de Carvalho retornam do exílio para criar uma República que este governo desfaz. Por que este governo desfaz? Por nos tratar como metais, não como pessoas, apesar da sua participação como parlamentar na Assembleia entre 1991-1999. Outra experiência com seres humanos foi a sua presidência da Assembleia Municipal de Vila Real. Mas, o mais interessante para ser tratados por ele como pessoas dura como o metal, é esta: tinha trabalhado na Quimibro, empresa que se dedica ao trading nos mercados de metais, de José Bento dos Santos, entre 1987 e 1989, e iniciado a sua atividade de consultor na Tecnoforma, em 2000. Em 2001 tornou-se colaborador da LDN Consultores, até 2004. Dirigiu o Departamento de Formação da URBE – Núcleos Urbanos de Pesquisa e Intervenção, entre 2003 e 2004. Em 2004 Ângelo Correia convida-o para ingressar no Grupo Fomentinvest, onde passa a ser diretor financeiro, até 2006, e administrador executivo, entre 2007 a 2009. Foi também presidente do Conselho de Administração das participadas Ribtejo e da HLC Tejo, a partir de 2005 e 2007, respetivamente. Quem orienta empresas que tratam de metal, criam nele um ser que não é humano. Especialmente pela sua formação em economia liberal e na matemática, que sabe calcular lucros e mais-valias. Leiam isto: Em 1982/1983 lecionou a disciplina de matemática numa escola secundária de Vila Pouca de Aguiar. Ingressou na licenciatura de matemática na Universidade de Lisboa, mas acabou por não prosseguir esse curso. (Fonte: CV de Passos Coelho que pode ser lido em  http://avaria.no.sapo.pt/cv_ppc.pdf  ou em  http://www.google.pt/#hl=pt-PT&sclient=psy-ab&q=Curriculo+de+Pedro+Passos+Coelho&oq=Curriculo+de+Pedro+Passos+Coelho&gs_l=serp.12…10782.20500.1.24547.13.13.0.0.0.1.375.2358.0j9j3j1.13.0…0.0…1c.1.sfEsddmfluo&psj=1&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&fp=df0a6870c871cdb0&bpcl=35466521&biw=1024&bih=567

A oposição gasta e se desgasta perante um experto em metais, matéria que não precisa de alimentos nem de carinho, menos ainda de informação. O metal apenas usa soldaduras das máquinas destinadas a esse trabalho, alimentadas com oxigénio que faz dessas máquinas instrumentos de ignição, deitar chama sobre os rails dos caminhos-de-ferro. Vamos ter que passar a ser rails para sermos alimentados com fogo, com metal, com oxigénio e ascender o nosso corpo na dura tarefa de sofrer as penas do inferno, ainda em vida.

A oposição sofre de impedimento para falar e ser ouvida, de incompatibilidade ideológica por ser pessoas com sentimento, esse que não existe no experto em metais e que ensina a sua resistência. Resistência que deve ser usada pelos seres humanos que a integram, passando a ser um conjunto de partidos que combatem um governo, na mas grande das desesperanças porque falam para o vil metal que não ouve, que não informa, que vai direto à fonte de aço que fornecem o metálico usado por este governo para salvar Portugal.

A oposição, pelo menos, é ouvida pelo povo que liga a ainda não privatizada televisão, que vamos ter que fechar porque toda empresa televisiva para a ser metálica codificada. Como todas as que desejamos ver quando joga o Benfica que escolheu transmitir os seus jogos no canal Sport TV, porque eles são ricos e transmitem apenas para eles.

Apenas um governo de Salvação Nacional, convocado por um ser humano que até escreve no Face-Book, o PR de Portugal, podemos salvar deste orçamento criado para máquinas que deitam fogo, o seu alimento de aço. O povo português não é de aço e perde população jovem que procura trabalho no estrangeiro. A Assembleia foi criada para o debate na organização de leis que pertencem a soberania do povo que come e trabalha para ganhar a sua vida. O único que fala na Assembleia o metálico PM. Os seus colaboradores e associados entram calados e saem mudos, são seres humanos com sentimentos e queriam fugir do fogo deitado pelo vil metal que procura, com mentiras, o metálico que diz que Portugal precisa, esse chamado vil metal ou dinheiro que não temos nos nossos bolsos, vá todo as arcas do Estado da nossa Paária…

Raúl Iturra

29 de Outubro de 2012.

lautaro@netcabo.pt

Comments

  1. Raul Iturra says:

    Escrevi este texto mal soube que a moção do PS não passou por causa do não da férrea mão do governo de aço, esse bunker que nos governa e semeia o caos entre nós. O PR deve ter apenas quatro dias para tratar do sim ou não, poder que ele tem. Espero que demore na sua leitura cuidada e serena. Não queria que os concidadãos continuem a passar fome!
    Raúl Iturra
    lautaro@netcabo.pt
    Com todas as minhas coordenadas, sem artifícios de nomes criados especialmente para ocultar o que se diz mal do texto de um aventador!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.