O hóquei está de luto

Armindo de Vasconcelos

Faleceu uma das figuras de referência do hóquei português. José Estêvão Vasconcelos Machado foi um dos maiores lutadores que a modalidade conheceu, e deixou-nos ontem. Não tivesse falado recentemente com o filho, o vice-presidente reeleito para o executivo da FPH, José António Machado, e a notícia ter-me-ia apanhado ainda mais de surpresa. Mas, por entre lágrimas de saudade antecipada, o Zé António disse-me que o pai estava em estado terminal e só se aguardava o desenlace final.

Mesmo assim, hoje de manhã, ao abrir a minha página do facebook, a notícia estava lá, o escudo da Federação a negro. Não conseguimos nunca, mesmo que seja esperado, encarar a morte doutra forma, que não esta: o enorme vazio que fica quando parte alguém que nos marcou. Mesmo que, por fé, acreditemos na vida eterna, mesmo que, por amor à poesia, encaremos que esta partida é uma libertação da lei da morte, como escreveu Camões. Somos humanos, e esta marca indelével de fragilidade acompanha-nos e revela-se, exactamente, em momentos como este, em que o desconforto de mais um lugar vazio na nossa vida se confirma.

José Machado era um homem de convicções. Um lutador. Um homem recto. Tinha sonhos enormes e, felizmente para a modalidade, muitos se concretizaram. A variante indoor foi praticamente introduzida em Portugal por ele, a par de José Nora, que lhe conferiram uma nova identidade. Com eles, esta variante passou a ser respeitada como a grande hipótese que tínhamos de fazer crescer a modalidade, ainda sem campos condignos para a sua prática na variante de campo. Então, se não tínhamos essas condições, havia que fazer a formação num piso onde os mais jovens atletas tivessem condições mais próximas dos outros, os de lá de fora. E os frutos apareceriam: José Machado tinha uma fé enorme no atleta português e nas suas características inatas, o resto teria de ser feito através do trabalho.

Só um sonho ele não terá concretizado, apenas porque os jogos políticos neste país, refém de alguns autarcas sem palavra, podem mais do que a vontade dos cidadãos. Esse sonho nunca concretizado, mas para o qual José Machado trabalhou denodadamente durante anos e anos, foi o do complexo desportivo da Federação, que chegou a estar em projecto para Matosinhos. Vi muitas vezes os seus olhos a faiscarem, enquanto mostrava as novas amostras de relvados sintéticos, entretanto recebidas na FPH, ou quando passeávamos amiúde pelo espaço onde seria – acreditava ele – instalado o complexo.

José Machado foi um dirigente de eleição. Nem sempre estive de acordo com ele, no campo da dialéctica defrontámo-nos diversas vezes com muito fervor e algum furor, eram os tempos em que quase tudo tinha de ser feito e cada um defendia os caminhos e posições com a força e denodo que Deus nos emprestou. Claro que a sua experiência e o meu respeito levavam sempre a melhor, eu estava ainda a aprender e reconhecia-lhe o grande mérito de lutar por algo a quem ele já dera tanto, eu só queria ser capaz de fazer metade daquilo que ele já tinha feito. E era entusiasmante, eram vivas as reuniões nesse tempo em que não havia tempo para discutir o sexo dos anjos: o tempo urgia!

Do seu percurso, como atleta, treinador e dirigente, ficarão para sempre ligados o Vilanovense, o FC Porto, o Sport, a Associação de Hóquei do Porto (de que foi Presidente) e a Federação portuguesa, de quem recebeu, em 1988, a “Medalha de Dedicação”. Não tivesse sido polémico, não tivesse posto sempre o dever à frente das palavras com que defendia a sua modalidade, e, por certo, como outras figuras, teria recebido outras condecorações do hóquei. Mas ele, para quem a ambição era o crescimento da modalidade contra tudo e contra todos, nunca poupava nas palavras nem subtraía nos adjectivos, razão por que foi muitas vezes apodado de controverso, por isso mesmo problemático para outros dirigentes que, sem servirem tanto, se serviram mais.

Ao Zé António, que sei estar num momento particularmente sensível, ele que tinha no pai o seu grande modelo, o meu abraço solidário e inteiro. À restante família, os meus respeitos nesta hora difícil.

Estamos todos, os do hóquei e seus indefectíveis admiradores, mais sós, hoje, nesta manhã fria que ainda mais nos arrefece a alma.

Fica em paz, José Machado. Vai em paz, José Estêvão Vasconcelos Machado.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.