O TGV dos vira-casacas

Ainda há dias apostava que a obra eleitoral havia de aparecer em 2014 e aí está ela. Que nem perfeitos vira-casacas, o PSD que fora um acérrimo opositor ao TGV (e ao aeroporto, já agora) acaba de ressuscitar a alta velocidade através do seu governo.

Como não podia recuperar o projecto anterior, se não para que é que se teria oposto, apresentam um projecto ainda mais confuso e que nem sequer é de TGV, apesar do acrónimo aparecer na notícia. É uma linha de mercadorias na qual pode circular o TGV desde que, na fronteira, lhe troquem os rodados. Uau!

O que já se sabia, e agora se comprova novamente, é que apenas importa que a obra, não importa qual, arranque no mandato certo, sendo este aquele em que o partido esteja no governo. Falta recuperar a obra do aeroporto para compor o ramalhete das próximas legislativas.

Em Portugal ganham-se eleições fazendo obras, mesmo que sejam a pagar por quem venha depois. Depois de três anos a penar aposto — mais uma aposta, que 2014 será ano de queimar dinheiro. Todo o esforço que estamos a fazer para nada. Será interessante ver como votarão os portugueses. Escolherão o carrasco ou o coveiro?

Comments

  1. Maquiavel says:

    Qual “alta velocidade”, Jorge? A linha única de mercadorias Évora-Badajoz reporta ao “Priority Project 16 – Freight railway axis Sines/Algeciras-Madrid-Paris”), foi por isso que a REFER modernizou a linha ibérica até Évora para 250km/h. Claro que isso foi anunciado como ideia do governo para benefício da mobilidade das populaçöes, e mais näo sei o quê.
    No que concerne a ferrovia, no Tugal só se faz algo por imposiçäo de Bruxelas!

    Essa linha de mercadorias pode ser usada por um CAV?
    Só os da série 120 e 121 da Renfe.
    http://es.wikipedia.org/wiki/Serie_120_de_Renfe
    Esses andam a ser usados nas linhas ibéricas enquanto as LAV väo sendo feitas.
    http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Red_actual_de_ferrocarriles_de_Espa%C3%B1a_%28con_cambio_de_ancho%29.png
    Em teoria esses chegariam para fazer Madrid-Lisboa em 3 horas de centro a centro (que é o mesmo que faz o aviäo), com a vantagem de que se pode trabalhar durante todo o tempo da viagem, e näo apenas em meia hora como no aviäo. Só que chagando ao Pinhal Novo tem à frente os ICs e os suburbanos e o diabo a sete…

    Näo, näo pode lá circular nenhum TGV, näo há TGV com rodado variável. O “TGV” iria pela outra linha, dupla e europeia.
    Logo, é mentira que isto tenha a ver com LAVs (“Priority Project 3 – High-speed railway axis of southwest Europe.”). Mas o tuga sabe lá a diferença…
    Também é mentira que os fundos do TEN-T só cubram 25%, cobrem no mínimo 50%, no caso dos projectos TEN-T 3 e 16 os fundos que o desGoverno Passos deixou perder cobririam 90% do projecto!!! 90%!!! Ao mesmo tempo continuam as obras da a 3.a AE Lisboa-Porto (a AE vazia do Pinhal Interior), que custam os mesmos 600M€ e säo financiadas a 0% pela UE!!!!
    Também é fabuloso que com o mesmo dinheiro agora se faça apenas 1/3 da obra. É a “eficiência financeira” do desGoverno Passos!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.