Alguma preocupação

O parlamento húngaro acaba de, por iniciativa da maioria de direita (de um partido que, no Parlamento Europeu, se senta nas bancadas da família do PSD) instituir um regime de tipo fascista. Já sei que o nome incomoda algumas almas mais sensíveis, mas é mesmo a sério.

Apropriando-se do controlo da justiça e estabelecendo que a maioria pode ignorar e rejeitar as deliberações do Tribunal Constitucional – logo, lá se foi o estado de direito – volta a autorizar o uso dos símbolos e organizações nazis enquanto proíbe os comunistas. De resto, comunistas, sem-abrigo e homossexuais passam a ser ilegais. O anti-semitismo é encorajado, enquanto piedosas referências ao cristianismo passam a fazer parte do texto constitucional. Segue-se a perda de direitos das mulheres e a reinstituição dos trabalhos forçados na moldura penal (“o trabalho liberta”, não é?). Entretanto, órgãos de comunicação são fechados, jornalistas fazem greve da fome.

Durão Barroso e os seus manifestam alguma preocupação por aquilo que se passa. Deputados do Parlamento Europeu – dos seus sectores decentes – já defendem a necessidade de uma intervenção imediata e mais assertiva, de acordo com os tratados, que prevêem medidas claras quando os direitos humanos estão em causa em qualquer país da união. Mas os manda-chuva não têm pressa. Nestas coisas, nunca têm.

Comments

  1. AACM says:

    eles la sabem o que sofreram nas maos de carniceiros…….quem nao se sente nao e filho de boa gente.


  2. A BANCA É UM NOJO , CRIA O FASCISMO E COMPRA A JUSTIÇA .

  3. nightwishpt says:

    É de uma estupidez atróz aquilo que se anda a fazer na Europa e o resultado só pode ser este.
    Heil lMerkel.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.