Obrigado, Porto!

Porque neste atoleiro político dos que dizem que não há pântano, só tu, Porto, para me fazeres acreditar que é possível mudar.

Comments

  1. xico says:

    Mas afinal o que é que mudou? São sempre os mesmos a ganhar!


  2. 13 de maio está aí é tempo de rezar. Fado, futebol e Fátima gracias dr. Salazar, deste-nos o nosso chão intelectual. bom domigo

    • xico says:

      Nem o fado, nem o futebol e nem Fátima era do especial agrado de Salazar. Todos já existiam muito antes de Salazar. O nosso chão intelectual procure-o no decadente século XIX e deixe o Salazar em paz. O que ele fez foi saber manipular muito bem esse chão intelectual, mas não o formou.

    • xico says:

      Não conhecer com rigor a raiz dos nossos males e atribuir a culpa a quem mais está a jeito, é o caminho do sucesso para não corrigir coisa nenhuma.


  3. Que o século XIX seja decadente é uma adjetivação e uma posição ideológica não um facto real, mas claro, é verdade que os três “F”, a fronteira da nossa intelectualidade (que outra há? a do pastel de nata? que o laborioso ministro Álvaro deixe marcas na história, é também o meu desejo), não eram do agrado de Salazar em si, mas o que existiu foi um regime que se agregou à sua volta, diz-se ser fascismo, de facto foi um fiquismo, ele foi ficando, várias vezes voltou a Coimbra, para o manter criaram favos (encenação política) à sua volta, como uma colmeia para proteger a rainha. O fado, sim era música de marginais, desprezada por Salazar, torna-se canção nacional a partir do filme do Queiroga “História de uma cantadeira”; o futebol leva grande impulso com a construção do estádio nacional para demonstrações do regime; e Fátima veio-se afirmando depois da segunda guerra mundial, é verdade que Salazar prefira rezar em capelas pequenas, e foi lançada como bandeira contra o comunismo no tempo de Salazar.

  4. xico says:

    Se olharmos para a história a decadência de Portugal no século XIX não é um adjectivo mas um substantivo. E concordou comigo. Salazar manobrou bem o chão intelectual português. Salazar tinha todos os defeitos do mundo, mas conhecia como ninguém as gentes que governava. Não precisou de formar qualquer “chão” bastou-lhe manipular o que tinha. Até a mocidade portuguesa que à semelhança do fascismo queria modelar um homem novo, foi uma concessão aos fascistas do regime, porque ele era suficientemente cínico para não acreditar em nenhum homem novo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.