Ofereço Paredes

As de minha casa. A quem as quiser graffitar com arte. Será um prazer ter um acervo de obras de arte urbana na minha própria casa. E aqui o Rui Rio não risca. Ou melhor, não desarrisca!

Comments

  1. quemsoueu says:

    Acho óptimo. É assim mesmo que deve ser. Quem quiser que ofereça. Deixem as outras paredes em paz.


    • Há paredes que preferem não ser deixadas em paz. Preferem ser olhadas com um carinho especial, com atenção redobrada, talvez até sentir um ou outro afago de mãos que apreciam arte.
      Há paredes que, mesmo vadias e sem dono que as estime, merecem o toque de um jacto de tinta que as transformará em obras de arte.

      • quemsoueu says:

        Poético, mas apenas uma opinião pessoal. A mesma opinião que pode ser vinculativa em relação às paredes próprias ou, na devida proporção, em relação às paredes de todos. Mas nunca em relação às paredes alheias.

  2. Hugo says:

    Desse modo o graffiti não perderia o seu valor intrínseco, como actividade marginal? Lembro-me de há uns anos um graffiter dizer que se se legalizasse ou enquadrasse legal ou culturalmente o graffiti, ele perderia todo o seu valor.

    • Maquiavel says:

      Só no caso das “cagadelas”.
      No caso das lindíssimas criaçöes do Hazul, näo, antes pelo contrário.
      O valor da casa da Noémia é que subiria num instante! 😀

    • Os Portugueses já não sabem escrever correctamente says:

      Essa de actividades marginais terem valor está boa…

Trackbacks


  1. […] As de minha casa. A quem as quiser graffitar com arte. Será um prazer ter um acervo de obras de art… […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.