Balanço do primeiro dia de greve: Números esmagadores

Não se realizaram 405 dos 419 Conselhos de Turma previstos para ontem, primeiro dia de greve dos professores, o que corresponde a uma percentagem de 96,6%. São números esmagadores.
E aqui não há lugar à habitual luta de números entre sindicatos e Ministério. Porque neste caso não interessa quantos fizeram greve. Até pode ter sido só um professor em cada Conselho de Turma. O que interessa é saber quantos é que não se realizaram. E sem receio de me repetir, volto a dizer que os números são esmagadores.
A lista completa está aqui. Terça-feira, dia em que começam os Conselhos de Turma do 6.º, 9.º e 12.º anos na maior parte dos agrupamentos, há mais.

Comments

  1. vitor cambra says:

    Parabéns, Professores.


  2. Esses 96% é pouco, para a destruição que estão a fazer da escola pública. Mas já é muito bom ver que afinal conseguem ter coragem.

    Mas é triste, revoltante, e desesperante ver a opinião pública e as reacções infelizes de muita gente.

  3. adelinoferreira says:

    É preciso continuar firme!
    Se ssim for a VITÓRIA É CERTA!

  4. Bento Norte says:

    Cabeças de aluguer são negócio alheio.

  5. jose says:

    eheheheheheh que ninguém se esqueça da manif em lISBOA

  6. maria says:

    Seguindo o espírito daquilo que dizemos aos nossos alunos … Não nos podemos satisfazer com este resultado!!! Devemos querer mais do que isto, devemos querer o resultado mais esmagador possível da não realização de Reuniões de C.T de avaliação, isto significa 100% de C.T. adiados … e adiados sucessivamente, durante o máximo de tempo possível! E repito, somos os que nos responsabilizamos durante sucessivos anos pelo sucesso educativo dos nossos alunos, e nesse âmbito passamos a mensagem da importância da ambição, incutindo neles a vontade de querer fazer sempre melhor, aspeto que, entre outros, será decisivo, no seu futuro, nomeadamente na procura de uma profissão.

  7. adelinoferreira says:

    Plenamente de acordo com a tua opinião!
    Espero que adopção do novo AO, não te
    traga inimizades

  8. helena tome says:

    Não sei se estão a contar com a minha escola. A reunião foi adiada para o dia 13, mas aparece em todos os documentos oficiais. Pelos vistos, também terá tido 100% de adesões. Espantoso. É assim que se destrói a credibilidade de toda uma construção, toda ela estranha desde o primeiro momento.


  9. Continuem a lutar não lhes dêem tréguas .

  10. Anngomes says:

    Mas no meu tempo, eram 30 alunos nas salas e aprendia-se e agora não?QUeixam-se do quê?Vão retirar ao salário porque é preciso.Não sobra nada?Ficam na miséria?Não chega pra comer? Para a casa?Para as despesas?Corta. Há quem viva com 450 euros.Há muito dinheiro muito mal distribuido. Como alguém comentou,”é tempo de apertar o cinto”(citação de Mário Soares de 1984). Nos sindicatos, não devia haver militantes dos partidos porque esta greve parece defender é os direitos dos trabalhadores do sindicato porque têm de defender o direito de continuar a receber o seu ordenado ao fim do mês.Quantos sindicatos de profs existem?Estarão mesmo a defender uma escola pública com mais qualidade? É que não oiço nesta greve falar da redução de alunos por turma, melhor condições no horário,prevendo a correção de testes, reuniões, formações, elaboração de documentos, etc.Só oiço contra as 40 horas e mobilidade.Senhores, eu quero trabalhar 40 horas!Não quero é o resto adicional, e isto ninguém explica,não, nenhum sindicato a colocar isto no papel.Nesta guerra com o governo, os sindicatos estão a usar os professores para defender questões políticas.Deviam era rever o número de sindicatos que existem e acabar com muitos deles, porque politicamente não estão agir corretamente nem a defender ninguém, a não ser a si próprios.Acho obsceno fazerem esta greve nesta altura, é uma falta de respeito por quem leva a sério o seu trabalho e uma falta de respeito pelos alunos e pais.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.