Os putos

Os últimos dias devem ter sido os mais surreais de que há memória na história política portuguesa. De um lado, um primeiro-ministro morto, do outro um ministro de Estado suicida e um Presidente da República que. Sim, que. Ninguém consegue perceber muito bem o que vai na cabeça daquele senhor para não ter ainda demitido o governo e convocado eleições antecipadas. O que move esta gente? Bem, vamos por partes.

Paulo Portas apanhou Passos com as calças na mão por, com todos os perigos inerentes ao facto. Toda a gente sabe que Portas não perdoa quando vê um governante de calças na mão. A história de Portas prova-o. Roeu a corda aos seus parceiros, ou associados, ou manos, que continuo a achar que este governo é um gangue. Saca da cartola uma demissão no dia seguinte a Gaspar ter feito o mesmo, ofendido por uma cuspidela sem ter noção de que todos os dias foi cuspido por cada um de nós que sofre na pele as políticas deste ainda governo. Portas e o seu elevado sentido de Estado não aguentaram a madame swap. Ou seja, podemos ser roubados, massacrados, um país com fome, miséria, desemprego, emigração. Ah, mas a Maria Luís, Portas não aguentou. É sensível. É uma pessoa sensível. Saiu sem dar Cavaco e parece que a coisa caiu mal no CDS, que precisa de tachos para sobreviver como de pão para a boca. E seguram um governo que não percebem que está morto. Alguém os avise.

Passos é uma nulidade e a sua comunicação ao país foi mais uma prova disso. Não tem mão em ninguém nem pé na piscina de lodo em que se move, desde há muitos anos. Tem o sentido político de um poio e uma enorme apetência para o ridículo. Portas quer ir embora mas Passos não deixa. Têm de ir embora, não há outro caminho. E nós vamos para a rua, exigi-lo. Isto já não é uma questão de Esquerda vs Direita, é uma questão de sanidade mental, de decoro, de vergonha. De tudo e mais alguma coisa de bom que esta gente não tem. Internem-nos, prendam-nos. Não há uma autoridade médica qualquer com poder para nos salvar? Não. Salvemo-nos, pois.

Estamos perante uma birra de dois putos, um é o inteligente mas perigoso, outro é burro mas é igualmente perigoso. Portas é perigoso pela táctica, Passos pelo músculo do poder de ser o representante do partido maioritário de uma coligação que até chegou a ter um organismo para articular a coisa. São a dupla perfeita para dar cabo de uma turma ou de um país.

A Cavaco já nada move, nem o próprio se move, apostado em cavar buracos e mais buracos ou olhar para vacas enquanto são ordenhadas. Tragicamente, pela sucessão de acontecimentos a que temos assistido, só o fará quando o povo tomar o Palácio de Inverno, em Belém. É nas mãos trémulas deste senhor que está o nosso futuro, a menos que o tomemos nós nas nossas mãos. E, se é assim que querem, façamo-lo. No sábado, às 15h00, com CGTP.

Depois, quando daqui a alguns anos estes episódios forem contados nas aulas de História, pode ser que tudo faça mais sentido. Pode ser.

Comments

  1. Cláudia says:

    Como eu gostava de acreditar nessa simplicidade.
    Suspeito que ainda vamos ter que ir mais ao fundo para perceber quanto nos faz falta o oxigénio à tona.
    Porque o Povo ainda não está verdadeiramente unido.
    Mas lá chegaremos e a História terá mais um capítulo de indecências, mas de vitória também!

  2. joao figueira says:

    Na expectativa da estabilidade (???) vs continuar a ter ordenadito, um cada vez mais pequeno grupo tuga, ainda vai sonhando. Em contrapartida, um cada vez maior precebe k tal só será possivel após as eleições. Vamos a elas.

  3. Fernando says:

    “um Presidente da República que. Sim, que. Ninguém consegue perceber muito bem o que vai na cabeça daquele senhor”

    A única coisa que passou na Cavaqueira foi o carreirismo político, para coisas como servir o povo nunca existiu espaço!


  4. Na cabeça de Cavaco só se passa sede de poder a todo o
    custo , o resto não interessa – Como tenho dito é um político
    de pacotilha que não presta para nada , como os outros
    políticos .t

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.