Cartoline d’Italia (3) (da Firenze) – A Ponte Vecchio, o pôr-do-sol, os príncipes

Elisabete Figueiredo

IMG_5654

Regressa-se sempre à Ponte Vecchio quando se está em Florença. Bem sei que te contaram estórias sobre o pôr-do-sol e os príncipes. Tenho de te dizer que apenas o pôr-do-sol existe e, mesmo assim, nunca tive exatamente a certeza de que exista, porque é demasiado. Os príncipes ao que julgo saber não existem em nenhuma parte. Já nem sequer nos filmes de que gosto ou nos livros que leio. Talvez gostes de outros. É difícil saber e talvez não me esforce o suficiente. Porque entre tu e eu existem muitas coisas e é difícil saber e querer saber e eu penso que na maior parte das vezes não tenho qualquer desejo de saber. Mas dizia(te) que não existem príncipes em parte nenhuma e que a probabilidade que o(s) encontres na Ponte Vecchio é idêntica à probabilidade de que o(s) encontres em qualquer outro sítio. Quero dizer, nenhuma. Lamento desapontar-te. Ou que seja a própria realidade a desapontar-te. Bem sei que a ti – como a mim – te contaram, provavelmente desde sempre, sobre os príncipes e as princesas e os finais sempre felizes para sempre. Que te contaram desde pequena que para seres uma mulher inteira terias sempre de encontrar um príncipe – ou mais, já que os tempos, apesar de tudo, mudam – lamento desapontar-te. Existe a ponte, está ali e até já a atravessamos juntas. Existe o rio Arno, está ali, a ponte cruza-o. Existe o pôr-do-sol e já o vimos ambas desde a ponte. Existem outras coisas que partilhámos e não quero já saber. Existem homens e mulheres, pessoas, gente. E não existe mais nada. O resto está escrito naqueles livros que nunca li e nos filmes que vejo, às vezes, e me irritam profundamente, sempre. Não há outra felicidade que a de aprender a estar só connosco mesmos. Ser suficiente. Ser inteira. Sem príncipes, nem finais felizes.

IMG_5654

Comments


  1. Estranha esta saga de comentários , que já vai em três ,
    sem resposta , que me parecem ser dirigidos a alguém ,
    em particular , como do género procuro-te mas não te
    encontro . .


    • O facto de seres burro, que me perdoem os asnídeos pela comparação, obriga-te a demonstrá-lo em público, comentando desta forma parva aquilo que muito simplesmente é uma crónica de viagem?
      Chiça,.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.