Roubar dinheiro aos mais pobres

Serve exactamente para quê?

Para poupar?

Vejamos – alguém que ganhe 1000 euros ou menos, no nosso país, tem dois destinos para o seu dinheiro: a economia, por via do consumo e uma ou outra aplicação bancária, quase sempre um pequeno depósito a prazo.

Percebo tanto de economia como o Major de timing para homenagens, mas parece-me que o nosso país precisa de ambos como de pão para a boca: de dinheiro na economia e de poupanças.

Assim, o motinhas e o aldrabão, só conseguem uma coisa quando tiram dinheiro aos titulares de pensões de sobrevivência: afundar ainda mais o país. É verdade que poupam uns tostões (milhões), mas como a economia vai piorar o resultado será, como se tem visto nos últimos dois anos, sempre um desastre.

Em jeito de conclusão: mais portugueses ficarão abaixo do limiar da pobreza e o país cada vez pior. E estes imbecis que não conseguem parar de escavar.

Um não, dois!

Bem atravessados!

 

Comments

  1. Hugo says:

    Roubam aos pobres porque os outros julgam-se uns privilegiados que não têm nada que contribuir para o reequilíbrio das finanças públicas.

    Em relação à pergunta, existe uma terceira variável na equação que limita o rendimento disponível das famílias para consumo e poupança e que é o volume de impostos pagos. E num estado com 600 mil funcionários públicos, uma rede de auto-estradas muito superior às necessidades do país, dezenas de universidades públicas a formar desempregados, piscinas olímpicas em freguesias de 57 habitantes, museus Guggenheims recheados de bugigangas que se compram na Vandoma, subsídios para tudo e mais alguma coisa, os impostos têm necessariamente de ser altos e em crescendo, porque essas regalias e benesses só caiem do céu enquanto a torneira do crédito fácil está aberta. Só que a torneira não fica aberta para sempre e há-de chegar a altura em que fecha. Nessa altura em que chega a factura e alguém a tem de pagar, as pessoas diminuem o consumo porque têm menos dinheiro disponível e porque têm receio em relação ao futuro (daí o aumento da poupança verificada nos últimos meses). Diminuindo o consumo, diminui o lucro do sector privado que é quem cria riqueza em qualquer economia de mercado e muitas empresas fecham trazendo mais desemprego e menos consumo, entrando-se numa espiral recessiva. Um país necessita de consumo e poupança, mas também necessita de impostos e de despesa pública adequados à realidade económica. Além disso, num país falido (ou seja sem capacidade para injectar dinheiro na economia através, por exemplo, de uma política de obras públicas) e sobretaxado, o reequilíbrio financeiro tem de ser feito através de corte na despesa. Mas em alguns países o reequilíbrio enfrenta o monstro dos lobbies económicos e dos direitos adquiridos… adquiridos há 40 anos num cenário económico e demográfico completamente diferente do que se verifica actualmente.

Trackbacks


  1. […] o traseiro. É que isto vai piorar para o teu lado e só espero que se te atravessem não um, não dois, mas vários. Ao mesmo tempo. […]


  2. […] há nada de pessoal nas minhas análises. Obviamente, quando sugiro um Pinus no reto de alguns governantes, não é porque tenha algo contra os pinheiros. […]


  3. […] – não estamos, claro, todos a dizer as mesmas coisas. Para alguns a solução está num pinheiro, para outros teria que ser a floresta […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.