Tomada de posse #2

Eduardo Vítor Rodrigues é o novo Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e está, neste momento, a tomar eduardo-vitor-rodrigues-e7e6posse.

Escrevo sobre Gaia há muitos anos e por isso sinto uma enorme expectativa neste mandato do Professor Eduardo Vítor. Sente-se nas pessoas uma esperança numa forma diferente de fazer política.

Confesso que fiquei muito contente com a vitória em Gaia, quase tanto como com as derrotas de Carlos Abreu Amorim, aqui em Gaia e Luís Filipe Menezes no Porto.

O projecto que ambos desenharam foi pelo voto abaixo e isso foi uma expressão fantástica da força do povo. Esta gente tinha para o Grande Porto e para todo o norte um projecto de poder muito delicado, que felizmente foi derrotado. A cambada que vivia à custa da autarquia de Gaia estava-se a preparar para ampliar o seu território e o povo percebeu isso. Foram os concertos com o Rui Veloso ou com o Quim Barreiros, os porcos, as facturas de cartazes do Porto que chegaram a Gaia, as nomeações de Presidentes de Junta para cargos nas Águas de Gaia, enfim, uma lista sem fim de trapalhadas que, finalmente, estão atiradas para longe.

Costumo perguntar aos  putos o seguinte:

– se um buraco demora uma hora a fazer, quanto tempo demora a fazer meio buraco?

Palpita-me que em Gaia não vão faltar buracos e buracões, mas agora é a nossa hora – a hora dos Gaienses, pessoas normais que assumem a gestão da sua terra. Vamos a isto!

Boa sorte Eduardo Vítor!

Comments


  1. Caro João Paulo, esqueceste-te ainda de falar da trapalhada dos diversos lugares para dirigentes que foram abertos no final do mandato para os cargos de direção de 1.º e 2.º grau.

    Cheguei a levantar esta questão, uma vez que iria comprometer o modelo de gestão/administração que compete aos novos autarcas estudar e determinar para o seu mandato.

    Note-se ainda que estes procedimentos concursais foram suspensos, mas não foram anulados, situação que, a não serem anulados e reabertos posteriormente, poderá só ter facilitado e continuar a facilitar a situação de um determinado conjunto de pessoas que apresentaram candidatura, para as quais havia sido desenhado esse procedimento concursal.

    Na minha ótica e face a alguma formação e especialização em Alta Direção em Administração Pública (CADAP e Mestrado), todos estes procedimentos concursais deveriam ser anulados e, posteriormente, só depois de desenhado o programa estratégico (atentos aos planos de atividades e orçamento), ser desenhada a estrutura organizacional e de gestão/direção que melhor venha a servir o município e a concretização do programa que foi a eleições.

    Vejam os lugares que Meneses havia aberto pouco antes das eleições autárquicas:
    CÂMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA
    Procedimentos concursais para provimento dos cargos de direção intermédia de 1º e 2º grau, publicitados na BEP (Bolsa de Emprego Público) e publicados no Diário da República, nº172, II série, de 07 de setembro de 2013, a seguir identificados:
    Diretor de Departamento Municipal de Equipamentos Municipais – Proc. Nº 38/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Obras no Espaço Público – Proc. Nº 39/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Gestão no Espaço Público – Proc. Nº 40/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Educação – Proc. Nº 41/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Polícia – Proc. Nº 42/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Urbanismo – Proc. Nº 43/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Sistemas de Informação- Proc. Nº 44/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Administração Geral – Proc. Nº 45/2013;
    Diretor de Departamento Municipal de Finanças e Património – Proc. Nº 46 /2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Coordenação Jurídica e Apoio à Atividade Normativa – Proc. nº
    47/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Contencioso – Proc. Nº 48/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Assessoria Jurídica – Proc. Nº 49/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Ação Social – Proc. Nº 50/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Manutenção de Equipamentos Municipais – Proc. Nº 51/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Contraordenações – Proc. Nº 52/2013;
    Chefe de Divisão Municipal Projeto Avenida da República até ao Mar – Proc. Nº 53/2013;
    Chefe de Divisão Municipal Projeto de Encostas do Douro – Proc. Nº 54/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Planeamento Urbanístico e Reabilitação Urbana – Proc. Nº 55/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Mobilidade – Proc. Nº 56/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Oficinas – Proc. Nº 57/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Vias e Espaço Público – Proc. Nº 58/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Apoio e Intervenção Pedagógica e Ação Social – Proc. Nº 59/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Gestão de Equipamentos e Recursos Educativos – Proc. Nº 60/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Conceção e Construção de Equipamentos Municipais- Proc. Nº
    61/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Fiscalização – Proc. Nº 62/2013;021.00/DMAF/DMRH Pág. 2/2
    Chefe de Divisão Municipal Administrativa e Serviços Gerais – Proc. Nº 63/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Empreitadas – Proc. Nº 64/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Arquivo – Proc. Nº 65/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Contabilidade – Proc. Nº 66/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Gestão Financeira – Proc. Nº 67/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Gestão e Património – Proc. Nº 68/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Execuções Fiscais – Proc. Nº 69/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Planeamento e Controlo Financeiro- Proc. Nº 70/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Espaço Público e Publicidade – Proc. Nº 71/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Informática de Redes e Equipamentos – Proc. Nº 72/2013;
    Chefe de Divisão Municipal de Gestão Policial e Operacional – Proc. Nº 73/2013.


  2. Espero que a sua esperança não seja vâ – as autarquias são de facto – vejo pelas paisagens que deixam e aleijam e destroem e deitam lixos e as casinhas nas áreas agrícolas abandonadas e nem vale a pena dizer mais pois que autarcas destruiram mais 89080 km2 do que o governo daqui que é o pior do mundo mas o que me interessa são os 89090 km2 e durante 1999-2008 percorri como membro de júri INH todo o pais e os projectos camarários – só gostei dos de Matosinhos – e da “Sé” e do arqtº Siza (Cedofeita) + do arqt. Cabral em Matosinhos e da arqtª Paula Petiz (porto) e pouco mais – o resto é LIXO de norte a sul e é desbaratar o meu IRS e o meu trabalho gratuito – os autarcas não sabem nem querem aprender (e deviam estudar quando são eleitos porque não podendo saber tudo têm de aprender o que não sabem ao menos na sua essência) e nada sabem de ordenamento florestal – até o ministro Administração Interna só disse asneiras e devia ter vergonha e calar.se e o fogo deste ano de que ele só disse asneiras – fogo fatal – e o país arde há 20 anos sem parar – os portugueses merecem melhor – e não saber não é vergonha – vergonha é o pais arder desde 1986 – e não saber ordenamento florestal que não se faz de régua e esquadro e este ano pela 1ª vez até os bombeiros falaram em desordem das matas – mas não são técnicos de ordenamento (ou julgam ser outra coisa e ter opinião não chega é preciso saber) e nem sequer todos os meus colegas eng florestais sabem fazer porque até o ensino degradou –
    mistros e autarcas andam à procura de emprego – não chega – um dos melhores autarcas que conheci – de Portalegre – sr Nabeiro tinha a 4ª classe mas a humildade de ter os técnicos de que precisava para Portalegre ser o que continua a ser – e portugal tem muita gente que sabe de ordenamento – mas não são os que dão “dicas” – não basta usar o termo ordenamento e sustentável pois é tudo INSUSTENTÀVEL senão o pais não ardia nem empobrecia nem dava tanta dor e lágrimas – ordenamento paisagisto incluindo urbano só sabem os paisagistas e nem todos – são precisos florestais mais paisagistas na cidade e, aqui, não bastam arquitectos porque a cidade também não é apenas casario + etc – espero assim que haja autarcas mais inteligentes e humildes e não se rodeiem só de amigos – conheço o pais inteiro de milhares de km por ano de camionete com outros membros de júri desde 1999 até 2008 – fartei-me e deu-me vontade de chorar ver autarcas cm quem falei a contruir em cina de ribeiros e destrir ribeiros e paisagens e áreas agrícolas e a fazer casinhas PER debaixo de antenas de transporte de alta tensão e constriu dentro da Ria de Aveiro etc – só anormais fazem isso

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.