Alarme social: meses com maiúsculas no site do IAVE

Meses_IAVE2Nos últimos dias, várias vozes chamaram a atenção para os prováveis prejuízos decorrentes da obrigatoriedade de usar nos exames nacionais apenas a grafia permitida pelo acordo ortográfico de 1990 (AO90). Naturalmente, fiz parte do coro.

Hoje, no jornal Público, apresentei vários argumentos a favor da utilização das grafias de 1945 e de 1990 nos exames nacionais, tal como acontecia até ao ano passado,  e, ontem, comentei as infelizes declarações de Edviges Ferreira, que, a propósito do mesmo assunto, conseguiu a quadratura do círculo, ao reconhecer que pode haver prejuízo para os alunos, defendendo, apesar disso, que não devem ter direito a duas grafias, castigando-os por culpas que atribui aos professores.

O IAVE enviou, ainda hoje, uma nota à imprensa, comentando dois títulos de textos, sendo um deles o meu. Repito: o IAVE comentou títulos. Se é certo que há um erro no título do Diário de Notícias (na realidade, um aluno não pode perder até cinco valores devido a erros ortográficos), não consigo perceber como é que o do meu texto (“Perigo no exame de Português de 12.º: o acordo ortográfico”) pode revelar “um profundo, mas muito grave, desconhecimento dos critérios de classificação da prova”.

Graças ao Público, tive, também hoje, ocasião de comentar o texto do IAVE. Sem prejuízo da leitura a que a hiperligação dá acesso, a verdade é que não se consegue negar que é possível perder até quatro valores devido a erros ortográficos, ficando a faltar referências e/ou demonstrações sobre a percentagem de palavras alteradas pelo AO90, sobre “o baixo índice de frequência” e sobre a “probabilidade de desvalorização” pelo uso da grafia de 1945 (e que é uma maneira de reconhecer, apesar de tudo, que existe uma probabilidade de desvalorização, sublinhe-se).

Depois de ter demonstrado tudo isto, o IAVE termina, em tom crítico, com uma referência à existência de um “alarme social”.

Entretanto, descobri que, no site do IAVE, os nomes dos meses estão escritos com maiúscula inicial, o que seria suficiente para que um aluno fosse penalizado num exame nacional. Qual seria a probabilidade de isto acontecer?  Quantos alunos terão, nas várias visitas a esta página, interiorizado uma grafia considerada errada? Quando a instituição responsável pelos exames nacionais comete um erro tão básico, não será caso para “alarme social”?

Comments

  1. martinhopm says:

    «Há uma questão que dura,/Vai num ano com certeza:/Vem a ser se picadura/É palavra portuguesa./Diz o Leite, afirma e jura/Que é vernácula e antiga./Como não basta que o diga,/Diz-lhe o Cândido que prove./Leite, perece-lhe espiga,/E que faz? Faz que não ouve./Assim pois, qurestão é ela/Que dura há um ano ou mais./Eu vou seguindo o Morais,/Preferindo picadela.»
    Já João de Deus assim escrevia no seu poema «Filologia».
    Eu vou seguindo a grafia de 1945. E mais não digo.

  2. maria celeste ramos says:

    Se sempre escrevi o que NO MEU TEMPO se designava por NOME PRÒPRO (a não ser que actualmente se denomine outra porcaria qualquer pois que nem o novo livro da nova gramática sei lei nem interpretar pois não reconheço em que língua é escrita) com MAIúCULAS que interessa escrever assim ou assado Mas que preocupação depois da casa arrombada !! – Por mim escrevo como me apetecer A liberdade é total ou a LIBERTINAGEM ?? tanto me faz – Tenho pena dos alunos mas não dos professores que se lixem pela defesa que fizeram da língua – até escreverei se me apetecer a palavra a começar pela última sílada para CANHOTOS e VESGOS – e se calhar também já não há acentos – cada um que lixe o que quizer pois falta pouco E quando aparece aquele inteligente programa assim se escreve com o actor de teatro até acho graça – a explicação eruditíssima de filólogos e outros anormais que nem sei se falam brasiês ou 3ª lingua portuguesa pois que duas já existem – esta e o Mirandês De facto há portugueses altamente criativos – ou isem ainda a alternativa inventada pelos meninos que usam telemóvel e escrevem abreviado com a virtude de terem recuperado o K coitadinho que tinha sido deitado ao LIXO (será com X ou com ch ?? ah não sei – parta mim xinês é Chinês e nunca deixará de ser xinês pois cada um é para o que nasce

  3. maria celeste ramos says:

    Só muda o que está bem quem não sabe fazer mais nada e nem percebe quantas pessoas perturba – só faz rotundas quem não sabe desenhar estradas – só faz asneira que não sabe perguntar a quem sabe – hoje todos sabem tudo e a opinião ~´e detida por 4 milhões e quem quizer que faça como quizer pois a regra é não haver regra ou mudar de regra como quem muda de camisa – pois os fora de lei que se lixem – e não sei nem me interessa se quizer é com x ou com s – tanto me faz – deixei de saber escrever OBRIGADA a todos os professores e sobretudo politólogos da língua e linguistas – já não andei nas suas universidades -esle “HADEM” um dia saber algo – pois “hadem não hadem que é agora expressão ministerial – no feminino -as ministras exemplares

  4. maria celeste ramos says:

    Ah e agora faz-se tudo a correr falar escrever dizer ser – etc – pois façam lá as maratonas que quiserem – e não esborratem o nariz

    • Nightwish says:

      Cara Maria, penso que não escreve segundo nenhum acordo, uma vez que estes mencionam o uso de parágrafos e de pontuação.
      Já quanto às rotundas, embora haja muitas mal feitas, desnecessárias e feitas por corrupção, são o mais eficaz que há para o trânsito. Temo de pensar ter outra coisa na região da rotunda da AEP.

  5. maria celeste ramos says:

    Tem toda a razão NIGHTWICH – a minha rebeldia deu para esquecer dois pontos + ponto e vírgula – e parágrafo e linha com mais um intervalo – e uso traço em vez de ponto e nunca faço ponto final – sabe que adorei fazer assim porque estava farta de leis e cumprimentos e às vezes até invento palavras que nem existem mas excepto quando faço erros dactilográficos toda a gente entende – DESALINHEI-me do OA e sem OA – E sabe ?? Às vezes nem percebo o que escrevo pois depressa demais e sem corrigir é mesmo total desalinho – faço de propósito é claro Se quizer saber como escrevia pode consultar o blog http/www.infohabitar.blogspot.com e nem sei como não virou “azul” – se calhar também o computador acha que escrevi mal

  6. maria celeste ramos says:

    todos têm razão – O A não tem gravidade nenhuma – valha-nos Deus – Escrever Maiúculas é sacrilégio VIVA A VISÃO E A LUSA – eu inventei a minha ortografia Só tento ter algum cuidado com a sintaxe antes que fique com a sintaxe brasileira resultante, sobretudo das suas deles brasileiros, traduções e «de inglês E até os assentos são um dramazinho que adoro –
    Estou a ouvir – 04:08 TVi24H Fernando Roas e o grande Paulo Rangel sobre o PROGRAMA ministerial e os milhares de emigrados que vai fazer VOLTAR que tem claro os maiores elogios de Rangel – nem sei comentar – é perder tempo e para isso prefiro perdê-lo de outra forma
    Já não tenho idade para o Paulo Rangel – nunca vi tão serviçal e manhoso e mentiroso – malabarista . circense – nem o sr Póvoa saberia imitar – gostava era de ouvir o sr católico de olhos vesgos que se calhar vai fazer contas e dizer que não haverá dinheiro e será preciso comer de novo a ADSE e aumentar mais uns iIRScezinhos – ai vão voltar os cientistas que se foram embora – estou contente –


  7. O IAVE aplica o Acordo Ortográfico de 1990 corretamente. Uma observação atenta dos títulos de cada secção do “site” permite concluir que o IAVE utiliza inicial maiúscula em nomes, adjetivos, verbos, pronomes que se flexionam e determinantes artigos indefinidos, e utiliza inicial minúscula em preposições, conjunções, advérbios e no determinante artigo definido. Este regra não vai de encontro ao que é estipulado na norma ortográfica referida, em que o uso de maiúscula após o primeiro elemento dos títulos é opcional. Por exempo, tanto pode escrever-se “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban” como “Harry Potter e a prisioneiro de Azkaban”; “Os Rapazes de Dezembro” como “Os rapazes de dezembro”.
    Tendo optado pela maisculização das iniciais após o primeiro elemento (por exemplo, “Formação e Avaliação”, “Arquivo de Provas”, “Banco de Itens”, “Informaçao-Prova Final ou Informação-Exame Final Nacional”, é de se esperar que o mesmo seja aplicado às datas que antecedem os títulos por uma questão de coerência (e de estilo), o que não viola o Acordo.
    Aquilo de que poderia ser acusado era de não ter maisculizado a inicial de “online” em “Livraria online” (uma incoerência, portanto), por exemplo, mas isso já seria uma “picuinhice”.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.