António Costa e o jornalismo contemporâneo

Se tenho a gabar uma atitude de António Costa, por sinal filho de uma notável jornalista portuguesa, destaco um virar de página na tradicional subserviência dos dirigentes políticos perante a comunicação social. Compreende-se, qualquer um por despeito pode meter uma vírgula onde não houve uma pausa e desmentir nunca resolve o assunto, mas está mal.

Primeiro foi a recusa em responder ao que agora é moda: fazer esperas e meter o microfone e perguntas à frente, mesmo que o assunto não tenha relevo de maior, num exemplo de violência jornalística que me recorda certos brasileiros, quando apanham um algemado pela frente. Todos temos o legítimo direito a não sermos chateados.

E agora soube reagir a um texto, de opinião, é certo, que uma voz dos donos no Expresso dirigiu ao PS e a si próprio. Fez muito bem, não faltava mais nada que um dirigente político não pudesse criticar a opinião alheia. Os jornalistas não são inimputáveis: podem e devem ser criticados, tanto no exercício da sua profissão como no seu, legítimo, direito a opinar.

Curioso que João Vieira Pereira faça do caso um escândalo de lesa-majestade, afirmando nomeadamente que nem quando investigou o BES, e sentiu medo, tenha recebido uma mensagem directa dos visados. Curioso porque cá na casa conhecemos bem como trabalhava Paulo Padrão, director de comunicação do BES, e não foi isso que se entendeu no Expresso a propósito do nosso caso.

Escrevo isto porque pela extrema-direita vai um burburinho, tendo um sms pessoal de António Costa sido tomado como pressão inqualificável, já que o Director do jornal é seu irmão. Um dos problemas da burguesia, nepotista, habituada à solidariedade da casta, eternamente monárquica, é não perceber que nem todos funcionam como eles; outros são republicanos, colocam até o lugar à disposição quando na família mais chegada se alcança uma grande responsabilidade política. É genético, é de classe e falta dela, não há cura para o mal.

 

Comments

  1. Alexandre Carvalho da Silveira says:

    eheheheh! ai se fosse o Relvas…Como dizia uma das referências do partido do Costa: para os amigos, tudo; para os inimigos, nada!; para os outros cumpra-se a lei.
    Este post é um verdadeiro anilingus.


    • Nunca nos devemos espantar com a incapacidade da burguesia em perceber que aplaudir pontualmente um adversário político é perfeitamente normal em democracia.
      Tinham de entender o que é a democracia, o que quem invoca um Relvas nunca conseguirá.

      • Alexandre Carvalho da Silveira says:

        Eu entendo, com limitações, mas entendo. Você é que pelos vistos gosta de ver o chicote na mão de alguns, desde que goste deles. Não há nada como a superioridade moral da esquerda para justificar o Injustificável, não é?
        Quanto ao Relvas, o sr Cardoso percebeu bem porque é que eu falei nele; ou já se esqueceu o que aqui escreveu quando foi do “caso” com o Publico?

  2. eleitor says:

    É preciso lata! Em primeiro lugar, o jornalista não se referiu, uma única vez, a António Costa. Comentou o programa e táctica do PS. Em segundo lugar, o António Costa não respondeu à crítica: enviou um sms a insultar.
    Para concluir, já não é a primeira vez que o Costa insulta jornalistas por não gostar das opiniões.


    • Em primeiro lugar não é preciso citar o nome para insultar alguém. Em segundo lugar, pagou-lhe da mesma moeda.
      E faz ele muito bem em responder à opinião de quem quer que seja como muito bem entenda.
      Chama-se democracia, que ainda é um sistema onde se vota, supostamente em liberdade, e não às ordens dos cães que ladram à voz do dono. Como é o caso deste cavalheiro, useiro e vezeiro na pregação do catecismo neoliberal.

      • eleitor says:

        Adoro estes democratas! Há falta de argumentos, carregam nos adjectivos e nos insultos. O António Costa respondeu a opiniões com insultos, não as rebateu. Resumindo: demonstrou ser um burgesso e ter a mesma consideração pela liberdade de imprensa que tinha o 44.


  3. Em matéria de tentar condicionar a comunicação social, o PS tem um passado triste. A sua luta pela Liberdade de expressão no PREC, à qual Portugal muito deve, serviu de pretexto para muitas tropelias. O pior de todos terá sido Mário Soares…


    • Isso não nego, muito pelo contrário. Mas não é o caso, que não passa de um desviar de atenção para o que os OCS querem fazer nas campanhas eleitorais, isso sim, um grave atentado à democracia.


      • Bem, aqui estamos quase de acordo. Todos advogamos o bom senso, só que o diabo está nos detalhes. Imaginemos que o partido A tem um dia calmo em termos de campanha, já o líder do partido B comete uma gaffe daquelas capazes de condicionar toda a eleição. Que deve a comunicação social fazer? O mesmo tempo a ambos? Evitar omitir opinião à gaffe do líder do partido B? Nas autárquicas a comunicação social abdicou de cobrir as eleições. E nada prática nada a obriga a fazê-lo. Apenas a manter imparcialidade absoluta, caso o decida fazer…


  4. Tens razão: é a classe e a falta dela.
    E já que falaste em falta de classe, o que é que escreveste (ou pensaste) de algo parecido feito pelo Miguel Relvas?

  5. seria Charlie Brown? says:

  6. Li o artigo de JVP e não tenho dúvidas que o jornalista emitiu a sua análise ao trabalho dos economistas e descobriu (se gosta ou não disso é com ele, a democracia também existe para ele poder ter a sua opinião de esquerda ou de direita), a real proximidade do documento à estratégia do PSD-PP atual e claro denunciou o facto.
    Li o SMS de Costa e fez-me perspetivar os tempos da perseguição pessoal a jornalistas incómodos, se bons não sei, claro JVP denunciou o facto (a democracia também existe para ele o poder fazer livremente).
    Sim, seguramente que outros políticos de quadrantes vários também tentaram controlar os OCS, só que um mal se vier de Portas ou Relvas não é pior do que se tiver proveniência de Sócrates ou Costa, é simplesmente tão NOJENTO como esta tentativa, só que esta perspetiva o pior pois vem de alguém que ainda aspira por mais poder e foi número 2 de Sócrates com tudo o que este personifica de perseguição a alguns jornalistas.
    Para alguém que quer ser diferente de Sócrates e do tempo de Passos assusta que seja pelo facto de pelo programa e pelo sms indiciar que quer reunir o pior dos dois mundos.


    • Mentira: JVP não critica o trabalho dos economistas, mas sim o facto de o PS lhes ter pedido esse trabalho.
      Nem podia ser de outra forma, porque tanto o JVP como todos os que aqui vêm ao choradinho estão de acordo com esse trabalho, e isso é que vos dana: ficaram sem poder discordar das propostas do PS porque elas, mais vírgula menos parêntesis, iguais às do PSD e seu táxi.
      Como não podem discordar do essencial, andam agora entretidos com um fait divers da treta. E vão ter que inventar muitos mais nos próximos tempos.
      É uma chatice, mas é a vida.


      • Mentir por mentir também o JJC pode ter a sua interpretação, se é que JJC acredita na sua mentira. JVP começa logo por dizer: O que me leva a pensar que o relatório “Uma década para Portugal” está muito mais à direita do PS do que seria de esperar.” Por isso é uma análise crítica ao trabalho com o pensamento dele. Concorde-se ou não com ele.
        Portanto, de isenção por isenção, tanto JJC como JVP tomam a que querem,
        A mim não me dana nada, mesmo que JJC minta ao dizer isto, só não sei se acredita ou não nessa mentira de tal me danar.
        Chatice é JJC é chamar fait divers ao assunto quando foi ele, como autor deste post, coloca o assunto à discussão.
        Não tenho complexo em dizer que egoisticamente me convém que o PS ganhe, não tanto para aplicar o programa de Passos, embora suspeite e tema que tal, ironicamente, seja conseguir-se uma viragem mais à direita da Constituição e da interpretação de TC.
        Em termos de longo prazo não sei se será vantajoso ou não para Portugal essa mais que provável viragem à direita da Governação de Costa, embora sendo menos exposta às críticas de pessoas como JCC suspeite que pode ser bem menos social para as próximas gerações.


  7. Sim, tudo o que não seja concordar consigo é delírio, não é o único a pensar assim em relação aos seus pensamentos. Alguns tornaram-se mesmo muito maus como seres humanos quando tiveram o poder nas mãos, outros não, felizmente estes casos também existem, embora raros.
    Eu prefiro tentar ser isento, a ir nas suas imposições.
    Admiro a sua visão de atitude correta de Costa, tal como a da maquinação (não vi o twitter mencionado) referido no post do Insurgente (desculpa se para si é um delírio eu ler este blogue, embora também nem sempre vá pelo que eles dizem já que muitos têm a mesma isenção de JJC, só varia o ângulo).
    “O irmão de António Costa afirmou na sua conta do Twitter que a resposta de JVP, no seu habitual artigo de opinião (suplemento Economia, página 3), “foi tudo decidido em equipa”. Portanto, decidiram que o sms-ataque foi ao autor e não ao jornalista. E isso não merecia grande destaque…”


  8. O sentido de seita é tramado; que o diga a Exma Sra Dr Estrela que tem uma imparcialidade igual a do deste post. um mimo!!


    • A minha imparcialidade é muito clara: eu discuto, discordo e até combato, o programa económico do PS.
      Quem não o pode fazer porque tem um igual, embora sem vaselina, inventa casos por causa deste sms.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.