O acordo é meu! Não, é meu!

patoConfesso: não gosto de humor inteligente. O humor inteligente obriga as pessoas a esperar demasiado tempo para se poderem rir, porque é preciso ouvir a piada, pensar sobre a piada, debater a piada com os amigos em tertúlias demoradas e, dois dias depois, rir da piada, já sem muita vontade, porque quem muito pensa ri pouco.

Por isso, uma das minhas anedotas preferidas é uma daquelas que qualquer cidadão de qualquer país pode usar para fingir que é superior ao de uma nação vizinha. Reza assim: um  espanhol e um português andavam à caça e dispararam, simultaneamente, contra o mesmo pato. Discussão, caído o bicho, o pato é meu, el pato es mío, e é meu, es mío, e torna e deixa. O português propõe: “Sodomizemo-nos um ao outro. Quem gemer perde o pato!” (Não tem piada nenhuma contar anedotas por escrito, especialmente em blogues respeitáveis, com crianças ainda acordadas. Como devem calcular, nunca ouvi nem utilizei o verbo “sodomizar” em anedota nenhuma.) O espanhol aceita e, com valentia, suporta sem um ai. Quando se preparava para exercer o contraditório, o português afastou-se, dizendo: “Ó pá, eu nem gosto de pato!”

PSD e PS andam, neste momento, a disputar o pacto (que, por vezes, é pato), já que ambos reclamam para si o mérito do acordo com a Grécia.

Passos Coelho já deu, aliás, origem a uma hashtag que inundou o mundo das redes sociais: #‎poracasofoiideiaminha. Confesso que quase me enterneceu o tom satisfeitinho do nosso primeiro-ministro: parecia um daqueles meninos que contam aos pais que acertaram uma resposta na escola.

O Partido Socialista, a outra agremiação de tiro aos pactos, dedicou-se ao auto-elogio, o que, aliás, é típico dos caçadores, pescadores e outros mentirosos. Os socialistas, por acaso, também têm ideias deles. Se não acreditam, perguntem-lhes.

É claro que a anedota dos caçadores do palmípede tem muito mais piada. Infelizmente, PS e PSD preferem dividir o pacto ao meio, com prejuízos evidentes para o mexilhão grego, como se pode ver pelas demissões e pelas greves. Seja como for, as greves são convocadas pelos trabalhadores, subespécie que serve para ser caçada ou domesticada, como os patos.

No fundo, PSD e PS constituem um casal curioso: deitam-se na mesma cama e sodomizam o pato à vez. Desta vez, conseguiram fazê-lo aos gregos, sem sair de Bruxelas ou de Lisboa. Nem o John Holmes.

Comments

  1. Aventanias says:

    Já xssschega (outra anedota).
    Estou a começar a aderir à defesa da saída do euro.

  2. Rui Moringa says:

    Sim, é preciso sair desse arnez que nos colocaram à socapa, ou seja, mentindo sobre os seus méritos. (In)felimente só vejo o PPCP a falar disso abertamente.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.