Não pronunciarás o nome de Sócrates durante a campanha

Socas

Yevgeny Yevtushenko terá um dia dito que “O verdadeiro hipócrita não é o que dissimula, mas o que tenta persuadir os outros daquilo em que ele não acredita.”. Parece-me ser o caso de vários membros da corte passista, monarca incluído, que se têm esforçado convencer os portugueses que não pretendem trazer José Sócrates para a campanha quando esse é precisamente o seu principal trunfo eleitoral. E que, de cada vez que insistem na ideia, mais ou menos todos os dias, estão precisamente a fazê-lo.

Em todas as suas dimensões, a máquina de propaganda de PSD e respectivo anexo têm feito de José Sócrates o centro nevrálgico da sua operação. No universo dos perfis falsos nas redes sociais, o prato forte são as colagens de António Costa a José Sócrates como se fossem uma e a mesma pessoa, como se Costa fosse arguido na Operação Marquês. As Marias Luz que rastejam entre os gabinetes de assessores e o esgoto do PàF têm-se encarregado da tarefa para que a escumalha engravatada que os dirige não tenha que sujar as mãos. Carregam-se fotografias de uma qualquer actriz pornográfica que mostrem rabo e peito com fartura, adiciona-se um discurso de ordinária disponível e não faltam uns quantos ignorantes babados para disseminar tudo o que o clone quiser, na esperança, quem sabe, de conseguir tomar um café com uma mulher torneada e elegante que na verdade pode muito bem ser um homem gordo de camisa branca aberta até ao umbigo.

Dos terroristas virtuais para as claques oficiais, repletas de aspirantes a boys e grunhos com 15 neurónios defeituosos, tudo é Sócrates: a crise international foi provocada por Sócrates, a pirâmide etária torna a Segurança Social insustentável porque a simples existência de Sócrates desmotiva a procriaçao e, entre outras tragédias socráticas, a dívida pública continua a crescer sem parar porque Sócrates é o criador da política de austeridade (e opositor maior da sua reestruturação) e não há nada que o actual governo possa fazer para dela fugir. Sejamos sérios: Sócrates tem muitas culpas no cartório e é um dos grandes responsáveis pelo afundamento da economia nacional, é inegável, mas quererem fazer dele mais do que os seus antecessores é puro eleitoralismo. Se não fosse, os boys e os grunhos ter-se-iam revoltado contra o Querido Líder no dia em que elogiou Dias Loureiro, indivíduo que nos ficou bem mais caro do que meia-dúzia de Sócrates.

Depois temos a corte, mais polida e permanentemente retocada com as melhores técnicas de photoshop social, que, blindada pelo spin e protegida de forma incondicional pelas espécies anteriormente referidas, se dedica a mentir e a deturpar sem que grande mal venha ao mundo. PSD e respectivo táxi têm-se esforçado por fazer crer que Sócrates não interessa à campanha mas usam-no todos os dias, em praticamente todas as declarações que fazem. Usou-o Paulo Rangel quando colocou em causa a separação de poderes na creche de Castelo de Vide; usou-o Luís Montenegro no dia em que Sócrates passou para domiciliária, afirmando que a coligação estava focada em esclarecer os portugueses sobre as orientações das suas políticas públicas, algo que até ao momento ainda não aconteceu – será que também vão exigir que o seu programa vago e abstracto seja submetido à avaliação da UTAO? –; usou-o Paulo Portas no mesmo dia, quando no encerramento do encontro de quadros do seu partido, sem que ninguém lhe perguntasse nada, puxou Sócrates para o seu discurso para dizer que não era chamado para a campanha, chamando-o desta forma para a campanha; usou-o Pedro Passos Coelho na sua entrevista à CMTV, porque estava na CMTV e porque, mais do que ninguém, é ele quem mais precisa do fantasma socialista para instigar o medo no eleitorado, num esforço final e desesperado pela manutenção do poder.

Se considerarmos o histórico recente, a queda do actual governo poderá pintar de laranja e azul-táxi algumas paredes do Estabelecimento Prisional de Évora. E já é mais que tempo de democratizar o encarceramento de bandalhos político-partidários. Mais do que nunca, Passos Coelho precisa de Sócrates para sobreviver politicamente como a Tecnoforma precisou um dia do programa Foral para existir. E não tenhamos ilusões, Sócrates estará na linha da frente da campanha eleitoral até ao último dia: eles não o vão largar. Não admira que o seu ego seja tão grande.

Foto@Público/Daniel Rocha

Comments


  1. E também precisa do seu ministro da AI Macedo que foi ontem constituído arguido. Um golpe há muito estudado para também poderem mostrar os seus corruptos!!!
    A fantasia tomou conta das narrativas!!!

    Pena é que os eleitores achem que a justiça mudou para melhor!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.