Olhares sobre as legislativas 2015: Ao sprint

Márcio Candoso

As sondagens estão todas erradas, mas não tanto que não seja possível encontrar uma tendência. O PàF vai ganhar, perdendo mais de meio milhão de votos em relação às eleições de 2011, e o PS fica ali naquele limiar de quem nem sobe nem sai de baixo – também se diz de outra maneira, mas não é aqui o lugar e a hora.

Mas a ‘esquerda’ – ou lá o que é isso – vai ter mais deputados que a ‘direita’ – ou salvo seja. Lindo molho de bróculos!

Ou seja, o senhor gajo que vai faltar às comemorações do dia daquela coisa de que ele é presidente, vai ter uma decisão evidente, que é dar posse ao Passos&Portas, Lda. Mas verá cair nos dias seguintes o Governo que nomeou. Para os mais velhos, o nome de Nobre da Costa começa a soar no horizonte…

Claro que as sondagens não dizem o que vai acontecer com os pequenos partidos. Ainda ontem vi uma – valha-me Deus e os santos – que dava deputados a cães e gatos. Como se já não houvesse no Parlamento suficientes camelos…

É que é nestes que – insisto – está o cerne do problema, a charneira da solução. O PSD/CDS vai precisar de alianças para governar. Com o PS? Esteja à vontade Costa, para perder o que lhe resta da confiança do ‘povo de esquerda’… E escuso-me, como é demais evidente, a pensar em estratagemas que incluam o PCP e o Bloco de Esquerda nesta ‘mayonese’.

Portanto das duas uma. Ou algum partido com que o PSD possa – baixando um nadita a bolinha e ganhando vergonha na cara – fazer uma coligação, consegue meter deputados, ou sua excelência cuja cabeça já tem um centímetro a pensar o que vai exactamente fazer, tem de dar posse à esquerda. Se o Syriza manda na Grécia, ter o PCP e o Bloco no Governo da Nação não me assusta nem um bocadinho.

Mas assusta muita gente, e desde logo os ‘mercados’, e os merceeiros associados, e a tia Marquinhas da Sé, e o Zé do Boné de Mangualde. E eu, sendo a esses, votava no único partido que consegue pôr o Passos em sentido mas aliar-se com ele.

Sabem qual é. Todos ‘Nós’ sabemos. É quem não tem de se pôr em bicos de pés nem negar Cristo três vezes para dizer que é social-democrata. ‘Nós, cidadãos’, sabemos.

E se por acaso as sondagens estiverem tão, mas tão marteladas que afinal ganhe o PS, nada de novo. ‘Nós’ também lá estaremos, com a mesma cara e sobrolho carregado, dando tau-tau no despesismo e nas promessas de treta.

Take care e aprendam, que eu não duro sempre…

Comments

  1. Konigvs says:

    A confirmarem-se as sondagens, uma frase ecoa na minha cabeça:

    “Não queremos vitórias de Pirro”.

    O homem que prometia lançar o PS numa maioria absoluta – depois de duas vitórias de Seguro por “pouquechinho” – afinal e ironicamente, nem sequer ganhar vai conseguir.

    E com aquela cara de toneco, não tenho a mínima dúvida que Seguro limpava, de novo, estas eleições.

    E já diz o ditado, mais vale duas vitórias de Pirro, que um tiro nos pés. E o que Seguro se vai rir disto tudo.
    (Fazendo fé nas sondagens que valem o que valem, obviamente)

  2. Camaradas says:

    Concordo consigo camarada, mesmo que o povo escolha a direita puf, o cavaquinho devia de escolher a esquerda para governar.
    Fascismo nunca mais.