Pangu, o mito chinês da Criação

Bruno Santos

No Princípio havia só trevas e o Caos reinava. Mas no seio da escuridão formava-se um Ovo e dentro desse Ovo crescia Pangu.
Durante muito tempo Pangu apenas dormiu e cresceu. Mas quando se tornou num gigante, acordou e espreguiçou-se e, ao fazê-lo, partiu o Ovo.
As partes leves e puras do Ovo subiram então para formar o Céu.
As partes densas, impuras e pesadas desceram para formar a Terra.
Pangu viu o que acontecia em consequência do seu gesto e ficou feliz, mas de imediato temeu que Céu e Terra se voltassem a misturar, posto o que se colocou entre eles. Com a cabeça susteve o Céu e com os pés empurrou firmemente a Terra. Ficou assim entre eles, impedindo que a sua atracção os confundisse de novo.
Depois, já um gigante, continuou a crescer a uma cadência de 3 metros por dia, durante 18 mil anos, aumentando assim, constantemente, a distância que separava o Céu da Terra até que estes lhe parecessem fixos e seguros nos seus lugares, a 50 mil quilómetros de distância um do outro.
Exausto do seu esforço, Pangu caiu e adormeceu para nunca mais acordar.
Do seu corpo saíram então os elementos que viriam a compor o mundo. A sua respiração formou o Vento e as Nuvens. A sua voz fez o Trovão e o Relâmpago. Os seus olhos tornaram-se Sol e Lua, masculino e feminino, direita e esquerda. Os seus membros formaram os quatro pontos cardeais e o seu tronco as Montanhas. A Carne criou o solo e os pêlos as árvores e ervas que nele crescem. Do seu sangue formaram-se os Rios e das veias os Caminhos e as Estradas. A cabeça e o cabelo criaram o Céu e a transpiração transformou-se em Orvalho. Os dentes e os ossos formaram as pedras e os metais.

Assim Pangu criou o Universo.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Uma narratica perfeita do cavaquismo…

    Tudo centrado na entidade cavaco (que acabará santificado, tal o bem que nos fez, tal como Salazar), onde a Terra é o lugar dos maldizentes do Sistema Financeiro e o Céu, sem nuvens (porque não podemos dizer que por esses locais há nuvens) é o referido Sistema Financeiro.
    Então a Entidade que habita no Céu (ou seja, no Sistema Financeiro, sem nuvens), descerá um dia para santificar e canonizar Santo cavaco, o pai, o filho e espírito santo (inclui o BES) do Sistema Financeiro Português.
    Ou seja, cavaco é outro mito, tal como Pangu.
    Mas este merece-me muito mais respeito, porque foi concebido numa altura em que a ciência era incipiente e não infusa, como é em cavaco.

  2. tancredo says:

    O universo que cavaco criou, dá pelo nome de Monstro e o seu templo é o CCB.