A importância de ser Humberto

O aeroporto da Portela vai, por decisão do governo, passar a chamar-se Humberto Delgado. Os telejornais deram a notícia. Segundo o que vi, o homenageado foi um senhor muito importante no arranque da aviação civil em Portugal. E pronto. Tem piada, o nome é igualzinho ao daquele Humberto Delgado candidato à presidência da República no tempo de Salazar, vencido por vigarice do regime e tornado importante referência da oposição democrática, vindo a ser assassinado pela PIDE. Chamavam-lhe “general sem medo”. Foi, lembro-me, a primeira vez que eu, ainda criança, confrontei o meu Pai com as minhas primeiras dúvidas políticas. É que na escola onde estava beatificava-se Américo Tomás e o meu pai, para minha surpresa, não parecia nada entusiasmado com esse facto. Hoje sei porquê e honro-lhe a memória.
Então – pelo menos segundo o telejornal – o homenageado vai ser o Humberto Delgado da aviação civil. Que coincidência, não é?…

Os mercados não estavam nervosos

Mas Cavaco e a quadrilha pede-lhes que estejam nervosos. Schäuble manda-os estar nervosos. E agora, eles podem mesmo ficar nervosos. É assim que funciona.

Miguel Relvas e o Banco Efisa: the plot thickens

Relvas

O PS apresentou um requerimento para chamar Miguel Relvas e a ex-secretária de Estado do Tesouro Isabel Castelo Branco ao Parlamento, de modo a obter esclarecimentos sobre o caso da venda do banco Efisa. Relvas será ouvido na qualidade de accionista da sociedade que adquiriu o banco ao passo que Isabel Castelo Branco será questionada sobre a recapitalização do banco com 90 milhões de euros que autorizou. Os socialistas ponderam, inclusive, a possibilidade de chamar também Pedro Passos Coelho.

A história do Banco Efisa cheira mal. Cheira mal pelo timing pré-eleitoral, cheira mal pelo preço a que foi vendido, uns módicos 38 milhões de euros, apesar da recapitalização, e cheira mal porque o historial de Relvas e Passos Coelho não inspira confiança. Terá sido esta a forma encontrada por Passos Coelho para agradecer os favores do passado? O Organismo Europeu de Luta Antifraude andava em cima deles. Será que os amigos de Bruxelas arquivaram a coisa?

Fotomontagem gentilmente cedida por Uma Página Numa Rede Social

Portugal sob chantagem

Wolfgang Schäuble: “Estamos a observar os mercados financeiros e eu já disse que Portugal tem de estar bem ciente que pode perturbar os mercados, se der a impressão que está a inverter do caminho percorrido” [DN]

conselho de Escolas para quê?

IMG_1644Maria de Lurdes Rodrigues não teve qualquer problema em o assumir – o Conselho de Escolas foi um instrumento criado para compensar a dificuldade negocial que, à época, encontrava junto dos sindicatos de professores.

O Conselho de Escolas é um órgão consultivo do Ministério da Educação onde estão representados Directores de Escolas. Segundo a sua página oficial, a sua missão será representar, “junto do MEC, os estabelecimentos de educação da rede pública no tocante à definição das políticas pertinentes para a educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário“.

Ora, depois do que foi revelado pela ex-Ministra da Educação, qualquer capacidade de representação desta gente caiu por terra – tenho imensas dúvidas sobre se representam os seus pares, quanto mais as escolas. Estarão, não tenho disso dúvidas, mais perto de representar os partidos que, em muitos casos os colocam à frente das respectivas Escolas.

E, até por isso, não me surpreendeu o silêncio desta não-existência durante o miserável reinado cratiano. Assistiram, quase em silêncio, à destruição da alma da Escola Pública e isso, não pode passar em branco. Se queriam ter o direito a representar as escolas, era nessa altura que a vossa voz fazia algum sentido.

Agora, o Vosso ruído, mais não é do eco para um pasquim como o observador, nada mais. E, a dureza das palavras escolhidas para este post vão mesmo na Direcção dos Directores que se demitem de o ser, preferindo o caminho fácil da incompetência. Percebo, que no Vosso caso, seja mais fácil culpar os professores e as famílias pelo insucesso que cresceu nos últimos anos. E, para isso, nada melhor que um exame. Chegam as notas, apontam o dedo e limpam as mãos, como qualquer Direcção de um clube que despede um treinador. [Read more…]

Durão Barroso, o pacifista

O mordomo da guerra no Iraque fala do risco de explosão generalizada de conflitos. E, nas entrelinhas, apela a uma nova Ordem Mundial.

Uma vez mordomo, mordomo toda a vida.

A fatura dos assessores

Screen Shot 2016-02-11 at 15.17.12

Leio no Jornal Económico, por sinal um jornal a trabalhar em condições muito difíceis – com vários meses de salários em atraso e numa situação terrível de indefinição porque o proprietário, a famosa Ongoing, não tem dinheiro para uma reestruturação e espera desesperadamente vender o título-, que o Governador do Banco de Portugal contratou mais um assessor financeiro para vender o Novo Banco. Desta vez contratou o alemão Deutsch Bank.

Mas quantos assessores são necessários para o Banco de Portugal, que tem funcionários competentes nos seus quadros, vender o Novo Banco? E quanto vai custar toda essa “assessoria”? Assim por alto identifico: [Read more…]