Nova entrada no dicionário

Para a palavra génio?

Uma vitória que não pode ser negada

JA

O homem que revelou ao mundo uma pequena amostra das atrocidades militares de que o império norte-americano é capaz viu ontem a Organização das Nações Unidas confirmar que a sua prisão é arbitrária e ilegal, e que não só deve ser libertado como deverá também ser indemnizado pelas autoridades britânicas e suecas. O parecer da ONU chega um dia após Julian Assange afirmar ao mundo, a partir da varanda da embaixada do Equador no Reino Unido, que se entregaria às autoridades caso o parecer da ONU lhe fosse desfavorável. [Read more…]

Quando o país falha

Patrícia Sofia, de seis anos, já não vai ter de percorrer 26 quilómetros ao colo da mãe, ou a pé, para conseguir ir aos tratamentos de fisioterapia de que necessita.

Um dia mau para a corte do capitalismo selvagem

TAP

Durante meses, anos, o ministério da propaganda da direita liberal tentou convencer a opinião pública de que nenhum investidor estaria interessado numa posição minoritária na TAP. Essa mentira caiu hoje com a assinatura de um memorando de entendimento entre o governo e o consórcio David Neeleman/Humberto Pedrosa, que devolveu o controlo maioritário da empresa ao Estado português, que detém agora 50% do capital da empresa, ficando o consórcio Atlantic Gateway com 45% e a comissão de trabalhadores da transportadora aérea com 5%, tal como está previsto na lei-quadro das privatizações. [Read more…]

Diz o pirómano à casa

Passos espera não voltar a ser chamado “com a casa em chamas”

O melhor escritor português

Miguel Szymanski

Parabéns a José Rodrigues dos Santos pelo prémio “melhor escritor português”.

Quatro dias antes desse grande vulto das letras ser distinguido, publiquei (…) [um ]pequeno post, cuja conclusão sai reforçada:

Portugal é o país onde a maioria das pessoas pensa em futebol quando ouve falar em Jesus.
É o país onde a maioria das pessoas não lê e a minoria que lê, lê maioritariamente o Correio da Manhã e José Rodrigues dos Santos.
Por isso Portugal tem um sistema económico em que é considerado normal os bancos assaltarem os contribuintes e os deputados o erário público.

Acrescento agora: cada povo tem os políticos, escritores e heróis que merece.

A parábola da Força

Bruno Santos
Ancião

© Bruno Santos

“Se dois fizerem as pazes entre si,
nesta mesma casa,
dirão à montanha:
afasta-te;
e ela afastar-se-á.”
O Evangelho segundo Tomé

As montanhas da Senhora das Três Graças, quando estão juntas, têm mais de trezentos quilómetros de periferia e dois mil metros de altitude. Diz-se, mas só o Grande Arquitecto o sabe com firmeza justa, que são como três grandes galos na cabeça da Terra, e que hão-de cantar por sete dias assim que o Filho do Homem regressar a casa, pela Aurora. Diz-se também, mas disto há muitos mortais que duvidam, que esses galos cresceram depois de o Altíssimo, sagrado seja o seu Nome, ter atirado dos céus três grandes pedregulhos de granito, quando ainda nos tempos da Lemúria andava à caça do Gambozino Montanhês.

A norte dessas grandes montanhas viveu em tempos um ancião de noventa anos, Assano Sabato de sua graça, a quem chamavam o Velho da Montanha. Era um homem muito pequeno, mas muito forte e determinado, que granjeara pelas serras fama de teimoso e pertinaz que fizera grandes amizades entre as plantas e os animais bravos. Como habitava uma velha casa sobranceira aos três montes, de cada vez que precisava de se deslocar a qualquer lado tinha que os contornar e dar uma imensa volta, o que deixava exaustas as suas duas pernas já muito antigas.

O tempo, imparável que se tornou já desde que inventado pelos homens, foi passando pelo velho e pelas montanhas, aparentemente mais por ele do que por elas, e o sacrifício de as contornar foi sendo cada vez mais pesado e mais penosa a deslocação a qualquer lugar. Eram quilómetros infindáveis por um carreiro estreito e pedregoso, riscado no chão do monte pelos passos do homem, que semana após semana, mês após mês, ano após ano, traçava a mesma linha de ida e volta e escavava na terra dura uma longuíssima sepultura de cansaço.

Um dia, decidido a mudar o que parecia um destino traçado pelas estrelas, lugar onde, dizem, vive ainda o Altíssimo, santo seja o seu Nome, o velho reuniu a sua família para que, em conjunto, reflectissem sobre tão grave assunto: [Read more…]

Orçamento do Estado para 2016

OE2016

JOÃO RELVAS/LUSA (http://bit.ly/1PcDInQ)

 

tínhamos visto os “riscos relevantes”, as opções “pouco prudentes” e “a incerteza relativa às consequências de médio prazo”.

E agora? Agora, temos um

AO90

com:

acção social (pp. 52, 110, 118, 127 e 131) e ação social (pp. 86, 88, 128, etc.) [Read more…]

Três coisas sobre o orçamento

Imagem: económico

1 –  em quatro anos tivemos oito orçamentos rectificativos.  Estamos falados quanto à credibilidade daqueles que agora apontam o dedo.

2 – aumentar impostos nunca é positivo. A alternativa (corte de 600 milhões nas pensões, lembram-se?) também não.

3 – irresponsável,  irrealista  inexequível:  tem sido a adjectivação da direita. Mas ilegal não será. O que constitui um alívio depois de 4 anos de borderlines constitucionais.

4,  porque não há duas sem três – Merkel transpirou hipocrisia ao elogiar um governo que não cumpriu um único orçamento e que falhou todas as metas a que se propôs. A direita do interesse nacional aplaudiu.

5 – esta série sobre o orçamento tem um claro problema na estimativa da dimensão. Ilustra como estabelecer metas que se possam aplaudir, para depois fazer algo diverso. Não me critiquem, sff,  apenas estou a repetir a fórmula do anterior governo. E que o actual também aplicará,  já agora.

6 – o problema orçamental resulta de se gastar mais do que se recebe. Não salvar bancos e deixar de patrocinar a iniciativa privada (p. ex.  IPSS e subsídios do IEFP para contratação) era capaz de poupar uns trocos. Mas, claro, o problema está nos salários de quem trabalha, merecendo receber por isso, e nas pensões de quem já as pagou.

Sob Vinte Centavos

sob_vinte_centavos

Um olhar sobre o lento despertar da sociedade brasileira em formato de documentário acerca das manifestações ocorridas em São Paulo em Junho de 2013.

O “compromisso ético” de António Costa é para cumprir?

foto@lusa

foto@lusa

Na mesma altura que aprovou as listas de candidatos a deputados a Comissão Política do PS aprovou também, por unanimidade, um ” compromisso ético “.

Esta foi uma iniciativa de António Costa, entendida como uma resposta aos processos judiciais que envolviam José Sócrates e Armando Vara, que foi subscrita por todos os candidatos a deputados socialistas nas últimas eleições legislativas.

Na altura enalteci a corajosa proposta de António Costa que tinha por base a transparência e a moralização da vida política e pública.

[Read more…]