Um cartaz lamentável

adoção2

Ficámos a saber que, além de estar «prevista uma sessão pública para discutir o tema», «pretendem convidar pessoas de organizações e de associações, entre outros participantes, que, de alguma forma, estejam ligados à causa». O objectivo, dizem, é  «continuar esta batalha na sociedade: mudar mentalidades, destruir preconceitos, chamar a atenção para estas questões». No entanto, apesar de um dirigente do Bloco de Esquerda ter dito que «ficarmos com três grafias (…) é absolutamente insustentável, não faz sentido nenhum, é de uma ilogicidade total”, insistem na ‘adoção’, ou seja, nas ‘aduções’. Lamentável.

Efectivamente.

dre 2422016

Coincidências

Por que motivo o Novo Banco anuncia um despedimento colectivo no dia em que uma grande agência de rating elogia o governo português?

Rede Nacional de Cicloturismo

Paulo Guerra dos Santos *

Foi em 2010 que, após realizar uma viagem de 100 dias a viajar em bicicleta por Portugal Continental, Paulo Guerra dos Santos idealizou o projecto Ecovias de Portugal. A experiência adquirida nesta viagem forneceu-lhe um conhecimento notável da geografia lusa bem como das suas estradas e respectivo tráfego automóvel, permitindo-lhe idealizar aquela que cada vez mais toma a forma de Rede Nacional de Cicloturismo.
Sem recorrer a quaisquer tipos de construção, esta rede conta desde Maio 2015 com 1300 km já identificados, exclusivamente em GPS. Sendo as rotas inteiramente baseadas na rede viária existente, este engenheiro civil especialista em projecto de estradas viaja pelo país com a sua bicicleta para identificar estradas secundárias com reduzido tráfego automóvel, estradões em macadame, ciclovias e ecopistas da REFER (antigas linhas de comboio reconvertidas para uso exclusivo de peões e ciclistas) para em conjunto as englobar numa rede que estima venha a ter mais de 8000 km em 2025, permitindo a qualquer pessoa viajar por todo o país em modo turístico, exclusivamente utilizando a sua bicicleta como meio de transporte.

ecovias_de_portugal_guia_bicicleta

Pode descarregar gratuitamente o mapa de elevada definição aqui.

O projecto, que não conta com quaisquer tipos de financiamento, seja de entidades públicas seja de associações ou federações ligadas à bicicleta, ganhou a forma de um roteiro turístico em formato exclusivamente digital e que pode ser adquirido online. Este documento, em PDF, contém informação sobre todas as secções já identificadas (com uma média de 50 km cada), sendo constituída por mapas de elevada definição, informação técnica e turística, bem como diversas dicas sobre os pontos por onde passa.

* Texto escrito ao abrigo da liberdade ortográfica.

Desigualdades socioeconómicas e sucesso educativo ou a descoberta da pólvora

Saiu um estudo da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, intitulado Desigualdades socioeconómicas e resultados escolares – 3.º Ciclo do Ensino Público Geral.

Na p. 2, podemos ler: “Em termos de resultados e conclusões, o estudo sugere que em Portugal há uma relação muito forte entre o desempenho escolar dos alunos e o meio socioeconómico dos seus agregados familiares. Por exemplo, entre os alunos cujas mães têm licenciatura ou bacharelato, a percentagem de “percursos de sucesso” 2 no 3.º ciclo é de 71%, enquanto entre os alunos cujas mães têm habilitação escolar mais baixa, equivalente ao 4.º ano, a mesma percentagem de percursos de sucesso é de apenas 19%.” Leia-se, a propósito, a notícia do Público: “Quando a mãe tem a 4.ª classe, só 19% das crianças têm um percurso limpo na escola”.

Não nego a importância destes estudos, mas a verdade é que a correlação entre o desempenho dos alunos e o meio socioeconómico/sociocultural em que vivem é conhecida e reconhecida há vários anos, porque o assunto está estudado e porque os professores confirmam isso todos os dias.

Curiosamente, no mesmo estudo, há uma preocupação em repetir a ideia de que isso não equivale a destino:

as estatísticas apresentadas no estudo sugerem também que o nível socioeconómico não equivale a destino, ou seja, não determina de forma inapelável o desempenho escolar dos alunos. (p. 3)

Apesar de estas disparidades muito acentuadas mostrarem que as condições socioeconómicas das famílias têm um impacto elevado nos resultados escolares dos alunos, um impacto porventura maior do que o desejável, ao mesmo tempo é necessário salientar que as condições socioeconómicas não equivalem a um destino traçado, pois existem outras influências e fatores importantes em jogo. (p. 13)

Dos resultados da nossa análise subsiste, todavia, a importante mensagem de que o nível socioeconómico não equivale a destino, ou seja, não determina de forma inapelável os resultados dos alunos, escolas e regiões.

[Read more…]

A Moody’s que os pariu

Moddy's

As agências de rating, sabemos, assemelham-se a mercenários do mundo financeiro, focadas em servir quem lhes paga salário no final do mês e nem minimamente interessadas na situação real da economia mundial. Vai daí sobem e cortam ratings conforme lhes convém. E nada melhor para ilustrar a bandalheira que impera nestas instituições do que o triplo A com que a Moody’s classificou o Lehman Brothers, poucas horas antes do colapso. Mas, gostemos ou não, enquanto optarmos pelo caminho dos carneiros esta gente continuará a decidir por nós.

Acontece que o regime neoliberal, ao serviço do qual se encontram os partidos com assento parlamentar da direita nacional, tende a ter em elevadíssima consideração tudo o que estas entidades macabras verborreiam. Afinal de contas, elas fazem parte integrante do esquema. Mas os pequenos e médios vassalos acabam por sofrer as consequências, ainda que sempre servis e sem protestar muito. Quando a Moody’s cortou o rating de Portugal em 2011, Pedro Passos Coelho sentiu “um murro no estômago e deixou-se ficar prostrado aos pés dos senhores do dinheiro. Os funcionários do seu ministério das Finanças bem tentaram dizer que a agência teria ignorado o impacto das medidas de austeridade impostas mas de nada lhes valeu. O rating foi cortado e as perspectivas eram de novos cortes no médio prazo. [Read more…]

O sétimo selo

A Moody’s (Moody’s Investors Service, uma das três maiores agências de classificação de risco de crédito do mundo) concorda com o PCP (Partido Comunista Português) e dá nota positiva ao Orçamento de Estado para 2016.

Fachos de Coelho não chegam ao céu

fachoOuvi finalmente o seu discurso  a propósito da proposta de orçamento de Estado para 2016 e tive uma epifania: Passos Coelho é um facho confesso. O homem está perfeitamente a borrifar-se para as pessoas, para o povo. Para o povo que o elegeu, embalado pelas suas aldrabices, cegas de ambição pelo “pote”, no mais vergonhoso assalto ao poder de que há memória em democracia, e para o povo que 4 anos depois não o elegeu, retirando-lhe categoricamente a confiança traída. De facto, como os seus apaniguados o classificaram, um discurso brilhante. Brilhante como um facho a queimar mentiras.

Depois de, como é hábito, recalcitrar na mentira, desta vez a de que a proposta de OE apresentada pelo Governo se limita a dar com uma mão o que tira com outra, mantendo incólume a austeridade, e depois de insistir na facécia de que o poder lhe foi usurpado pelo parlamento, Passos Coelho, para justificar o anúncio de que votaria contra o orçamento – o que só lhe fica bem -, sintetizou exemplarmente as razões pelas quais o povo, que despreza, lhe retribuiu o chuto no cú com desprezo.

Diz ele, a partir do minuto 12′ 30”, o seguinte:

O país inteiro sabe qual era a estratégia orçamental que nós executaríamos se estivéssemos no Governo. Defenderíamos uma mais gradual, mas permanente remoção da austeridade para não tropeçar no excesso de voluntarismo e não obrigar os portugueses a ter que pagar no futuro, novamente com mais sacrifícios, a imprudência do presente“.

[Read more…]

Mais más notícias(*). Será que isto não pára?

Moody’s aplaude Governo pela aprovação do Orçamento. (*) Para a direita que continua com a narrativa “não estraguem [que isso é connosco]”.

As grandes insubmissões

Ruy Belo (1933-1978) foi um poeta português que ergueu uma obra importante. Celebra-se daqui a dois dias o aniversário do seu nascimento.
O texto que se segue é como um fado triste que por vezes apetece cantar. Fica como homenagem aos descontentes, aos insatisfeitos, aos insubmissos.

“As grandes insubmissões

As grandes insubmissões sempre foram para mim as pequenas. Na minha vida, lembro duas.
Começava um ano lectivo. Andaria no segundo ano do liceu. Era a época da feira da piedade. Cheguei de férias na minha terra e vi o vítor a andar de carrocel. Esperava que a volta acabasse para o abraçar. Fui esperando, ele nunca mais descia. Uma volta, mais outra, outra ainda. Fui contando: vinte. O vítor tinha vinte escudos. Eu já o respeitava, porque era muito alto. Passei a respeitá-lo mais. O Vítor era capaz de gastar vinte escudos no carrocel.

[Read more…]

Hit the road, Passos

A Moody’s atribuiu a Portugal um crédito positivo pela aprovação do OE e entende que “fica de fora o risco de novas eleições”.

Uma curta reflexão sobre as pensões

UPNRS

O governo PSD/CDS-PP fez opções políticas que tiveram impacto significativo sobre as pensões dos portugueses que, na maioria dos casos, descontaram uma vida inteira para verem ser-lhes retirado o que era seu por direito. O PS, em campanha, prometeu mais do que agora está a dar, é certo, mas entre um aumento de meia-dúzia de tostões e o corte de 600 milhões de euros que o anterior governo se preparava para aplicar, quer-me parecer que a maioria dos portugueses preferirá a primeira opção. E não deixa de ser curioso que aqueles que ontem procuravam aumentar ainda mais os cortes sobre as pensões venham agora falar em justiça social e hipocrisia. Que grande lata!

Fotomontagem via Uma Página Numa Rede Social

Semear a guerra para colher milhões

À indústria bélica, a crise nunca chega (texto em espanhol).