A degenerescência da República

É perigosíssimo o circuito fechado da partidocracia, que tende a criar uma espécie de Estado paralelo não sujeito à vigilância ou julgamento democráticos. Os construtores deste Estado totalitário e paralelo, em tudo idêntico a uma grande associação secreta, perdem totalmente a noção do que é o país, sequer que ele existe, e vivem uma narrativa fechada sobre si própria, cuja lógica funcional é a da conquista, partilha ou manutenção do poder.

[Read more…]

Lotta van Droom

Lotta van Droom

Efectivamente?

Exactamente. Efectivamente.

Jesus Cristo e Miguel Relvas

JC

E, reza a história, não as fazia por equivalência.

via Jesus também

E é assim que deve ser, disse o Senhor

Viviane e Samira tinham um pai e uma mãe.

O seu pai era duas pessoas

O seu pai era duas pessoas —

Um velho chamado José, que era carpinteiro,

E que não era pai dele;

E o outro pai era uma pomba estúpida,

A única pomba feia do mundo

Porque não era do mundo nem era pomba.

E a sua mãe não tinha amado antes de o ter.

                                                     Alberto Caeiro

Confesso que não tenho problemas com humor. Quando se trata de rir, não tenho nada sagrado. Consigo rir até daquilo que me revolta: acho imensa piada a Sócrates, a Passos Coelho e até a Cavaco Silva, por exemplo, mesmo sabendo que são três dos grandes problemas do país.

O cartaz do Bloco de Esquerda está a dar que falar e ainda bem, que a vida não pode ser só foras-de-jogo mal assinalados ou penalties por marcar. A piada sobre a dupla paternidade de Jesus não é das piores, mas já vi melhores. No que respeita a humor sobre Cristo ou sobre religião, é difícil sequer alguém aproximar-se de  A Vida de Brian ou do poema de Caeiro de que retirei um excerto para servir de epígrafe a este texto.

Felizmente, vivemos num país em que a liberdade de expressão ainda vai reinando, o que permitiu a muitos comentar o cartaz. Bom sinal. [Read more…]

Andar por aí

De bandeirinha na lapela e aquele ar de permanente obstipação, Passos Coelho, deslocando-se pelo país – vamos ver o povo, ai que lindo que ele é – visita coisas, inaugura (!) coisas, diz coisas. E o que diz é ouvido pelos repórteres televisivos de serviço com os cuidados de quem colhe pepitas de ouro. Assim, o ex ocupa mais tempo televisivo que todos os ministros e lideres da oposição juntos. Os jornalistas, já que é seu mister dar notícias, podiam informar o Passos de que já não é primeiro-ministro; o problema é que tenho dúvidas de que eles próprios saibam dessa feliz novidade.