We call it diplomacy, Minister!

Espias tu ou espio eu?

Apple

É, no mínimo, interessante, vir a saber em que é que isto vai dar. Para variar, desta vez não é uma multi a processar um Estado, mas foi o Departamento de Justiça dos EU que apresentou, na sexta-feira passada, uma moção que pretende obrigar a Apple a colaborar no desbloqueamento da funcionalidade do iPhone que provoca a extinção de todos os dados do mesmo, ao fim de 10 tentativas incorrectas de inserção do código de desbloqueio do ecrã.O FBI pretende assim aceder aos dados do iPhone de Syed Rizwan Farook, que, juntamente com a mulher, provocou a 2 de Dezembro passado a morte de 14 pessoas em San Bernardino, Califórnia. O Governo primeiro pediu, mas a Apple recusou. Agora é uma ordem. A Apple argumenta que isso iria pôr em risco a segurança dos seus clientes; Tim Cook, chefe da Apple, afirmou numa carta aberta: “O Governo requer à Apple que „hackeie“ os seus próprios clientes” e argumenta que essas possibilidades poderiam depois ser aproveitadas não só pelo governo, mas também por criminosos. Com certeza que a Apple receia, sobretudo, uma perda de competitividade se ceder a esta pressão. Tal como a Google, a Apple introduziu, em fins de 2014, sistemas de encriptação mais sofisticados, como reacção à denuncia de Edward Snowden sobre os programas de vigilância e espionagem utilizados pela NSA (Agência de Segurança Nacional).

Ó Passos, vamos lá ver se a gente se entende

PPC CS

É natural que haja quem por vezes se esqueça que Cavaco Silva ainda é presidente. O próprio Cavaco, que ao que tudo indica ainda é presidente, parece esquecer-se, ele próprio, do lugar que ocupa. Seja quando trata o PCP e o BE como partidos à margem do sistema, como se de fascistas como aqueles que Cavaco tanto apreciava e que inclusive condecorou se tratassem, seja quando procura sossegar os portugueses afirmando que determinado banco está sólido apesar de em processo de desagregação, seja quando tem declarações infelizes sobre os seus fartos rendimentos serem insuficientes para pagar as contas que não tem, que mais tarde procura negar, seja quando protege larápios no seu Conselho de Estado, seja quando abandona o país a meio de crises políticas para ir passear para as ilhas, para apreciar cagarras ou tecer considerações marotas sobre frutos com formas fálicas. Perante tudo isto e muito mais, que não me pretendo alongar muito, não acha o senhor deputado normal que alguns de nós se esqueçam que o homem ainda é presidente? Pena não nos podermos esquecer todos, fazer de conta que ele não existe. O que vale é que, perto do fim, lá começou a ser capaz de se autocriticar. Largos dias tem a longa noite cavaquista.

A claustrofobia democrática de Passos Coelho e a activista que vai a julgamento por ter pedido a demissão dele

Activista vai a julgamento por exigir demissão de Passos Coelho no Parlamento

A Associação de Combate à Precariedade – Precários Inflexíveis, vem por este meio prestar a sua total solidariedade para com a activista Ana Nicolau, que será brevemente ouvida em tribunal por ter exigido a demissão de Passos Coelho no Parlamento, em Março passado. Este julgamento representa a falta de liberdade de expressão, associada à desresponsabilização política de governantes que, como o anterior Primeiro-Ministro, não cumprem as suas responsabilidades fiscais e sociais, recebendo tratamento especial pelo seu posicionamento político. [daqui]

Ao mesmo tempo que o PSD ensaia recuperação do discurso da asfixia democrática, Ana Nicolau sufoca com a perseguição movida pelas forças políticas que suportaram o anterior governo.

Umberto Eco

umberto eco

Umberto Eco, 1932 – 2016

Nasceu princesa, foi rameira…

Quem diria que, lá dos longínquos tempos em que escreveu, António Botto nos deixava um tão expressivo retrato de uma coisa que nunca viu, a União Europeia – sobretudo a dos últimos anos -, que, pensada como uma deusa, veio a dar no que deu. Após a negociata de ontem, adivinhem quem são os chatos coçados e os fregueses que aproveitam.
(almas mais sensíveis, abstenham-se) [Read more…]

Bilhete do Canadá: Perguntar não ofende

Quando foi anunciado que do actual governo faziam parte um homem de ascendência cigana, uma senhora cega e uma senhora negra, um tipo tido por católico, apostólico, romano, pôs a circular entre os amigos, via on line, esta bestialidade: “o cigano roubou a bengala da cega e deu um ensaio de porrada na preta”.

Que se faz a um aleijado de carácter como este? Dá-se-lhe um par de estaladas? Ou dá-se uma condecoração?

Haja quem saiba responder.  Entretanto, tudo quanto era saudoso do salazarismo, delirou com o vómito.  Que a terra lhes seja leve.

Porque é que Passos defende Carlos Costa?

carlos costa

Carlos Costa não aceita ser confrontado com as suas decisões. Não aceita que lhe perguntem diretamente se os 700 milhões de euros que obrigou o BES a constituir para salvaguardar as aplicações que muitos investidores fizeram em papel comercial do GES não queriam exatamente significar que essas aplicações estavam salvaguardadas. Não aceita que lhe perguntem porque é que, sabendo o que se estava a passar no GES, guardou durante largos meses essa informação para si, sem a partilhar com a CMVM. Não aceita que lhe perguntem se concordou com a estratégia de Vítor Bento para o Novo Banco (recuperá-lo num prazo de três a cinco anos) ou se pura e simplesmente mudou de repente de opinião e decidiu que o banco tinha de ser vendido em seis meses. Não aceita que lhe perguntem se essa sua mudança de opinião não teve a ver com o interesse do Governo PSD/CDS em encerrar o dossiê antes das eleições de 4 de outubro de 2015. Não aceita que lhe perguntem como é que havia 17 interessados no Novo Banco e depois apenas três e depois a venda falhou de forma clamorosa. Não aceita que lhe perguntem porque passou três emissões de dívida sénior do Novo Banco para o BES “mau” em vez de fazer um corte igual de 16% para todas as emissões. Não aceita que lhe perguntem como foi possível o caso do Banif ter chegado ao beco sem saída a que chegou. Não aceita que lhe perguntem o que fez o Banco de Portugal perante as oito propostas de resolver o problema que foram entregues em Bruxelas, todas chumbadas. Não aceita que lhe perguntem porque pagou 300 mil euros à BCG para avaliar a atuação do supervisor no caso BES e agora se recusa terminantemente a divulgar as conclusões do relatório. E não aceita que lhe perguntem como não foi ele a impedir a venda de uma sucursal do Novo Banco em Cabo Verde a uma empresa ligada a José Veiga (só o fez agora) e sim o Ministério Público, que ordenou a detenção do empresário quando o negócio estava prestes a ser assinado. [Nicolau Santos,  Expresso Diário, 18/02/2016]

[Read more…]

The Maltese Falcon

The_Maltese_Falcon

The Maltese Falcon, uma aventura do detective Sam Spade com os elementos certos de drama, traição e intriga internacional. Na posição 173 do top 250 do IMDB. Página IMDB.

No dia da morte de Umberto Eco…

…deixo-vos o parágrafo final de “Baudolino”, resposta de Pafnúcio a Niceta, o escritor, quando este se queixa de não poder escrever a história do aventureiro mentiroso.

 

“-Não te julgues o único autor de histórias neste mundo. Mais tarde ou mais cedo há-de haver alguém, mais mentiroso que Baudolino, que a contará.”

 

A um Mestre: Umberto Eco

 

SPETT.UMBERTO ECO A NAPOLI (SUD FOTO SERGIO SIANO)

O Riso liberta o vilão do medo do diabo, porque na festa dos tolos o Diabo aparece pobre e tolo, portanto controlável. Mas este livro poderia ensinar que libertar-se do medo do diabo é a sapiência. Quando ri, enquanto o vinho lhe borbulha na garganta, o vilão sente-se senhor, porque subverteu as relações de senhoria: mas este livro poderia ensinar aos doutos os enigmas argutos, e a partir daquele momento ilustres, com que legitimar a subversão. Então transformar-se-ia em operação do intelecto aquilo que no gesto irreflectido do vilão é ainda e felizmente operação do ventre. Que o riso seja próprio do homem é sinal dos nossos limites de pecadores. Mas deste livro quantas mentes corruptas como a tua extrairiam o extremo silogismo, pelo o qual o riso é a finalidade do homem! O riso, desvia, por alguns instantes, o vilão do medo. Mas a lei impõe-se através do medo, cujo verdadeiro nome é temor de Deus. E deste livro poderia partir a centelha luciferina que transmitiria ao mundo inteiro um novo incêndio: e o riso designar-se-ia como a arte nova, ignorada até de Prometeu, para anular o medo.

Umberto Eco, O Nome da Rosa. 1980.

A melhor forma de homenagear qualquer escritor, especialmente um génio como Eco, é lendo-o.