Postal de Valência #3

‘respirar naturalment’ l’olor de les taronges de València…

Este slideshow necessita de JavaScript.

… que é como quem diz, Paula que as laranjeiras de Valência estão já em flor. É verdade que enchem o ar de um perfume avassalador que, naturalmente, respiramos. Há muitas laranjeiras em Valencia e há até uma avenida das laranjeiras, onde crescem as faculdades da gigantesca (mais de 46 000 alunos) Universidade.
Levanto-me cedo. Desço para tomar o pequeno-almoço na cafetaria. Jovens em roupão e em pijama. Homens de fato e gravata. Senhoras bem maquilhadas. Tudo se mistura naturalmente no Colégio Mayor antes das 10 da manhã. Arrumo as coisas na mala e saio para a primavera valenciana. Vou passeando e tirando fotografias. Visito o mercado central, passo na pracinha onde antes de ontem o taxista me disse que se comiam os melhores bolos de abóbora, mas a loja está fechada e há-de estar também fechada quando passo novamente por ali, no regresso, depois das quatro da tarde para ir recolher a mala.
Chego à Praça da Virgem, mas antes encontro a Pujada del Toledà e lembro-me do Mário me ter falado no restaurante português… subo as escadinhas no princípio da ruela e encontro o restaurante imediatamente. Falo um bom bocado com a Maria, uma conversa um pouco triste, que não vos vou contar. Mas a Maria parece simpática, apesar da tristeza. Deixo-a uns bons três quartos de hora depois e atravesso a Praça da Virgem onde já passei tantas vezes, nesta e nas outras visitas. Vou encontrar-me com o Pep, ‘mi primo de Valência’ que é agora assessor do Presidente das Cortes Valencianas, que também conhecerei.


Os polícias na porta parecem saber quem sou. O Pep desce e leva-me numa extraordinária e completa visita guiada e comentada aos edifícios que formam as Cortes Valencianas. Há uma árvore enorme no jardim. E um castanheiro pequenino a nascer agora mesmo, em homenagem a Anne Frank e a todas as vítimas de tudo o que recusa a diferença. Encantador o Pep, encantadora a visita, encantador o jardim. Tiramos umas fotografias um bocado tontas na sala do parlamento. O Pep diz que me ponha no palanque e eu ergo o punho. Depois faço questão de me sentar na cadeira de um dos deputados de Podemos. E estamos nisto um bom bocado. Até que saímos os dois para o sol e o céu azul da cidade das laranjeiras. Tomamos uma cerveja perto da Praça Redonda. Depois despedimos-nos. Eu sigo para a esquerda, o Pep vai em frente.
Sigo para uma outra praça, tiro mais umas fotos, como uma coisa qualquer sem interesse, nem história. Volto ao Colégio Mayor, pego na mala, apanho um táxi com um taxista muito simpático. Falamos de política e cedo (e tristemente) me apercebo que é fanático do PP. Não vale a pena dizer-lhe nada sobre isso, nunca mais o verei e, no final, cada um acredita no que quer ou no que lhe contam. Deve passar-se mais ou menos o mesmo com todos nós. A verdade é, naturalmente, uma coisa pessoal. Este tipo de verdades, pelo menos.
Apanho o avião para Madrid está o sol a pôr-se. Lá no alto grandes clarões laranja rasgam ainda a recém-nascida escuridão dos céus. É sabido que não aprecio particularmente as viagens de avião, mesmo as muito curtas como esta e a que mais tarde, desde Madrid, me há-de levar a Lisboa. Há porém uma coisa que sempre me faz rir e me descontrai. Quando as hospedeiras e/ou os hospedeiros nos mostram as regras de segurança. Naquela parte em que dizem ‘em caso de despressurização da cabine, cairão máscaras que deve ajustar sobre o nariz e a boca e respirar naturalmente’. Respirar naturalmente. É sempre nesta parte que me rio, imaginando a eventualidade de acontecer tal situação. De certeza que respiraria – respiraríamos todos – naturalmente, claro.

Respira-se naturalmente o cheiro das laranjeiras de Valência. Isso sei. O resto, aquilo que sempre me faz sorrir nos aviões, prefiro não saber.