A aldrabice do dia


js

Denunciada por João Semedo, trata-se de uma aldrabice muito simples. O Bloco apresentou um projecto de lei para impedir os salários à moda da direita na CGD, que foi chumbado, pelo que não tem nem a faca, nem o queijo não mão. Já David Dinis, com a faca e o queijo do Público na mão, em processo acelerado de observadorização, pode debitar estas coisas – é livre de o fazer – mas o verdadeiro objectivo por trás delas mais não é que uma nova tentativa de criar instabilidade o seio do acordo entre os partidos de esquerda. 

Importa não esquecer que, apesar das evidentes relações de dependência entre PS, PCP e Bloco, que não são de sentido único, é o PS quem governa. Os restantes partidos assinaram um acordo de incidência parlamentar que lhes permite uma maior capacidade de negociação, que lhes permite trazer algumas das suas propostas e reivindicações para cima da mesa, e que, pasmem-se, em muito têm contribuído para a devolução de rendimentos a quem mais precisa. Contudo, tanto o PCP como o BE conhecem o jogo político e têm plena noção que o acordo que assinaram não se resume às vitórias já conseguidas. Implica cedências. Quer isto dizer que terão abandonado bandeiras como a renegociação da dívida ou a saída do Euro? Claro que não. Significa, tão-somente, que, neste processo com avanços e recuos, é fundamental que se deixem algumas propostas em banho-maria, enquanto se obtêm acordos onde existe consenso. De outra forma, estaríamos perante a geringonça preconizada pela direita, a tal que não aprovaria sequer o OE16. Em lugar dessa profecia, temos uma Geringonça que consegue um inesperado equilíbrio entre as imposições de Bruxelas, a devolução de rendimentos e a aprovação de medidas e cariz social que atenuem o empobrecimento e a desigualdade que herdamos do passismo. Alguém se lembra do último orçamento de Estado em que não estávamos a discutir brutais aumentos de impostos e privatizações em catadupa?

Imagem via Os truques da imprensa portuguesa

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Diálogo entre Ricardo Araújo Pereira e João Miguel Tavares
    RAP:
    – Nunca tive dúvidas que David Dinis iria “endireitar” o Público.
    – Não estava era à espera que fosse tão rápido!
    JMT:
    – Pudera! Ele trabalha enquanto nós dormimos!

  2. O PÚBLICO, um jornal que nos habituou a ser diferente, está perigosamente a tornar-se igual aos outros. David Dinis não tem estatura intelectual para o dirigir a não ser que a intenção do seu chamamento seja afundá-lo de vez.

    • martinhopm says:

      E não será essa a intenção dos proprietário e administração?! Este Dinis não terá sido escolhido a dedo? E é pena. Ficamos assim completamente inundados por ‘media’ (tanto a nível da escrita como do audio.visual) controlados pela direita neoliberal.
      Ah! Que saudades do ‘Diário de Lisboa’.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s