Ventura, o castrado

Para André Ventura, o CDS é a “direita mariquinhas” . O uso do termo “mariquinhas”, associado à homossexualidade, é uma artimanha populista que visa enfraquecer e desqualificar a imagem do CDS e de Francisco Rodrigues dos Santos aos olhos do eleitorado mais conservador à direita, que Ventura disputa com Chicão e que abomina a comunidade LGBT. Uma estratégia repugnante, mas bastante eficaz.

Estou nos antípodas de Francisco Rodrigues dos Santos, mas reconheço-lhe a coragem de ter enfrentado o establishment do seu partido, num momento em que o CDS estava de rastos. Já André Ventura, o único líder partidário que passa a vida rodeado de seguranças, e que só ataca os mais fracos e desprotegidos, é o mais aproximado a um maricas – no sentido cobardolas da palavra – que a política portuguesa pariu nos últimos anos. Compará-lo a um homossexual e ofensivo para os homossexuais. Porque ser um demagogo é fácil. Ser um homossexual e enfrentar o estigma social requer um par de tomates que Ventura não tem. Tanto paleio sobre castrações e o castrado é ele.

Os valores da educastração

A Opus Dei separa os meninos das meninas. Os anjos não entram.

O pénis ou a vida?

Os eunucos vivem mais do que os homens não castrados

Imitação à vida. Ensaio de etnopsicologia da infância

250px-Jean-Fran%C3%A7ois_Millet_%28II%29_001.jpg
El Ângelus, 1857-1859, por Millet

Para os meus netos Tomas e Maira Rose, os van Emdem da Holanda, e Ben, May Malen, Javier, Max Raúl ou os Isley da Grã-Bretanha, fihlhas de repaigas nascidas Iturra- González.

Bem sei do filme que existe com este título* de 1956, com Lana Turner e John Gavin. Como todo leitor deve supor, não é do filme que queria falar, muito embora a temática seja semelhante ou tenha sido feita. Os adultos do filme imitam outros para aprenderem a viver e comportar-se como for conveniente aos roles que representam. [Read more…]