Neo-fundamentalismo cristão

dementes

Por estes dias, o João José Cardoso chamou-me a atenção para uns indivíduos que, simpatia a dele, considerou mentecaptos. Confesso que, ao ver tamanhos primatas em semelhante êxtase fundamentalista, algo que pelos vistos até foi saudado por algumas camadas adeptas do nacional-socialismo cá da terra, que criticam as manifestações e os pedidos de demissão que vão sendo dedicados a alguns dos nossos parasitas governamentais mas que pelos vistos até vêm com bons olhos uma intervenção militar do Estado mais violento do planeta contra um governo que, corrupto ou não, foi democraticamente eleito, fico ainda mais certo que não há sebastianismo que se equipare ao saudosismo fascista que alguns idiotas por cá cultivam. Deus nosso senhor tenha misericórdia da sua alma e que a cada um cresça uma pequena Cerejeira no rabiote.

Por falar em fundamentalistas, e na falta de quem entre as hostes cristãs rivalize com os paranóicos bombistas que acreditam na fábula das 40 virgens, o meu amigo Simão, homem de bons devaneios que apesar de inúteis oferece de forma gratuita, apresentou-me estes lunáticos da Igreja Universal do Reino de Deus e o seu exército de seres inenarráveis auto-denominados Gladiadores do Altar. Felizmente ainda ninguém lhes parece ter dado uma arma para a mão, mas, considerando o crescente poder da IURD e de outros paranóicos evangelistas no Brasil, não deve faltar muito tempo até que este grupo de radicais se transforme numa espécie de força paramilitar ao serviço de homens que se dizem ao serviço de Deus mas que estão apenas ao serviço deles próprios, tal como as contas bancárias destes “profetas” revelam.

Saudações suspeitas com o braço direito em riste, formações militares e marchas, uniforme verde-tropa e palavras de ordem, e tudo isto dentro de uma igreja. Ou lá o que aquilo é. Chega a ser assustadora a naturalidade com que um batalhão de tropas da IURD entra pela igreja a marchar e bate continência ao pastor-general. Até Dilma Rousseff bate continência ao controverso fundador da IURD, Edir Macedo, homem que pede o dízimo ao pé descalço e se desloca de helicóptero, tal é o seu desprendimento dos bens terrenos.

Um Exército de Mentecaptos

isis

Qualquer dia recebem um oscar ou um bafta ou acções do BES.

O Incrível Exército de Brancaleone

No ano 1.000 D.C., um bravo cavaleiro parte da França para tomar posse de suas terras. No caminho, ele é assaltado e assassinado por um bando de foras-da-lei que, de posse da escritura, decidem pegar por si o terreno. Um retrato divertido do Feudalismo que pode ser utilizado em algumas passagens.

ficha IMdB


Carregue na imagem para ver o filme

Da série Filmes completos para o 7.º ano de História
Tema 3 do Programa: A formação da Cristandade Ocidental e a Expansão Islâmica
Unidade 3.2. – A sociedade europeia nos sécs. IX a XII.

Estilo vietnamita

 

(Em Hanói)

© packardemrodagem

"Não vás correr para a rua…"

Posso ser eu a armar-me em esquisito mas acho um tanto ou quanto parvo colocar mais de meia centena de marmanjos a correr, juntinhos, por uma estrada comum, onde circulam automóveis comuns, ainda para mais em horas de fraca visibilidade. Resultado: 16 feridos.

 

Não sei o que os senhores responsáveis pelo batalhão pretendiam com este exercício mas convinha alguém lembrar que fazer uma coisa daquelas não é inteligente. Aliás, deve ser dos primeiros ensinamentos que qualquer pai ou mãe dá aos filhos pequeninos. "Não vás correr para a rua, senão vem um carro e pode atropelar-te".

 

O Ministério da Defesa já abriu o inevitável inquérito. Por mim, devem colocar uma associação de pais a dirigi-lo.

Os mistérios de uma loucura

Nidal Malik Hasan, 39 anos, filho de pais palestinianos emigrados nos EUA, classe média, bem integrados na sociedade norte-americana. Alistou-se cedo nas forças armadas e, ao que tudo indica, com convicção. Longe da ideia de seguir aquele rumo porque não encontrava outro. Foi o exército que lhe pagou os estudos.

 

 

 Formou-se em psiquiatria e passou a exercer essa actividade no exército, sempre em bases da Virgínia, terra natal.

Há uns meses foi transferido para o Texas, com destino à base militar de Fort Hood. Antes e depois dessa transferência a sua missão não envolvia armas. Era major e fazia parte da equipa do Centro para o Estudo do Stress Traumático. A sua tarefa era ajudar, do ponto de vista psicológico, os soldados que regressavam do Iraque e Afeganistão.

Ontem alguma coisa aconteceu. Nidal Malik Hasan puxou da arma e disparou. Matou 13 militares e feriu outros 30, até ser derrubado por quatro tiros. Não morreu.

Há quem diga que disparou indiscriminadamente, outros garantem que tinha vítimas determinadas. Não há certezas.

Há quem diga que Nidal Malik Hasan estava sob vigilância há muito tempo, desde que terá publicado comentário apontados como “estranhos” na Internet. Por exemplo, terá feito comparações entre os bombistas suicidas aos soldados americanos que se atiram sobre uma granada para proteger os companheiros de armas. Dizia ainda que os muçulmanos – ele era muçulmano – tinham o direito de lutar e que os EUA não deveriam estar no Iraque e Afeganistão.

Há quem diga que Nidal era alvo de insultos e olhares de esguelha dos colegas, por ser muçulmano.

No diz que disse, resta a realidade. Já estão a decorrer inquéritos mas não há certezas de que um dia haverá explicações sobre o que se passou na cabeça de Hasan.

Como será sempre muito difícil entender o que se passa na cabeça de alguém que se resolve estourar num mercado repleto de mulheres e crianças, como há dias aconteceu no Paquistão.

 

 

 

O Palácio de S. Lourenço

TEXTO DE FRANCISCO LEITE MONTEIRO

 

Em apontamento da correspondente na Madeira, o DN de 28 refere a reivindicação, pelo Presidente do Governo Regional, da entrega da velha Fortaleza, hoje Palácio de São Lourenço, à região, um diferendo que, inexplicavelmente, se arrasta há largos anos, tema sobre o qual – desde pelo menos 2001 – tenho abordado, em particular na imprensa regional madeirense. O atraso do governo central em reconhecer que à Madeira cabe decidir sobre o património regional que, obviamente, continuará parte do património nacional, é uma abstrusidade, como é também, fazer depender a decisão dos militares, espécie de bode expiatório, na velha perspectiva de que com a tropa ninguém se mete, passando como tal o novo ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, a ser o “mau da fita”.

 

Efectivamente aos militares quase desde sempre se deve muito do que se não conseguiu fazer através dos tempos. Evocando o livro “Palácio de São Lourenço na Cidade do Funchal” (José Leite Monteiro, 1950) cabe recordar dificuldades dos velhos tempos coloniais, envolvendo a ocupação da ala nascente do palácio pelos militares que, pelo menos, por duas vezes impediu a concretização de obras de valorização. A primeira foi no final do terceiro quartel do século XIX, “porque o Comandante Militar – Coronel Macedo e Couto – a isso se opôs”. Estava em causa a unificação da fachada sul, que sessenta anos mais tarde, viria a ser de novo contemplada mas só parcialmente foi conseguida, obviamente pela incompreensão dos militares.

Os tempos hoje são outros e, como já escrevi, não pode tolerar-se que em pleno século XXI, se continue a impedir a criação de um espaço histórico-cultural, incluindo os Museus da História e das Actividades Económicas da Madeira, bem como um “Centro Cultural” e também a sala de visitas e de convívio das gentes da Madeira e de quantos a visitam e revisitam, nesse padrão memorável que é São Lourenço onde, “dentro das suas muralhas se conserva, material e espiritualmente, a continuidade da sua História”. Publicado também no «Diário de Notícias»