O Estado ao serviço de interesses privados e de uma religião?

Santana Castilho*

Com uma Constituição que consagra a escola pública, resulta estranho que no próximo dia 18 esteja agendada uma manifestação para a defender. Todavia, motivações financeiras e ideológicas, que foram crescendo com forte protecção governamental desde 2011, criaram agora, com o apoio natural da Direita e com o envolvimento menos usual da Igreja, uma agitação social e política que a justifica. Com efeito, a reivindicação foi exposta e o discurso assinado: a escola privada teria um direito natural a ser financiada com o dinheiro público, chegando-se a admitir que a escola pública poderia fechar para que a privada sobrevivesse e continuasse. Assunção Cristas, que não pode desconhecer, por formação académica e responsabilidade política, a imposição constitucional de criação de uma “rede de estabelecimentos públicos de ensino que cubra as necessidades de toda a população” (artigo 75º da Constituição da República Portuguesa), defendeu o encerramento da escola pública em benefício da escola privada. Fê-lo sob pressupostos, é certo. Mas fê-lo para garantir a tença aos empresários da educação e com desprezo pela Constituição, da qual pode discordar mas à qual deve obediência como deputada da nação. O que está em causa é pois a necessidade de proclamar um “não” cívico claro, como resposta à pergunta que encima este artigo. [Read more…]

Deixem estar a ortografia descansada

As polémicas e os debates não se fazem necessariamente a preto e branco. Na questão do chamado acordo ortográfico (AO90), acontece o mesmo: entre os que são contra e os que são a favor, existem várias posições intermédias, incluindo os que não se interessam pelo assunto.

Jorge Fiel conta uma pequena história que presenciou em Itália. Um casal de brasileiros, julgando que o GPS do carro que estava a alugar só se exprimia em português de Portugal, preferiu optar pelo inglês, “pois assim entendiam melhor.” Para a história ter um final feliz, descobriu-se que o GPS incluía, também, uma voz em português do Brasil. Problema resolvido.

É claro que não há aqui propriamente nenhuma questão ortográfica. Em primeiro lugar, os brasileiros, devido à falta de hábito de ouvir os portugueses, têm dificuldade em perceber a(s) pronúncia(s) europeia(s). Para além disso, há questões semânticas que, devido à mesma falta de hábito, tornam enunciados portugueses em objectos estranhos ao entendimento brasileiro, numa prova de que, muitas vezes, estamos separados pela mesma língua. [Read more…]

Homem português chega por engano a primeiro-ministro

Mulher belga conduz por erro até à Croácia

FMI subsidia GPS

Pelas contas do FMI, o Estado consegue poupar cerca de 400 euros por aluno numa escola privada com contrato de associação.

E chumba a matemática.

A reportagem da TVI sobre o ensino privado, versão grupo GPS

Dizem que é uma espécie de gordura de estado: milhões a voar para ilegalidades várias, inspecções feitas com pré-aviso, ligações com actuais deputados e muitos reformados da política, o Grupo GPS é um caso de sucesso no enriquecimento em Portugal.

Alcançado como de costume: com o dinheiro dos seus impostos.

TVI – As Escolas do Grupo GPS

Uma reportagem de serviço público! Nada poderá ficar como estava depois da reportagem de hoje sobre os colégios GPS! Custa-me, sempre, perceber como estes FILHOS da PUTA se governam às nossas custas!

Navegação sem GPS

Aqui há uns tempos soube-se que Bob Dylan estava a ponderar aceitar a oferta de uma das muitas empresas que produzem GPS para ser uma das vozes disponíveis para os ditos aparelhos. Dylan brincava com a possibilidade dizendo “acho que seria bom se estivessem a precisar de indicações e ouvissem a minha voz a dizer algo como: ‘à esquerda na próxima rua… Não, direita… Sabes uma coisa? Vai sempre em frente’. Provavelmente eu não deveria fazê-lo porque, para onde quer que vá, acabo sempre no mesmo sítio – Avenida Solitária”. Os seus fãs adorariam, suponho, mas Dylan e as suas errâncias contrariam a essência do GPS e da sua perfeita e eficientíssima acção: fazer-nos chegar o mais depressa possível ao destino e assim livrar-nos dos atrasos e do inesperado. E tudo o que hoje tem por destino a poupança do tempo e a obtenção de resultados tem sucesso garantido, mas não vejo em que medida se poderá coadunar com o espírito dylanesco. Não encarem isto como o ataque de uma tecnofóbica ao GPS, só faltava. Que é muito útil, que avisa onde estão os radares, a bomba de gasolina mais próxima, etc, tudo muito benéfico e prático e meritório. Mas não estaria mal desligá-lo de vez em quando e deixar-se errar.

Há um poema muito famoso de Robert Frost, citado como justificação de variadas e espantosas borradas, no qual o poeta descreve como, perante duas estradas que divergiam num bosque, e lamentando não poder percorrer ambas, escolheu a menos percorrida e que isso fez toda a diferença. A estrada menos percorrida é para os bravos, claro, e nada garante que não termine apenas na Avenida Solitária. Mas em alguém momento, ainda que seja um único, seria bom, digo eu, poder apontar no nosso diário de bordo que escolhemos essa estrada. Há uns anos, uma grande amiga contou-me, sem perder tempo com lágrimas, que tinha ficado sem emprego e que, estando num momento de desorientação e incerteza, tinha decido usar a indemnização que recebera, e que era o único dinheiro que lhe restava para os tempos de desemprego, numa viagem à Patagónia. Eu contive-me a custo porque o que me apetecia era gritar-lhe que estava louca e que esse seria um disparate do qual se arrependeria para sempre. Antes de abrir a boca ouvi a descrição que ela me fez das expectativas que tinha para a viagem, e admirei a sua bravura. Sim, era insensato, era de loucos, ninguém no seu perfeito juízo o faria. Mas por que não? Aquela viagem acabou por ter o seu cariz iniciático e transformou-se num momento de reencontro e de crescimento. E quando regressou arranjou um novo trabalho e tudo se normalizou sem mais dramas. Perdemo-nos, reencontramo-nos, passamos pela Avenida Solitária e com um pouco de sorte temos um vislumbre da rua central, onde estão todos e a vida palpita.