Justiça para Tsz Lun Kok

Antes de mais, peço desculpa. Este assunto é demasiado importante para ter esperado tanto.

Apesar de pouco se falar do assunto, há um jovem português que está detido há quase um mês na China. Este jovem integrava um grupo de 12 ativistas pró-democracia em Hong Kong. Foram acusados de “travessia ilegal”, ao dirigirem-se para Taiwan.

Tsz Lun Kok, indivíduo com dupla nacionalidade, está desde então sem poder contactar a família e sem acesso a advogado. Sendo este jovem de 19 anos cidadão português, tem de ser defendido intransigentemente pelo Estado português contra qualquer ataque anti-democrático. Até agora, apenas a Iniciativa Liberal pressionou o Governo e mesmo assim soube a pouco.

Todos sabemos que é muito mais popular fazer manifestações contra Bolsonaros ou Trumps do que a favor de um adolescente com nome asiático, mas é obrigação dos partidos que constituem a Assembleia exigir a defesa do nosso concidadão.

O Governo português tem de ter coragem de colocar os interesses de Portugal e dos seus valores democráticos à frente de qualquer “boa relação secular”.

Justiça para Tsz Lun Kok!

O problema é a CIA

Protestar pela Bielorrússia ou pela Venezuela (eleições aldrabadas), pela Coreia do Norte (eleições? o que é isso?) ou por Hong-Kong (violação de acordos) é ingerência. Protestar contra o Trump e o Bolsonaro é, obviamente, solidariedade com os explorados povos dos EUA e do Brasil.

Magia de Hong Kong

“Corpos esmagados e ossos partidos”

Joana, nome fictício de uma amiga de longa data, tem o vigor dos perseverantes e investiu-o no que culminou numa carreira de sucesso. Enquanto mulher plena de força, canalizou as suas energias na preparação de um futuro onde a estabilidade financeira fosse garantida, numa espécie de pré-requisito para constituir família. Afinal, quem pensaria que a fertilidade dos 20 anos alguma vez murcharia? A Joana, não, certamente. Ano após ano, a opção da natalidade foi medida à luz da bitola do seu entendimento sobre o que era o sucesso na vida.

Imagem: Banksy

[Read more…]

O dragão mostra as garras

Aconteceu nos últimos dias um ping-pong diplomático-comercial entre a Apple e a China devido a uma app que tem sido usada pelos manifestantes de Hong Kong para identificarem a localização dos bloqueios policiais, assim os evitando. Primeiro, a Apple removeu a app HKmap.live da sua app store, voltou a permitir a sua disponibilização depois dos protestos por parte dos seus utilizadores. Passado um dia, voltou a interditá-la novamente na sequência de fortes pressões vindas do governo chinês.

A este episódio seguiu-se outro em que um jogador teve represálias por parte de uma empresa americana por este ter proferido uma declaração de apoio aos manifestantes pró-democracia de Hong Kong. Chung Ng Wai, jogador profissional de Hearthstone que ganhou uma competição organizada pela empresa americana Blizzard, declarou na respectiva conferência de imprensa “liberdade [para] Hong Kong, [a] revolução do nosso tempo”.

[Read more…]

Ópio

vlcsnap-66119

No século XIX, os Ingleses recorreram a uma arma terrível para consolidarem o seu poder e a sua hegemonia comercial na Ásia: a droga.

A China faz há milénios uso das plantas pelas suas características medicinais e são inúmeros os tratados sobre a Fitoterapia, o principal dos quais, o Shen Nong Ben Cao Jing (Clássico de Agricultura e Materia Medica) foi compilado durante o período da Dinastia Han do Este (25 d.C.-220 d.C.). Os autores desses tratados fazem normalmente a inventariação das plantas, atribuindo-lhes nome, modos de preparação, propriedades curativas e abordam também as suas contra-indicações, os modos de conservação e substituições possíveis.
O Ópio é conhecido na China desde a época da Dinastia Tang (618-907) e é usado, principalmente, para fins medicinais. É efectuada a sua extracção do bulbo da Papoila, onde se encontra o sumo da planta contendo numerosos alcalóides.

[Read more…]

Negócios da China

Honk Kong

Numa altura em que ocidente democrático se insurge contra barbaridades variadas perpetradas por russos e árabes (só alguns claro, a Arábia Saudita, por exemplo, continua a ser uma excepção e um exemplo de respeito pelos direitos humanos), Portugal continua de portas escancaradas para o investimento dessa nação plural que é a República Popular da China. E se dúvidas restassem quanto ao grau de abertura e respeito pelos valores ocidentais que supostamente defendemos, a vice-ministra chinesa Xu Lin esclareceu-as por completo na sua recente visita a Portugal para integrar um painel da uma conferência organizada pela Associação Europeia de Estudos Chineses na Universidade do Minho. Foi um belo momento de convivência democrática.

[Read more…]

Aguarda-se intervenção dos bombardeiros ocidentais da paz

Hong Kong também quer democracia e eleições livres. Armamos e treinamos uns rebeldes para ajudar?

Victo Ngai

Victo Ngai. Muito bom.