Contratados

Aqui têm uma excelente questão!

O meu movimento

Aí está a segunda oportunidade de conseguir falar com o Pedro Passos Coelho.

Reconheço que há coisas mais interessantes para fazer, nomeadamente em férias, mas entendo o aproveitamento legítimo da cobertura mediática que este tipo de iniciativas acaba sempre por ter.

A inutilidade deste processo está comprovada no que resultou do movimento vencedor do ano passado – nada!

De qualquer forma e por uma questão de visibilidade entendo a opção por criar um movimento. Já lá fui e vá votei.

 

Plataforma pela Educação

Afinal foi hoje que a Escola Pública mudou…

Vamos continuar a apertar porque está a resultar

Que ninguém tenha dúvidas, porque a realidade está aí para o mostrar: o Governo em geral e o Nuno Crato em particular já perceberam que o Monstro está a acordar.

Os Professores estão a começar a levantar-se – foi a Manif da semana passada, as vigílias desta semana, serão as concentrações regionais da próxima semana e tudo o que for preciso, porque está a resultar.

Durante meses, o homem desapareceu. Ninguém o via!

Numa semana apareceu mais do que o animal atrás do Pinto da Costa. Após a Manifestação de Lisboa, ainda tentou continuar escondido, mas em cima da marcação das Vigílias fez uma conferência de imprensa e divulgou um comunicado.

É também por isto que não entendo o Paulo, que continua a ter um Umbigo do tamanho do mundo: se é dos sindicatos é porque é do PCP, se é dos professores é porque é do bloco. Posso deixar um desafio – será que queres sugerir alguma forma de luta? O que fazer a seguir? [Read more…]

Pelo Rio Tinto, marchar, marchar

Caminhada pelo Rio Tinto, 25 de março

Não sou novo, nem velho, antes pelo contrário.

A caminho da escola lembro-me de ver o rio de todas as cores – até havia apostas sobre a cor do dia, que ia variando em função das descargas da fábrica. Vi, ali na casa do vizinho, uma mó de um moínho que em tempos esteve ali junto à Ponte, onde hoje temos um restaurante muito frequentado, mas com uma péssima relação preço / qualidade. Ouvi falar dos peixes que por lá existiram.

Andei de bicicleta e caí ao rio. Joguei à bola e ela também caiu ao rio. Fiz, fizemos, jangadas com madeira e garrafões de plástico – era a inspiração do Tom Sawyer.

Vivi sempre a 100 metros do Rio. Até que a modernidade trouxe uma ETAR: estação de tratamento de águas residuais. E tudo piorou. Além da qualidade da água não ter melhorado, ainda trouxe maus cheiros para toda a vizinhança.

Anos mais tarde apareceu o pior Autarca da nossa Democracia – esse mesmo, o Major. O Rio passou a ser um esgoto dentro de tubos que existem envergonhados por baixo de ruas e caminhos.

Por isso, não sei se o Rio Tinto é um Rio. Mas quero MUITO que volte a ser. A nossa história exige um Rio. Ou então mude-se o nome de Rio Tinto para Tubo Tinto, ou Esgoto Tinto…

Unidade é uma valor importante, mas não é o único

O movimento unitário de trabalhadores, representado em Portugal pela CGTP – Intersindical Nacional, é um movimento fundamental da sociedade Portuguesa.

A unidade é importante na medida em que é instrumental, é necessária para o desenvolvimento da luta dos trabalhadores.
Mas, a Unidade não pode ser um valor em si mesmo e por isso não assino por baixo o sindicalismo de outros tempos. A ruptura e a divergência na reflexão são cruciais, podem ou não acontecer nos momentos da acção, mas, não podemos, nem devemos faltar ao respeito a quem concorda ou a quem não concorda.
Não aceito, nos momentos em que discordo, vir a público apelar à não luta.
É precisamente isto que os movimentos de professores estão a fazer.
Não representam nada nem ninguém a não ser os seus próprios mentores – são seres virtuais (só existem na web, nas redes sociais e nos mails), sem qualquer ligação às escolas e aos seus trabalhadores, os Professores. Acusam as direcções dos sindicatos de terem avançado com uma greve sem terem ouvido os trabalhadores – pergunto: e os movimentos, quem ouviram? Onde? Quando? Como?
Depois, desvalorizam as questões salariais – eu, trabalhador, não tenho problema nenhum em assumir que só trabalho por dinheiro! Mas, há algum problema nisso? Penso que a dignidade da minha essência está no respeito que tenho pela profissão que exerço porque é graças a ela que consigo existir. Mas, não tenho qualquer dúvida – só trabalho por dinheiro e por isso as questões salariais são MUITO importantes. Se calhar, os professores dos movimentos não precisam tanto de trabalhar como eu.
E para concluir poderia dizer que se estivessem atentos poderiam ver que nas escolas a grande questão do momento é a aposentação e as suas alterações previstas no Orçamento de Estado.
Em síntese, poderíamos dizer cada Professor é livre de fazer o que entender, aderir ou não à Greve. Olhar para os motivos e ver se concordam com eles. Depois, em função dessa resposta, decidir se o Dia de Greve é ou não uma arma para usar.
O que não podemos usar é o nosso sentimento anti-sindical para vir a Público dizer que se demarcam e que não vão fazer nada e tal… Mas, alguém vos pediu alguma coisa? Será que os Professores vos mandataram para alguma coisa? Quem vos elegeu?

Acordo com o ME e sentimentos

Escrevi em inúmeros posts algumas das impressões, pessoais, sobre o acordo com o ME. Na “sequência do exame final ao acordo” surgiu um troca de mensagens com Octávio Gonçalves e tendo por base o valor do acordo – positivo ou negativo?


Para continuação do debate recordo que SEMPRE defendi que a questão central da nossa luta era a divisão na carreira e não a avaliação. E, até por isso, penso defender que o acordo foi péssimo na dimensão avaliação. E que tal ideia não me impede de o ver como algo positivo na questão da carreira.
E, se positivo, logo desnecessário o caminho do parlamento – no parlamento devemos colocar o que é de lá: a contagem integral do tempo de serviço congelado. Isso, sim, é no Parlamento onde, repito, o PSD é a chave – os outros 3 não chegam.
Logo, não concordo com os movimentos que defendem que os sindicatos não têm autoridade para assinar o acordo em nome dos professores. [Read more…]