SE NÃO SABE EM QUEM VOTAR, VOTE (IN)ÚTIL, MAS VOTE!

.
Só mesmo na França do sr Sarkosy, se pode ser despedido e depois expulso para toda a vida das actividades de um qualquer sector, por se ter feito batota.

Será que os códigos por lá, são diferentes? Será que, e que, e que?

Lá que o homem, Briatore, é um escroque, pelos vistos é verdade. Que é arrogante, sabe-se que sim. Que é batoteiro, tudo indica para isso. Que tem um poder imenso na sua área, todos o sabemos. Que parece ter sido apanhado a mentir, é uma evidência. Mas, expulsá-lo? Não será de mais? E coitado do senhor, que vai ele fazer às casas, ao iate, aos amigos, às coisas correntes da vida?

Por outro lado, quem prevarica tem de ser castigado, não é?

Mas estes acontecimentos da F1 puseram-me a pensar. Não é que com isso vá longe, mas mesmo assim, fui supondo o que aconteceria se a justiça de França pudesse ser aplicada em Portugal.

Eu sei que o castigo dado ao sr Flávio foi muito mais para que se visse como se fazem as coisas por aquelas bandas, e para mostrar serviço ao mundo. Se se soubesse à boca pequena o que ele fez, como se sabia, mas não tivesse sido apanhado nas malhas da justiça, nada disto aconteceria. O problema foi mesmo o empolamento dado ao assunto. Mas de qualquer modo, como dizia, que aconteceria a muitos Portugueses, se a mesma justiça pudesse ser aplicada por cá?

Também temos por aqui escroques. Também temos por cá arrogantes. Também há batoteiros. Já foram apanhados a mentir vários deles. E, se pensarmos bem, também há alguns que têm todas estas características e ao mesmo tempo detêm um poder enorme.

E nada lhes acontece.E até há muita gente que gosta muito deles. E que se houver eleições, votam neles, outra vez.

Não poderíamos ser como os Franceses, mesmo que hipocritamente, e mandar estes que aqui temos e são assim como o sr Briatore para o caraças mais velho? Ou mesmo que não sejam, que tenham algumas das suas características?

Limpávamos o País de muita gente que só nos faz mal.

Com o poder judicial Francês, ou com os interesse que por lá há, talvez se conseguisse.

Como a justiça por cá, é o que se sabe, porque é que não aproveitamos o dia 27 de Setembro e depois, quinze dias mais tarde, na mesma um domingo, para pôr tudo direito?
Vamos ter uma oportunidade de ouro para podermos fazer o que está certo. Até nos pedem para ir votar, contra este ou aquele. Chamam-lhe o voto útil, e está por aí muita gente a pedi-lo. Votamos num qualquer que não nos chateie, para chatear aquele que quer o nosso voto e nós não queremos dar-lho, porque achamos que ele merece é ir embora de vez. É fácil.

É fácil e um bocado estupido, mas é assim mesmo. Não votar é que é uma asneira. Deixamos que os outros decidam por nós.

Se não sabe em quem votar, vote útil, MAS VOTE!
.
(In O Primeiro de Janeiro, 25-09-2009)

Comments

  1. Belina Moura says:

    Eu voto sempre, that’s for sure!

  2. isac says:

    uma coisa nada relacionada com o post: o Janeiro ainda continua a sair?


  3. É verdade que sim, Isac, ou eu não poderia dizer que os meus textos saem lá. :o)

  4. isac says:

    já percebi que sim, mas como está para fechar há tanto tempo e com tantos problemas com jornalistas…


  5. Pelos vistos os problemas continuarão. Não sei.De qualquer forma o jornal vai saindo com mais ou menos dificuldade, e os meus textos, 1, 2 ou 3 vezes por semana, lá vão saindo. E o jornal continuará com os seus leitores fieis, já que vou tendo, a espaços, reacções ao que escrevo.Abraço

  6. César Ramos says:

    Comungo nestas palavras de todos; foi porreiro!… fiquei bem com as m/s ideias e, para votos de bom ffim de semana,Honni soit qui mal y penseAu revoirCésar

Responder a César Ramos Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.