Prós e Contras – Nestas condições os megaprojectos são um disparate

A verdade vem ao de cima como o azeite. O governo minoritário já não mete tanto medo como o "quero, posso e mando" e  os especialistas começam a dizer em voz alta o que só diziam em voz baixa.

 

Nos últimos vinte anos o país investiu em obras públicas e o resultado é que somos o país mais pobre da Europa. E o mais injusto. E o que menos vai crescer. Não vale a pena, agora ainda vale menos a pena, continuar com obras que só servem o lobby do betão.

 

Pedir dinheiro emprestado lá fora e pôr a máquina das empresas de construição civil a trabalhar e comprar os equipamentos de tecnologia lá fora, é muit fácil. Dificil é fazer investimentos que reforcem o nosso poder de exportar, que substituam importações que melhorem a nossa produtividade.

 

O governo limita-se a jogar com as empresas que vivem do mercado interno, tira a uns e reforça outros, mas isso é uma soma igual a zero, no que diz respeito ao país.

 

É uma temeridade aumentar a dívida externa já imensa para fazer investimentos que não têm nenhum poder de captar tecnologia, de criar postos de trabalho, de exportar. Parece estar a criar-se um consenso para impedir que estes desastres se concretizem, pelo menos a curto prazo.

 

É necessário, e isto ninguem contesta, investir na produção de bens transaccionáveis, que se exportam, os quais há vinte anos representavam 30% do PIB e hoje continuamos com os mesmos 30%, apesar do país se ter endividado fortemente. Com esta factura de serviço da dívida o pais só pode empobrecer e ficar de mãos atadas, por décadas. Os próximos dez anos são de empobrecimento, e isto não é uma previsão, é uma realidade à qual já não somos capazes de fugir.

 

O país não tem de estar sujeito à ditadura dos lobbies que ,sentados à mesa do orçamento, forçam investimentos que não criam riqueza e que não são necessários, ou cuja prioridade não é nenhuma.

Comments

  1. DalDúvida says:

    AGORA UM POUCO MAIS A SÉRIO: Luís, Ricardo, Maria, Carlos, Zé Freitas, Sá da Música, ou outro que possa responder: Olha, Luís, como não gosto de ser injusto em vão, gostaria de te perguntar uma coisa..Toda a minha biologia e intuição me repele o ministro Vieira da Silva! Algo me diz que o tipo é perigoso, sabido, que se move como uma cobra de água e que NÃO É DE CONFIANÇA. As palavras e os movimentos, a tonalidade da voz, as atitudes visuais e comportamentais e os resultados levam-me à conclusão de que pode ser feroz, dissimulado, bem como, e insisto, perigoso..DIZ-ME CARO E INTELIGENTE LUÍS SE NÃO ESOTU A SER EXAGERADO, QUE NÃO DEVO PENSAR ISSO DELE, QUE AQUILO Não é o que eu penso…JUST A FAKE?!! Diz-me que não estou correcto! dalby


  2. Meu caro, sabido ele é, vendo bem sacou-te a ti e aos da tua geração 40% da reforma e tu nem deste pela…”carícia”. Mas é para nos enganar que lhe pagam. Chamaram-lhe ” sustentabilidade” da segurança social!!!

  3. DalDesnorteado says:

    Ai tu não me digas uma coisa dessas, não me estragues o dia de rain…cozy at home…Não me digas que o que acabas de dizer é mesmo verdade???!!!Que eu ando mesmo a dormir acordado???!! O quêeeeee? Mas eu não sabia..e que é que podemos fazer para rever/remediar essa situação??Tens a certeza que eu também? Mas mesmo que nao seja comigo mas com os pobres novos que aí vêm… é indecente! MAS TU NÃO ME RESPONDESTE À PERGUNTA! tens medo de dizer o que pensas dele, Luis? dalbyPs – se é sustentável porque tirou-nos ele os tais 40%? vão para onde? daldoentejá..fico já apertado dos intestinos, como sabes….

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.