♪ Cheira bem, ♫ cheira a eleições autárquicas ♪

Rossio_Lisboa_2007

Praça do Rossio, Lisboa, 2007 (wikimedia)

O que está a acontecer a Lisboa é inacreditável, não sei se quem vive noutros locais estará a par. Acontece que há autárquicas à porta e se existe algo que faça um autarca salivar,  as obras estarão no topo.

É a treta da segunda circular, o arrancar da calçada, a mesquita na Mouraria e agora isto do Jamaica, do Tokyo e do Europa que a Daniela relata.

Há um cardápio de obras que vão acontecendo ao sabor das autárquicas. As requalificações, os gimnodesportivos,  as rotundas, as estátuas nas rotundas, as lombas em tudo o que é passadeira (e que nada devem à segurança, como se pode constatar, por exemplo, em Soure).  E a lista poderia continuar.

[Read more…]

FMI baralha e torna a dar

ponto2

O relatório de Outono do FMI, essa samaritana instituição que nos salvou das maleitas do socratismo destrutivo e que nos emprestou umas coroas a troco de uns “ajustamentos” temperados com austeridade em doses industriais, vem agora dizer-nos que o caminho para tirar a economia da crise passa por investimento estatal em infraestruturas públicas. Ou se preferirem, em português neoliberal, despesismo.

[Read more…]

Coimbra, património criminal da impunidade

coimbra-3-marco-2011b

Em 24 horas duas reportagens televisivas atiraram à nossa cara como em Coimbra se lecciona uma aula de criminalidade impune, consciente desleixo de quem a podia punir, pura corrupção. A despeito de as ovelhas e carneiros que somos não terem cara, mas mero embora ternurento focinho.  [Read more…]

Linha temporal de um investimento do estado na economia

Tenho ouvido nos últimos tempos a defesa do investimento público como medida para sairmos da crise. Por exemplo, Nicolau Santos tem-no defendido no seu espaço da Antena 1 e do Expresso, sugerindo um programa de reabilitação urbana. No fundo, algo semelhante ao que Sócrates fez com as obras em escolas públicas da Parque Escolar.

No gráfico seguinte apresento o resultado de algo em que andei a matutar uns tempos.

investimento público_2

A seguir apresento a leitura do gráfico como o pensei. [Read more…]

Promessas inúteis

Os políticos em qualquer parte são os mesmos. Eles prometem construir pontes, mesmo quando não há rios. (Nikita Kruschev)

 

 

Como chegámos aqui?

Desde que Cavaco abriu a torneira do crédito fácil que passaram a ele recorrer, de forma abundante, tanto os particulares como  empresas, instituições e governos. E porque houve recurso ao crédito para crescer? Naturalmente porque não há crescimento infinito e porque a produção de riqueza no ocidente baixou de facto graças à globalização.

Todos se queixam da bofetada que agora estão a levar mas o facto é que poucos, que até levaram com a alcunha de velhos do restelo, se indignaram com o facto do Estado, durante três décadas, ter sustentado a economia à conta de obras públicas.

Encargos dos Estado com as concessões SCUT

Vale o que vale, e vale pouco, mas o meu primeiro post no Aventar foi precisamente sobre as SCUT e sobre os seus encargos financeiros. E no Fliscorno já  há que tempos andava nesse assunto. E o Tribunal de contas já em 2003 tinha alertado para o caos financeiro que as SCUT trariam. Só não viu quem não quis. E os eleitores não quiseram ver. Queixam-se de quê? Aguentem-se, que o livre arbítrio tem destas coisas.

[Read more…]

Confirma-se que sem imposição da troika, a irracionalidade prevalece

O ministro da Presidência Silva Pereira, assegurou hoje que o acordo para a ajuda a Portugal não vai travar o contrato já assinado do troço Poceirão/Caia da Linha Lisboa/Madrid. (i)

poceirão

Para que vai servir esse pedaço de caminho de ferro entre a fronteira e o Poceirão?

O que mais ainda virá que não estava no PEV IV?

Estava previsto o PEC IV acabar com as PPP, TGV e aeroporto? É que ontem o engenheiro disse, textualmente, que «as medidas previstas são essencialmente as do PEC IV».

 

Adenda
Se procura a tradução do  ‘Memorando do acordo estabelecido com o FMI-BCE-CE’, siga este link.

Uma coisa que não percebo…

Ora se os tipos que nos vão dar dinheiro* dizem que para o próximo triénio não haverá massa para PPP, TGV e aeroporto, será que os 51 magníficos que defenderam as obras públicas durante a campanha eleitoral das legislativas 2009 estavam errados?

poceirão

E já agora, para que vai servir esse pedaço de caminho de ferro entre a fronteira e o Poceirão?

* sim, parece que nos vão dar dinheiro, avaliando o que ontem foi dito só se pode concluir isto

 

Adenda
Se procura a tradução do  ‘Memorando do acordo estabelecido com o FMI-BCE-CE’, siga este link.

Poceirão-Lisboa em Expresso-charrete

poceirão

Agora que o TGV vem de Espanha até ao Poceirão, os nossos queridos deputados já poderão ir de comboio até Bruxelas. Sim, que o TGV é uma ligação à Europa, não é? Só há ali um bocadito de caminho até Lisboa onde é preciso um transporte alternativo. Mas não hão-de ser os velhos do restelo a travar o progresso e não há nada que não se resolva. Assim e a bem da nação, aqui deixo já esta ideia, que tenho a certeza de vir a colher as boas graças dos nossos políticos. Partindo do slogan que volta e meia por aí se ouve e que reza “Vá para fora cá dentro”, sugiro que se estabeleça um serviço de charretes entre a baixa pombalina de Lisboa e o Poceirão. Por forma a garantir suficiente oferta, deve-se proceder a uma requisição civil dos serviços de passeio turístico de charrete que há em Sintra. A viagem poderá ser um pouco mais longa do que se o TGV chegasse à Gare do Oriente mas atenção, a paisagem é deliciosa e o potencial turístico da viagem potenciará a economia da região! E tem ainda uma vantagem de monta. Convençam-se os senhores do FMI a virem de TGV para o Poceirão e sempre ganhamos mais um tempito sem contenção. Ganham todos e até ganham os senhores da Mota-Engil, que poderão despachar mais umas obritas públicas enquanto não chegam à capital esses forretas da manga de alpaca. Como se vê, o nosso Engenheiro sabe o que faz e é de agradecer a modernidade que nos trouxe.

No coração da UE

Quem chega ao aeroporto de Bruxelas terá pela sua frente labirínticos corredores em jeito de emaranhado de escadas e passadeiras, como que funcionando de aviso àqueles que se dirigem à Comissão. São instalações funcionais, mesmo assim, e sem exuberância novo-riquista em moda nalguns jardins à beira mar plantados. [Read more…]

1.300 milhões euros/ano – parcerias.

Neste momento pagamos só em parcerias público/privadas 700 milhões de euros/ano. A partir de 2012 passaremos a pagar 1.300 milhões de euros /ano!

Esta é a factura das tais obras sem custos para o Estado, que durante anos nos andaram a vender. Começou, a ideia genial, com Guterres e fez caminho nos governos seguintes perante a indiferença de todos nós. Então com Sócrates até dói a mentira mil vezes repetida, que os grandes investimentos se pagam , faz-se agora paga-se depois, o velhinho de Bruxelas paga, tudo grátis, está aí a factura.

Ser  o país com mais autoestradas por metro quadrado custa dinheiro, fica muito caro alimentar as construtoras com ciclos de obras públicas cada dez anos.

E agora paga-se como? Com o empobrecimento da população, com mais impostos, congelar vencimentos e pensões, cortar nos subsídios sociais, arrefecer a economia reduzindo a procura interna, correndo o risco de entrarmos em recessão…

Há três meses atrás o grande desígnio de Sócrates era lançar as grandes obras públicas…

Homem de Estado, visionário, estadista…

Obras Públicas : veio cá um senhor da UE!

Fatal como o destino, o que tem que ser tem muita força, o bom senso prevalece, dinheiro só no “totta”, o Presidente do BCE esteve cá ontem a deixar uns recados ao “animal feroz” e tudo lhe cai pelas pernas abaixo.

Não há megaprojectos, quem não tem dinheiro não tem vícios, felizmente que não haver dinheiro tem esta grande vantagem, não se estraga, não se gasta mal gasto. Para não perder a face adjudicou hoje um troço que, sem a ponte e os demais troços já congelados não serve para nada, vai ter que ficar à espera para estar operacional, mas enfim o pobre do “estadista” tambem não precisa de ser humilhado.

Um pesadelo a chegar ao fim ! Que dirão disto os “defensores do interesse nacional” que tão desinteressadamente se bateram pelas grandes obras públicas?

Obras Públicas : até o BES torce o nariz

Ontem na apresentação trimestral dos relatórios e contas do Grupo BES, o Dr. Ricardo Espirito Santo, a uma pergunta de um jornalista sobre as obras públicas, respondeu com evasivas, o ambiente internacional apresenta muitas incertezas, a situação do país não é a melhor, esse tipo de obras exige imenso capital que pode esgotar o crédito (pouco) ainda disponível.

Quando um banqueiro se junta a um cada vez maior grupo de técnicos a dizer que é melhor parar para reflectir é porque há mesmo razões profundas para haver dúvidas. E quando há dúvidas, que podem condicionar fortemente a nossa vida futura por muitos anos, o que se exige de quem decide, não são bravatas ou declarações de fé, são estudos serenos, ter uma clara estratégia para o país e depois sim, decidir. Ora estratégia para o país nunca ninguem viu nenhuma, ainda há bem poucos meses se dizia que as contas públicas estavam perto de ser uma lição ao mundo, mas hoje estamos a caminhar para a bancarrota.

Na próxima segunda feira, um grupo de ex-ministros das Finanças vai reunir-se com o Presidente da República com o objectivo de analisar cenários, porque já se viu que o único cenário que o primeiro ministro conhece é levar os projectos até ao ponto de não retorno.

Ou se fazem ou o Estado vai ter que pagar grossas indemnizações aos consórcios interessados nos concursos públicos!

A quem serve esta política de “terra queimada” ?

Obras públicas – aliança Sócrates / PCP

A guerra dentro do governo já é mais que evidente. Sócrates responde a Cavaco Silva e põe o ministro das obras públicas a responder a Teixeira dos Santos. A causa são, evidentemente, as obras públicas ! Sócrates acha que recuar, ou pelo menos adiar as obras públicas para melhores tempos, dá uma imagem de fraqueza. Pelo contrário, na presente situação, esta obsessão pelas obras públicas (TGV, Aeroporto e Ponte) levanta sérias e legitimas suspeitas. O que aproveita Sócrates, contra todas as opiniões e evidências, levar estes projectos ao ponto de não retorno?

Claro que Teixeira dos Santos, que faz as contas e que ouve as entidades financeiras da UE, sabe que esta obsessão não tem pernas para andar, ninguem vai emprestar dinheiro para obras faraónicas, a não ser a taxas de juro elevadíssimas que o país não tem como pagar. Quem vai continuar a engolir “sapos”?

João Cravinho, lá de Londres já veio apoiar Teixeira dos Santos e, Passos Coelho, espera que mais vozes se juntem no apoio ao ministro das Finanças, É que as contas ,para ajudar Portugal, apontam para 13 mil milhões de Euros o que corresponde a 8.1% do PIB e a cerca de 11% da dívida pública. Se lhe acrescentarmos, em contas redondas, mais 3.3 mil milhões para o Aeroporto, 1.8 mil milhões para a Ponte e o TGV até ao Poceirão e uns 7 mil milhões para o resto do TGV e, já agora, a autoestrada consignada há dias à Motta-Engil de 1,42 mil milhões, fica a dúvida legítima.

O que fará mover Sócrates para deixar o país numa situação miserável desde que  as obras públicas atinjam o ponto de não retorno? Porque o que faz correr o PCP,  apoiar as grandes obras públicas, é a existência de um Estado que tudo constrói, tudo controla, tudo pode.

Mas esses, os comunistas, não enganam ninguem! Sabe-se ao que vêm!

Alívio – O PSD na frente com 5 pontos de vantagem

Não causou nenhuma surpresa, nenhum artigo inflamado, nenhum programa pró ou contra, nada, todos esperavam, é um alívio ter aparecido alguem que possa tirar o país deste pântano. A ideia com que se fica é que é um pesadelo que está a terminar, ter um primeiro ministro todas as semanas acusado de malfeitorias, boys metidos no lodo até ao pescoço, magistrados feridos na sua independência, grupos económicos com a “boina” na mão à porta da residência do primeiro ministro.

Ufa! Como pode ver no texto do Aventar “PSD na Frente“, antecipando as notícias na comunicação social, já não chega a propaganda para tapar “o sol com a peneira” o país, ao contrário do que dizia a propaganda está, miseravelmente, no fim da linha.  O ministro das Finanças vem dizer que é preciso reequacionar o PEC e os megainvestimentos, de tarde aparece o ministro das Obras Públicas a dizer o contrário, logo apoiado pelo primeiro ministro. Temos duas linhas políticas no governo ou já são dois governos num só? Teixeira dos Santos engole “sapos” com a mesma facilidade com que Sócrates inventa mentiras. Qual dos dois acabará primeiro?

É que se Teixeira dos Santos abandona o barco, neste momento, entramos numa deriva muito perigosa. Sócrates já não entra nas contas!

Obras Públicas – suspeitas legítimas

Hoje no Público, Campos e Cunha aborda a questão do PEC, dos “especuladores” do acordo Sócrates/Passos Coelho e da miserável situação em que nos encontramos.

Como se verificou, imediatamente a seguir ao acordo com Passos Coelho, vieram os ministros das Finanças e das Obras Públicas fazerem apressada declaração. O aeroporto e o TGV  continuam apesar de estarmos neste aperto e deste acordo! .

O que levará Sócrates a ter esta obsessão, a ponto de colocar o país à beira da bancarrota? Contra todo o bom senso e toda a lógica, prefere congelar salários e pensões a adiar as grandes obras públicas que, essas sim, teriam efeitos pronunciados na despesa.

Não podemos esquecer que é o mesmo Sócrates que, com um governo já em gestão, não se coibiu de autorizar o Freeport de todas as vergonhas. Não aprendeu nada. Mas esta obsessão levanta suspeitas legítimas. O que levará Sócrates a querer levar os grandes projectos até ao ponto de não retorno quando já se percebeu que não será ele a construi-los, e num ambiente de grande perturbação economico-financeira?

O serviço tem que ficar feito a ponto de não se poder voltar atrás? Quem beneficia ? Há compromissos com entidades que não o Estado ?

Jorge Coelho tem de ganhar a vida


Obras públicas são para avançar, diz o primeiro-ministro.

E diz muito bem. Poque há compromissos assumidos, porque há prioridades confirmadas, porque há pessoas que têm de ganhar a vida. E é assim que a ganham.

Dupliquem-se, pois, auto-estradas; construam-se barragens que vão destruir o ecosistema e mesmo vias férreas («só falta encher isto de betão»); TGV que vão andar vazios; Aeroportos desnecessários.

Construam. Jorge Coelho tem de ganhar a vida.

O que esconde o novo aeroporto ?

Vemos as grandes empresas de transporte aéreo juntarem-se e constituirem megaempresas, como é o caso da fusão da Ibéria com a British airwais, uma e outra muito maiores e fortes do que a TAP, seguindo, aliás, o caminho da Swissair com a Lufthansa. No entanto, e apesar dos prejuízos contínuos a TAP não se casa com ninguem.

Sabe-se, tambem, que na Europa vão sobrar 5/6 grandes empresas de transporte aéreo e que essa questão da “empresa de bandeira” é canção para adormecer menino. E que o transporte aéreo não se vai tornar mais fácil e barato, pelo contrário, vai-se tornar mais dificil e mais caro.

O negócio do transporte aéreo anda à volta do conceito de “code share”, quer dizer, vende-se lugares entre as companhias por forma a que os aviões andem cheios, e uma das consequências são estes “aglomerados” de companhias aéreas como a ” Star airwais” em que as empresas mantêm a sua individualidade. Por outro lado, quem viaja sabe que o actual aeroporto de Lisboa não envergonha ninguem, bem pelo contrário, é um bom aeroporto. A que se deve esta obsessão de um novo aeroporto? A que se deve a situação de celibato da TAP?

A dimensão da TAP, em caso de casamento, fará que o famoso “HUB” de Lisboa seja uma miragem. Se o casamento for com a Ibéria, por exemplo, o “hub” será Madrid e assim por diante, e lá se vai o grande argumento para a construção de um novo aeroporto. Trava-se tudo e adia-se tudo para que o aeroporto chegue a uma fase de não retorno. Ora , sozinha ,a TAP nem sequer sobrevive quanto mais manter um “hub” em Lisboa.

Resta, então, o quê ? Mais dez anos de obras públicas, um novo aeroporto, uma nova ponte, um TGV pela margem sul do Tejo…

COMO UMA MINORIA É ARROGANTEMENTE MAIORITÁRIA

OS CEM DIAS DO GOVERNO

Faltam poucos dias para que este governo, liderado por D. Sócrates II o Dialogador, veja debatido na Assembleia da República o seu Orçamento para 2010. Pelo que se sabe, o executivo conseguiu acordos que lhe são francamente favoráveis, tendo a oposição sido levada, com areia nos olhos, a aceitar a arrogância socialista.
Como é de costume, nesta altura, cem dias passados sobre a tomada de posse do governo, faz-se um balanço da actividade governativa dos nossos mandantes.
Nestes três meses, já foram três as fases por que passaram.
Na primeira, quando ainda não tinham interiorizado que tinham deixado de ter uma maioria absoluta, o governo mostrou-se extremamente arrogante.
Na segunda, a oposição, quando ainda não tinha interiorizado que não era governo, mostrou-se extremamente arrogante, a ponto de querer que o País tivesse o seu Orçamento e não o do governo.
Na terceira, aquela em que agora vivemos, os ânimos acalmaram, o governo mostrou começar a entender que não tinha a anterior maioria, encetando o uso de um diálogo cheio de promessas, e a oposição vai-se deixando embalar pelas palavras doces do governo.
Nas duas primeiras fases, o clima de tensão foi grande, com o casamento gay, o adiamento da entrada em vigor do Código Contributivo, e a extinção do Pagamento Especial por Conta a tomarem conta dessa tensão.
A entrada desta terceira fase coincide com o início do ano. Chegou o ansiado diálogo. As negociações para a aprovação do Orçamento de Estado, culminaram na abstenção dos principais partidos da oposição, garantindo a sua viabilização. Passaram todos a ser amigos do peito. Mas atenção, que a alteração da Lei das Finanças Regionais, pode, de novo, fazer azedar os ânimos.
Estamos nos momentos em que o governo entende começar de novo a adoçar a boca ao zé povinho, através de medidas de carácter populista. E lá surge a abertura de uma conta a prazo, de 200 euros, para cada nascido em território Nacional. Com essa medida espera-se que os casais portugueses, os que podem procriar, queiram ter filhos, quantos mais melhor, já que as condições de vida vão melhorar consideravelmente. Com esse dinheirinho, o Estado espera receber mais um voto no futuro e dois votos no presente.
A par dessa medida, o anúncio da paragem de certas obras públicas, serve também para acalmar certos pensamentos mais pessimistas, mas a posterior mensagem da sua não paragem, em especial as obras do TGV, não é bom augúrio.
Temos ainda a prova provada da enorme amizade que o governo nutre pelos Portugueses. Para nos beneficiar, e apesar da admissão de erro crasso do Ministro das Finanças, os nossos mandantes, dizem que decidiram de moto próprio aumentar o déficit das contas públicas, no ano de 2009. Tudo a bem de Portugal e dos Portugueses.
Por último, não parece ser nada bom, o termos um Primeiro Ministro, que, sempre pelas piores razões, se mantém nas bocas do povo.

Coisas do Diabo – cozê-lo em lume brando

O plano do PSD é manter o lume depois do orçamento “Queremos demonstrar na Assembleia o descontentamento e descrédito a que o actual governo chegou. Se as pessoas na rua o comentam, deve ser o maior partido da oposição a carrear para esta câmara esses sentimentos e reacções”

O Magalhães, os Contentores de Alcântara, a gestão do QREN, o “Face Oculta” e o estado da Justiça, serão temas que o PSD não largará.

Outra questão, nada pacifica dentro do PS, é a eleição do Presidente da República, crentes como estão os sociais democratas que Cavaco Silva se vai recandidatar, e que no PS se perfilam Alegre, Vitorino,Gama,Guterres…

Depois vai haver as candidaturas de Passos Coelho e Aguiar Branco, durante o próximo mês de Março, altura para mais fogo cruzado sobre Sócrates e o PS!

As comissões de inquérito e as chamadas de ministros ao Parlamento são outras das estratégias a aprofundar. O estado a que chegou a Grécia, com políticas muito semelhantes às do PS, dívida elevada, obras públicas e déficite a cescer será outro filão a explorar.

Sócrates, cada vez mais, faz parte do problema. Para o PS e para o país!

Prós e Contras – Nestas condições os megaprojectos são um disparate

A verdade vem ao de cima como o azeite. O governo minoritário já não mete tanto medo como o "quero, posso e mando" e  os especialistas começam a dizer em voz alta o que só diziam em voz baixa.

 

Nos últimos vinte anos o país investiu em obras públicas e o resultado é que somos o país mais pobre da Europa. E o mais injusto. E o que menos vai crescer. Não vale a pena, agora ainda vale menos a pena, continuar com obras que só servem o lobby do betão.

 

Pedir dinheiro emprestado lá fora e pôr a máquina das empresas de construição civil a trabalhar e comprar os equipamentos de tecnologia lá fora, é muit fácil. Dificil é fazer investimentos que reforcem o nosso poder de exportar, que substituam importações que melhorem a nossa produtividade.

 

O governo limita-se a jogar com as empresas que vivem do mercado interno, tira a uns e reforça outros, mas isso é uma soma igual a zero, no que diz respeito ao país.

 

É uma temeridade aumentar a dívida externa já imensa para fazer investimentos que não têm nenhum poder de captar tecnologia, de criar postos de trabalho, de exportar. Parece estar a criar-se um consenso para impedir que estes desastres se concretizem, pelo menos a curto prazo.

 

É necessário, e isto ninguem contesta, investir na produção de bens transaccionáveis, que se exportam, os quais há vinte anos representavam 30% do PIB e hoje continuamos com os mesmos 30%, apesar do país se ter endividado fortemente. Com esta factura de serviço da dívida o pais só pode empobrecer e ficar de mãos atadas, por décadas. Os próximos dez anos são de empobrecimento, e isto não é uma previsão, é uma realidade à qual já não somos capazes de fugir.

 

O país não tem de estar sujeito à ditadura dos lobbies que ,sentados à mesa do orçamento, forçam investimentos que não criam riqueza e que não são necessários, ou cuja prioridade não é nenhuma.

O Dubai já foi…

Se Sócrates tivesse olhinhos e não quisesse ser recordado por uma ponte ou pelo TGV, olhava bem para o Dubai dos Megainvestimentos com dinheiro emprestado, dívida externa.

 

Aqui em Portugal, as pessoas que conhecem as contas públicas levam as mãos à cabeça por muita coisa, mas muito principalmente por causa da dívida externa que, em cinco anos, saltou para 80% do PIB.

 

Isto quer dizer que o serviço da dívida é monstruoso, é dinheiro que vai lá para fora, que é retirado à economia e dinheiro cada vez mais caro, porque com o crescimento que tem, Portugal não consegue pagar a conta. E quem empresta está muito atento aos países que pedem, que não controlam a dívida, que a deixam crescer, que não se conseguem desenvolver. E são mais exigentes, juros mais altos, condições de obtenção mais dificeis para quem pede.

 

O Dubai fez a fuga em frente habitual, grandes investimentos públicos que só dão retorno (quando dão) muitos anos mais tarde. E agora, anda "de mão à frente e outra atrás" a pedir ajuda e facilidades.

 

Oxalá que o bom senso cubra com o seu manto benfazejo a oposição e lhe dê força para, pelo menos, travar as obras públicas até que possamos pedir emprestado em melhores condições.

As falências não falecem

Todos os dias temos notícia de falência de empresas deitando para a o desemprego milhares de trabalhadores.

 

Inexoravelmente, a crise, pese embora a propaganda e os números falsos atirados contra a miséria, vai fazendo o seu caminho, perante a incapacidade dos governantes. Da mesma forma que nada são capazes de fazer contra o desemprego, tambem nada são capazes de fazer a favor do emprego, criar postos de trabalho, criar riqueza, única forma de manter o nível de vida das pessoas.

 

Milhões atirados para cima dos bancos, que supostamente chegariam às empresas, pouca relevância têm quando o que está em jogo é a dura realidade do mercado de trabalho, dos mercados que deixaram de comprar ou dos preços que deixaram de ser competitivos.

 

Bem podem os políticos socialistas colocar os seus nas empresas públicas, controlar bancos e escolher a dedo os negócios que ajudam ou os que deixam cair, que não substituem a iniciativa da sociedade civil na produção de bens transaccionáveis e exportáveis e que substituem importações.

 

Endividar o país e construir pontes e autoestradas é fácil , muito fácil. Daqui a dez anos estamos tão pobres e sem tecido empresarial como estamos agora e aí íniciaremos um novo ciclo de obras públicas e assim sucessivamente. Alimentar a besta insáciavel.

 

Desde " o condicionamento industrial de Salazar" que é assim, o Estado e a visão centralista de meia dúzia de grandes grupos económicos, a ganhar dinheiro em monopólio

e/ou em cartel, sem risco, abafando a iniciativa privada, tolerando aqui e ali iniciativas mas nunca fazendo delas " a paixão" de governar.

 

Todos os dias fecham empresas, apesar dos milhões disponibilizados, das medidas gritadas aos quatro ventos, dos 600 000 trabalhadores no desemprego.

 

Percebi bem esta incapacidade quando o ex-Presidente Eanes dizia, que o que mais o horrorizava no poder ,apesar dos imensos meios colocados à sua disposição, era a incapacidade de poder resolver os problemas concretos das pessoas.

 

Ninguem diz a Sócrates que é mais fácil calar uma voz incómoda na TVI do que criar um único emprego?

É possível governar com este nível de suspeita?

Como se recorda sempre que é preciso, o PS está no poder desde 1996 com um hiato de 2 anos e meio. Tudo o que Portugal hoje é tem o selo do PS ! Para o bem e para o mal!

 

Somos novamente o país mais pobre da União Europeia, o que não acontece de um ano para o outro, é fruto de um processo contínuo de empobrecimento.

 

Hoje temos uma dívida externa colossal, um déficite orçamental que alcança este ano os 8% e no ano que vem deve subir para os 9%, um desemprego que anda nos 9% e vários déficites estrututais na economia . É dificil fazer pior!

 

Quando para enfrentar este cenário, o mais necessário é ter agentes geradores de confiança, o que se verifica é que nunca houve tanta suspeita em relação ao poder económico e político. Isto é o resultado do poder absoluto do PS!

 

Temos um Primeiro Ministro que está há vários anos sob suspeita, em vários processos que correm na Justiça. Temos  magistrados colocados em lugares chave com conhecidas e íntimas relações com o PS,  alguns com processos de inquérito, como é o caso de Lopes da Mota.

 

Temos, agora, vários gestores de empresas públicas nomeados com a confiança do PS, envolvidos numa gigantesca rede de corrupção e tráfico de influências, o que indica que há conexões com membros do poder político em exercício, caso do Ministério das Obras Públicas.

 

O governo prepara-se para fazer toda a pressão no lançamento dos megaprojectos, que a verificar-se, será na vigência de quem está sujeito a este enorme nível de suspeição. Uma enorme soma de dinheiro será aplicada e gerida por estes interesses instalados que estão sob investigação.

 

O que pensar disto? Com é isto possível, quando as funções chave de regulação e controlo têm o comportamento conhecido e foram nomeados por quem está sujeito a investigações policiais?

 

 

Face Oculta, o abismo do PS?

O que se está a passar com gente do PS ao nível da corrupção mostra que exercer o poder sem escrutínio e por um longo período de tempo pode ser legítimo, se ancorado na vontade popular, mas está longe de ser salutar.

 

As pedras estão distribuídas nos postos e funções chave, sedimentam-se as amizades ao abrigo de interesses comuns, alarga-se a rede de contactos e o húmus da corrupção e do compadrio estão instalados.

 

O PS está em toda a parte, no governo, na alta administração, nas empresas públicas, tendo como sócios os grandes grupos económicos, está na banca de braço dado com os que  enriquecem a fazer negócios com o Estado.

 

As marés que renovam todos os dias as águas dos estuários são responsáveis pela vida

que sobrevive ao lodo e à falta de oxigénio  de que as águas paradas são responsáveis. No aparelho de Estado, a Democracia, de quatro em quatro anos tem essa capacidade de renovação, de limpeza. O PS está há 12 anos no Estado nos últimos 14 anos, a impunidade já leva responsáveis públicos a pensarem que podem usar o telefone para fazer negócios escuros.

 

Apesar de tudo há aqui, na Face Oculta, uma novidade. Há funcionários das estruturas intermédias acusados, esse polvo que vive à nossa custa, que faz os pareceres técnicos sobre os seus próprios trabalhos que vendem às empresas concorrentes aos concursos públicos, e que durante anos e anos foram passando informações aos jornalistas, ocultando sempre as responsabilidades dessas estruturas e centrais de interesses há muito instaladas.

 

São estes interesses que têm como único objectivo lançar as obras públicas, depressa e irreversivelmente, alimentar essa teia de interesses com catorze anos de poder absoluto. antes que sejam varridos pela vontade popular.

 

Não se espere mais nada deste governo que não seja alimentar a máquina insaciável!

Década perdida

Desde 1996, ano em Guterres formou governo, que o país não deixa de empobrecer.

 

Ernâni Lopes, ministro das finanças de Mário Soares, afirma que "Esta década revelou-se um registo sem garra, sem ideias, sem verdade, sem força, sem lucidez, sem densidade política"

 

"Portugal terá grandes dificuldades para sair da crise, é na sociedade que se vão arrastar por mais tempo os efeitos da crise. Portugal está a viver um cenário de definhamento. Este é o principal problema da economia nacional "

 

" Um permanente esforço exibicionista sem conteúdo e uma expressão sem nobreza."

 

Campos e Cunha tambem ele ex-ministro de um governo do PS: "Espero que a legislatura não seja cumprida". A economia vai enfrentar um período dificil relativamente prolongado, e o governo vai estar sempre em pré-campanha."

 

Para sair da crise, é preciso acabar com todas as medidas que não têm efeitos dinamizadores na economia, como os grandes projectos políticos, que apenas têm contribuições negativas para o crescimento e condicionam o financiamento do Estado.A condição para se manterm os apoios sociais, é não levar por diante o TGV, novas autoestradas e com o novo aeroporto, embora este possa ser construído por módulos.

 

A deflação espreita, o que é um problema complexo de que se sabe pouco. A política orçamental deveria dar uma ajuda para evitar este potencial perigo, mas não há folga.

 

O que terá levado gente tão mal preparada para o governo?

A digna arte de fazer política

Ninguem quis aceitar a transparente proposta de coligação de Sócrates, daí à oposição ter que assumir as suas responsabilidades, foi um pulinho. Qualquer lhe servia se aceitasse o programa de Sócrates, sem reservas e sem concessões, em maioria absoluta.

 

Acontece que o PS não tem maioria absoluta, pelo que terá que negociar apoios e fazer concessões, numa palavra, tem que exercer a "digna arte de fazer política".

 

Cavaco, no discurso de posse do governo, chamou a atenção para os graves problemas nacionais. Dívida externa, os vários déficites estruturais da economia e o desemprego. E aconselhou que  o veículo prioritário são as PMEs, a inovação, a produtividade e a produção de bens transacionáveis e exportáveis.

 

Sócrates faz de conta que não ouve, nunca se refere à dívida externa monstruosa, que irá atrasar por muitos anos o desenvolvimento do país. Prefere fazer de conta que tem dinheiro ou que lho emprestam, para fazer as grandes obras públicas.

 

Só tem um objectivo, lançar as obras públicas, pouco lhe interessando quem terá que fechar a luz, quando sair.

 

A oposição terá nesta matéria um papel de grande interesse nacional, obrigando o governo a apresentar razões e estudos que mostrem a viabilidade dos projectos.

 

Ninguem compreenderia que assim não fosse!

Os desígnios de Sócrates

Deixemo-nos de ingenuidades. Este governo tem um objectivo. Lançar os megaprojectos que interessam a construtoras, bancos, consultores, por forma a que se tornem irreversíveis.

 

O TGV já vai em cinco linhas, quando Sócrates nunca conseguiu explicar como rentabiliza uma só que seja. O aeroporto , a sua dimensão, face ao futuro do transporte aéreo que serviu para o impor , não serve agora para o parar. Quanto à construção por módulos conforme as necessidades,  nem uma palavra.

 

A ponte, a terceira, sobre o Tejo avança, quando a Vasco da Gama nem um terço da sua capacidade tem esgotada.

 

Tudo isto para financiar com dívida externa a juntar à monstruosa que já temos que pagar.

 

A composição deste governo reforça este desígnio, um núcleo duro, coeso, que centraliza o que interessa e na periferia, ministros sem qualquer peso político, a quem está reservado o fogo de artíficio.

 

Os casos que envolvem José Sócrates diminuiram-no, fragilizaram-no e como já hoje se percebe, nenhum primeiro ministro a governar em maioria teve tão forte diminuição de votos quanto este. Com este governo estão os poderosos deste país, os gestores por nomeação política, os milhares de funcionários socialistas.

 

O país empobreceu nos últimos anos, com especial ênfase nos últimos três anos e vai continuar a empobrecer, pese embora já sermos o mais pobre da UE.

 

Recuperar o tecido empresarial das PMEs, que representam 70% do emprego e 80% das exportações é que é a tarefa nacional. Inovar, ajudar a torná-las competitivas, desenvolver e exportar tecnologia, isso sim,  é que é um desígnio nacional.

 

Endividar o país para fazer mais umas obras de betão, nada tem de grande.

Enriquecer à portuguesa

Conheça um banqueiro. Convença-o a emprestar-lhe uns milhões e dê como garantia as acções que vai comprar de empresas do PSI-20. Com o rendimento das acções vai pagando o empréstimo. Convem fazer um plano de negócio onde demonstra tim-tim por tim-tim que vai produzir riqueza e criar postos de trabalho. É que assim, convence tambem os serviços do banco e vai buscar uns milhões de subsídios ao Estado.

 

Depois almoce com uns jornalistas e convide decisores na área da comunicação social, que vão fazer barragem ao seu negócio, protegendo-o de quem nada faz e só quer o mal dos empreendedores. Entretanto, começa a ganhar dinheiro e ainda não avançou com o negócio, o que lhe permite arranjar mais uns milhões que aplica na bolsa.

 

Você, agora, já é comendador, já ninguem está à espera que suje as mãos na indústria ou na agricultura, onde se produz a riqueza. Como se tornou um accionista de referência de uma ou de várias empresas "amigas" do governo, tem lugar assegurado nas administrações, a ganhar principescamente.

 

Os bancos nem se atrevem a pedir-lhe que devolva os empréstimos, não vá alguem bisbilhoteiro de dentro da banca, dizer como se fizeram os negócios "finos". Se deixar de ganhar dinheiro ou que haja um "crash" bolsista, você entrega as acções e o prejuízo é da banca, e você continua a ganhar uns milhares por mês em vencimentos.

 

Vai dando algum aos partidos, principalmente ao que apoia o governo, e não vão faltar obras públicas e "contentores de Alcântara", que fazem aumentar o seu rendimento e que lhe abrem as portas a mais um lugarzinho bem pago nos orgãos sociais.

 

Dá muito trabalho ser rico em Portugal!