O John vai morrer, sem assistência médica, no país mais rico do mundo!

Tive violentas discussões na blogoesfera por causa do Sistema de Saúde nos USA.  Que deixa de fora, sem assistência médica, 40 milhões de pessoas. É uma luta que está a ser travada pelo presidente americano contra os interesses das seguradoras e dos Republicanos.

 

No (i) vem a história de John Brodniak, contada por Nicolas Kristof.

 

O John é um jovem de vinte e três anos, que começou há dois anos a ter violentas dores de cabeça. TACs e outros exames revelaram a existência de um tumor que pode ser operado. Isto é, o John pode ser salvo. Mas o Jonh, que trabalhava numa carpintaria na cidade natal, teve que ir para casa por causa da sua doença. Quando tem as violentas dores de cabeça, o John dirige-se ao hospital onde lhe ministram uns medicamentos contra as dores e mandam-no para casa.

 

Ninguem está disposto a operá-lo porque o John perdeu o seguro de saúde quando saiu da empresa, e não há, nem cirurgião nem hospital que o opere sem seguro, ou melhor, sem dinheiro. O John vai morrer. Candidatou-se a um programa Medicaid do Oregon mas não encontra um médico que aceite operá-lo por um preço tão baixo. O Medicaid é um programa de saúde governamental.

 

Se um senador, que se opõe à reforma do sistema de saúde, passasse na rua quando o Jonh desmaia com as dores lacinantes, nós acharíamos que se tratava de um monstro se nada fizesse.

 

Não será igualmente um criminoso alguem que  recusa a cobertura de saúde a milhares de cidadãos como o John?

Comments


  1. O meu espírito está consigo Luis Moreira. Todavia, num sistema socialista avançado (para ser avançado terá de ter caminhos lentos mas progressivos), coisas destas não sucederiam. Já não vê e nunca verá, dentro da assitência médica capitalista, qualquer progresso de humanização na saúde, não tenha ilusões. Um abraço


  2. Eu não tenho dúvidas que no capitalismo não há solidariedade, não vejo é alternativa, a não ser a reforma do sistema.Abraço