Rosa Coutinho: "Sede cruéis sobretudo com as crianças, as mulheres e os velhos para desanimar os mais corajosos"

Morreu o homem que escreveu uma das mais vergonhosas cartas -em papel timbrado da República Portuguesa- da história de Portugal. Nós, seus contemporâneos, não o julgámos devidamente e, neste paísinho, não sei se o futuro o fará.

Todos temos uma responsabilidade moral perante a História, até (ou sobretudo) nos momentos mais radicais e conturbados. Louvá-lo hoje, e branquear a mancha, mais não fará do que envergonhar-nos colectivamente, além de insultarmos as centenas de milhares de mortos brancos e negros, portugueses e angolanos, que resultaram do processo da guerra civil em Angola.

Adenda: O leitor António Duarte (ver comentários) alerta-me para a possibilidade de falsificação da carta e contrapõe este texto de Pacheco Pereira. Dado o clima que então se vivia, com as inerentes manobras de contra-informação, não me custa admitir que seja falsa. Rosa Coutinho interferiu decisivamente no processo independentista angolano e, ao ter escolhido e priveligiado o MPLA como interlocutor, tem, também, a sua quota parte de responsabilidade na guerra civil que se seguiu, concitando os ódios de brancos e negros afectos a outras tendências. Até por isso, admito a possibilidade de falsificação.

Já era tempo, aliás, de se saber mais sobre o processo de descolonização. Muitos dos seus autores foram dizendo, ao longo dos anos, ser ainda cedo para revelarem tudo o que sabiam, prometendo que um dia o fariam. A verdade é que tais revelações não chegam à luz do dia, pese a avançada idade de muitos deles. Penso que Portugal teria a ganhar com algumas revelações sobre um processo que foi, claramente, mal conduzido e fez demasiadas vítimas, durante décadas. A mim cumpre-me, nesta adenda, publicar o verso e o reverso desta questão, assumindo que não possuo provas num sentido ou noutro e que não pretendo de forma gratuita enxovalhar a memória de ninguém. Caso seja falsa a carta, penitencio-me por a ter publicado, não escamoteando que a mesma é pública e corre na net -e noutros meios- há muitos anos.

Comments

  1. António Duarte says:

    Fica mal ao autor deste post prestar-se à divulgação de aldrabices. Podemos questionar ou condenar a acção política de Rosa Coutinho, mas não devemos fazê-lo com base num texto forjado, uma falsificação grosseira. Sobretudo quando se invoca, no mesmo texto, a história com agá grande!
    Quem fala em responsabilidades perante a História devia saber que a primeira responsabilidade de quem a escreve, ou seja, de quem é historiador ou aspira a sê-lo, é averiguar da autenticidade dos documentos em que se baseia.

  2. Pedro says:

    Caro António Duarte:
    Começo por lhe dizer que não sou historiador. Quanto à carta em questão, sempre ouvi falar dela como sendo verdadeira, conheço o seu conteúdo há muitos anos e nunca a vi desmentida de forma cabal.
    Pode provar-me que é falsa?

    E não, não posso provar-lhe que é verdadeira (para me adiantar já a uma possível pergunta) mas, se uma carta falsa com semelhantes afirmações circulasse com o meu nome, faria tudo para provar o contrário. Não me consta que Rosa Coutinho o tenha feito.

    Quanto ao favorecimento ao MPLA, o mesmo é público.

  3. António Duarte says:

    Que a carta é falsa percebe-se desde logo pelo tipo linguagem usado, pelas perguntas retóricas à laia de justificação para as “ordens” dadas, pela referência a reuniões “secretas”. A falsificação está mal feita, é um autêntico gato escondido com o rabo de fora…

    Mas enfim, não tenho “provas”, nem tão pouco pretensões a convencê-lo de algo que me parece evidente. Em vez disso, sugiro que leia o que diz a respeito desta “carta” um homem insuspeito de simpatias com o comunismo ou os comunistas que é também um dos melhores investigadores da história do comunismo: Pacheco Pereira.

    http://abrupto.blogspot.com/2008/05/coisas-da-sbado-carta-de-rosa-coutinho.html

  4. Ricardo Santos Pinto says:

    Felizmente, meu caro Pedro, a carta é falsa. Está cheia de erros ortográficos e foi claramente forjada. Até no Blasfémias se disse que parecia ser falsa. http://5dias.net/2008/04/16/sobre-rosa-coutinho-e-o-mpla/


  5. Bom, como se costuma dizer Extraordinary Claims Demand Extraordinary Evidence e parece claramente que quem tem de fornecer as provas é quem faz as afirmações.

  6. Pedro says:

    Os comentários acima expressos levaram-me a colocar uma adenda ao texto, admitindo que posso estar errado.

    Pelos vistos também António Barreto http://sorumbatico.blogspot.com/2008/04/angola-nossa.html caíu no mesmo erro e também admitiu poder ter-se precipitado. Provávelmente nunca saberemos, de fonte segura, se a carta existiu, ou não.


  7. Pedro, essa carta é totalmente falsa. googla por aí e encontrarás a estória toda, de resto contada por gente que nem sequer era simpatizante do homem.

  8. José Pinto says:

    A única coisa que é absolutamente provada é que este post é uma burrada. Torna-se até numa homenagem à memória de Rosa Coutinho, pela demonstradas injustiças de que foi alvo. Tristeza…

  9. Pedro says:

    José Pinto
    o respeito que eu tenho pelos mortos, pelos estropiados, pelos deslocados, pelos “retornados”, pela diáspora, pelos que ficaram sem pátria, causados pelas burradas dos “Rosas Coutinhos”, impede-me de lhe responder à letra.

  10. Daniela Major says:

    O facto da carta ser falsa não quer dizer que isso apague o resto. Porque não apaga. A morte não torna os mortos melhores.

  11. Pedro says:

    Exactamente, Daniela, sem tirar, nem pôr.


  12. O Rosa Coutinho transformou-se num ódio de estimação para a maioria dos que vieram de Angola. Um ódio cego, de quem não compreende que não houve descolonização nenhuma (e a culpa disso é dos anteriores governantes).
    Ora leiam lá uma visão diferente do assunto:

    http://correiopreto.blogspot.com/2010/06/o-almirante-que-mudou-historia-de.html

  13. Pedro says:

    Li o correio preto e apenas confirma o que penso: Rosa Coutinho é um dos responsáveis – nunca disse que era o único – pela guerra civil que Angola viveu, pela que houve, não pela que poderia ter havido se…, essa não podemos aquilatar nem, com toda a certeza, afirmar que haveria se o processo tivesse sido tratado de forma mais inteligente e menos facciosa.
    Não compro a imagem de figura à altura da história, bem pelo contrário. Mas o homem morreu hoje e merece algum pudor. Um destes dias podemos voltar ao assunto.


  14. Se Angola não tivesse sido entregue ao MPLA muito simplesmente não existiria. Não é um problema de guerra civil, que houve na mesma: era a divisão do país em 3, e a possível anexação de parte dele por vizinhos.
    Eu que até sou contra a manutenção das fronteiras artificiais do colonialismo, vejo neste caso a possibilidade de construção de uma potência internacional.
    Precisam é de se livrarem do MPLA…

  15. Pedro says:

    É um argumento interessante, apesar de não passar de pura especulação nem disfarçar a falta de inteligência e de grandeza histórica no processo. Mas terá sido mais consequência do que, propriamente, visão estratégica.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.