Bloqueio a Gaza – as razões Israelitas!

Era capaz de ser mais politicamente correcto que a “ajuda” a Gaza fosse permitida, pese embora se terem encontrado entre alimentos objectos um pouco mais agressivos, tais como armas de diverso tipo. Ter-se-ia evitado o confronto com o feroz inimigo, o verdadeiro objectivo dos “humanitários”.

A acção da “Frota da Liberdade” é uma provocação política de uma dimensão inédita. Nos dias anteriores Israel avisou, repetidamente, que não permitiria a abordagem a Gaza e tinha proposto que a descarga dos mantimentos se fizesse no porto Israelita de Ashod, o que foi, evidentemente, recusado. Cerca de 800 activistas, muitos dos quais de nacionalidade Turca e outros árabes israelitas decidiram desafiar os avisos sucessivos.

O Hamas, que recentemente pôs a circular um desenho animado de um caixão supostamente com o corpo do soldado israelita Guidad, como se o entregasse a um pai desesperado, que não tem direito a ver o filho e que nem a Cruz Vermelha internacional tem autorização para visitar, vem agora fazer de conta que é “humanitário”.

Israel é um estado soberano, dificilmente podia não reagir a uma provocação desta dimensão, quem está por trás desta acção, é o verdadeito culpado das mortes que, infelizmente, aconteceram. Os soldados Israelitas foram recebidos com uma resistência violenta e armada e um dos barcos arvorava a bandeira Turca. Não são, pois, civis indefesos como se quer fazer crer.

O bloqueio a Gaza tem como objectivo impedir a entrada de armas para o Hamas, e não, para matar a população à fome. Os militantes “pro-Palestina” sabem isso muito bem, estão longe de serem os “cordeiros” que certa “ideologia oficial” quer fazer crer. Os ataques soezes e vergolhosos, com linguagem de carroceiro que utilizam, tentam esconder o facto de que muitas destas pessoas que entram nestas “caravanas humanitárias” não são mais que uns “idiotas úteis”.

Só a boa fé, conversações entre gente de bem, poderá trazer a PAZ a esta martirizada região, e o ódio que se adivinha em tantas opiniões em nada contribui para a PAZ! Entretanto, a Turquia, utiliza à exaustão, as mortes destes “bem intencionados” na sua política” de controlo regional. É para isto, para os objectivos de estados em confronto em estratégias de domínio,  que servem os idiotas úteis deste mundo!

Comments


  1. Luis, estou longe de pensar como tu, naquilo que expões, mas não é por isso que me tenho por idiota.

  2. Frederico says:

    Estou completamente em desacordo com o texto. Aliás acho inacreditável como pode defender-se o sionismo numa altura em que esse regime hediondo extremina os habitantes de um país, rouba-lhes as terras, prende crianças, deita abaixo habitações, etc, etc. Israel é o único “estado” do mundo que não tem na sua constituição a definição do seu território, porque precisamente vive do roubo das terras dos outros. Nessa mesma constituição diz-se que o estado de israel é o estado dos judeus, tornando a restante população, que já é 25% do total como cidadãos sem direitos. É o único país nuclear sem controlo internacional do seu armamento. Aquilo que os Palestinianos fazem é o que a ONU reconhece a todos os povos vítimas de agressão _ o direito a se defenderem. Israel é uma invenção do capitalismo ocidental, é o cão das grandes multinacionais do petróleo no médio oriente. A europa hipócrita finge criticar o sionismo, mas abastece de armas os assassinos israelitas. Só quem não sabe o que o povo Palestiniano sofre e é indiferente ao seu sofrimento pode ter esta visão fria do problema. Mesmo em israel, como se provou na manifestação de ontem contra o estado sionista, as pessoas começam a não aceitar ser cúmplices com este genocídio. Lamento imenso o teor deste artigo. Merecia um pedido de desculpas.


  3. Concordo Frederico e faço uma vénia ao teu comentário.

  4. Amadeu says:

    Luís, águas internacionais, sabes o que são ?

    E os malandros do Hamas, a por a circular desenhos animados ? Querem lá ver ?

    Mas que grandessíssima idiotice …

  5. Pedro says:

    Luís, se o mundo fosse perfeito, ninguém tinha que defender incongruências beligerantes. Sendo o que é, lembro que este é um fraco exemplo, tratando-se ainda por cima de um soldado:
    “O Hamas, que recentemente pôs a circular um desenho animado de um caixão supostamente com o corpo do soldado israelita Guidad, como se o entregasse a um pai desesperado, que não tem direito a ver o filho e que nem a Cruz Vermelha internacional tem autorização para visitar, vem agora fazer de conta que é “humanitário”.
    Sabes quantos pais palestinos desesperados não têm direito a ver os filhos e a Cruz Vermelha Internacional também não?
    E sabes quantos cartoons e filmes animados anti-muçulmanos circulam por aí, dentro e fora de Israel?
    Do ponto de vista dos princípios internacionais e dos direitos humanos, há muito pouco de recomendável nesta questão.

  6. Frederico says:

    Chamar terrorista ao Hamas é o mesmo que chamar terrorista á Resistência Francesa durante a ocupação nazi.

  7. Amadeu says:

    Se bem me lembro, terroristas, ou melhor turras, eram … o MPLA, a Frelimo, o PAIGC


  8. Na “mouche” Frederico e Amadeu.

  9. Pedro Rocha says:

    A mentira é bastante consistente!

  10. Luís Moreira says:

    É que assim as razões do outro lado tambem são conhecidas , mas não me parece nada que no caso concreto isto seja tão fácil como parece ,com se ve com o envolvimento da Turquia. E essa concepção de que de um lado estão os maus e do outro os bonzinhos faz.me muita confusão.E nenhum dos meus amigos já alguma vez me viu escrever algo contra ou a favor de uma das partes. Há muito que a “minha parte” é a da PAZ, a única útil.Não é o que se vê aqui com o ódio a toldar as mentes e a linguagem.

  11. Frederico says:

    Ó Pedro Rocha. Esse tipo de comentário não dá sequer para perceber se você é a favor ou do contra.

  12. Frederico says:

    Luis Moreira. Há que ter clarividência e saber distinguir as águas. Israel é o mau da fita, não tenho dúvidas. Agora, diga-se com clareza que a Turquia em termos de direitos humanos deixa muito a desejar. Os turcos estão-se a aproveitar da situação para passar a imagem dos defensores dos oprimidos, mas quando é preciso não têm problemas nenhuns em matar uns curdos. E neste caso concreto pesa muito o facto de Israel ter preparados exercícios militares conjuntos com a Grécia, que por sinal até foram anulados. O que também faz com que os Gregos não sejam propriamente umas peras doces…

  13. Frederico says:

    Mas piores, piores, só os alemães, que venderam submarinos ao Gregos e aos Turcos e agora emprestaram dinheiro aos gregos para pagar os submarinos encoberto em ajuda económica. Diga-se de passagem que essa dita ajuda económica provém de um empréstimo da UE, sobre o qual os Alemães cobram uma comissão.

  14. germano ramos says:

    É patética a tentativa de defesa para justificar a necessidade paranóide de Israel a se defender. Para aquele Estado criado “no grito”, sempre haverá dúvidas sobre segurança, afinal, se “auto-criaram” no meio de inimigos históricos, ou seja, serão, de uma maneira ou de outra, agora ou no futuro, destruídos. A única forma de Israel sobreviver, é construíndo uma relação duradoura com os árabes, caso continuem sendo esquizo-paranóides, dada a qualidade de seu “nascimento”, morrerão enquanto civilização. Afinal de contas, o império americano já sente o efeito da multipolarização do mundo, e o regime criado pelos dois países está para ruir, agora, em cinquenta ou cem anos. Sem a paz, Israel, que criou uma imagem de ” coitados” jamais sobreviverá, pois a democracia que prega é a do mais forte, e a do desconhecimento do Estado de Direito para os outros povos. Democracia mesmo, só para o povo deles, o resto dos críticos ao seu regime, são autoritários. Mais ou menos 100 bombas nucleares tem Israel, não respeitam a lei internacional com relação a energia nuclear, não respeitam resoluções da ONU, são beligerantes, possuem em seu sangue a violência, e justificam-se dizendo que os árabes são perigosos. Ora, faça-me um favor, não estamos no filme MATRIX, a realidade é uma, e o que pregam é outra!

    • Luís Moreira says:

      Meu caro, essa coexistência duradoura de que fala chama-se um Estado de Direito, uma Democracia. Estamos completamente de acordo!

  15. ahmed says:

    Não esqueces Israel tem 11.000 palestinianos prisioneiros entre deles há 300 meninos com menos de 17 anos e 120 mulheres…as coisas são claríssimas como o sol e todos nos sabemos que Israel é um estado canalha quando hamas é uma organização de resiliência contra uma ocupação severa da 60 anos!!!

  16. Luís Moreira says:

    Aquele texto é uma forma , como se viu aqui nos comentaŕios, principalmente do Frederico, que as coisas estão muito longe de serem transparentes. É essa a minha função aqui no blogue, levantar questões. Agora dizer que a Turquia, coitadinha, está muito preocupada com os palestinianos que têm fome, que passou a humanitária, enquanto não “gazeia” uns milhares de Curdos…o mesmo problema de Israel.Matar todo um povo para ficar com o território, é o que faz a Turquia com os Curdos…

  17. Nightwish says:

    Aquilo que Israel fez em território que não é seu é chamado de pirataria.
    E quanto a armas, quando são armas americanas a aterrar em Telavive não vejo eu grandes queixas.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.