120 milhões de pobres na UE!

O que representa cerca de 25% do total da população da UE! Segundo outro  critério pode calcular-se em 80 milhões! Destes 19 milhões são crianças.

Bruxelas estabeleceu como objectivo tirar 20 milhões da pobreza o que representa baixar para 20% o índice de pobreza. Estes números estão correlacionados com a taxa de desemprego que a UE espera conseguir baixar para 25% entre as pessoas dos 20 aos 64 anos.

Na verdade, é com a criação de emprego que se conseguirá combater a pobreza e a exclusão social e não com subsídios, embora ajude temporariamente.. É um passo gigantesco que os 27 membros tenham conseguido chegar a acordo sobre uma matéria tão importante.

Há, agora, que cada Estado membro estabeleça um objectivo adequado à sua situação particular e fixar um quadro de acção, para que tudo possa ser agregado ao nível europeu pela Rede Europeia Antipobreza.

O velho ditado,sempre actual. ” Não me dês um peixe, ensina-me a pescar” !

Comments

  1. joão Nunes says:

    Não me dês um peixe, ensina-me a pescar” !

    Para isso é preciso que haja interessados em aprender a pescar. É perda de tempo.

    Quando encontrar um grupo de “jovens” , dos que já estejam acima da idade da pediatria, e já não andem na “escola” a “estudar”, assim um grupo que já beba umas coisas e fume também umas coisas, pergunte-lhes o que fazem na vida.
    – 90%, ou mais, da probabilidade de resposta: nada!
    Pergunte se não trabalham e porquê.
    Deixo que as respostas obtidas o esclareçam.
    Depois diga qualquer coisa.
    Daqui a pouco, não haverá um torneiro, um serralheiro ou um carpinteiro.
    Mas haverá frequentadores de cafés e centros comerciais. Cada vez em maior numero.
    Nada se produzirá. Tudo será importado e cada vez mais.
    A C.M de Arouca ofereceu a possibilidade de pessoas desempregadas cultivarem boas terras no Concelho. Davam alfaias, combustível, sementes e as terras eram cedidas pelos seus proprietários a troco de nada. Não apareceu ninguém interessado.
    Em Mira eram precisas cem pessoas para apanhar morangos. O(s) agricultore(s) foi ao centro de emprego pedir pessoal. De cem necessários, apareceu um!
    O resto teve de vir de fora.
    Acha que vale a pena tentar ensinar ou perder tempo com gente desta?
    Têm tudo à porta de casa que também lhes é dada.
    Não pagam água nem luz. Levam-lhes a mercearia a casa. Não pagam nada em lado nenhum.Passam o dia, da parte da tarde em diante, que a manhã é para dormir e curar as bebedeiras, em ócio total. O rendimento é garantido. Quanto mais filhos, melhor, mais ganham. Traficam umas coisas, assaltam umas pessoas e umas coisas.São os “pobres”.
    E por esta via, cada vez há mais. Mas está tudo bem, porque há tipos como você para lhes garantir a boa vida. E políticos dispostos a empobrecê-lo, a si, para distribuir por eles e pelos “pobres”.

    • Luís Moreira says:

      João, já aqui escrevi sobre o que diz. Não estou nada disposto a que as coisas fiquem como estão. Quem vai à Segurança Social vê bem como somos sugados por gente de 20 anos cheios de filhos, a sacarem os subsídios. Não pagam renda, nem luz, nem água, há 30 anos que os vejo aqui há porta. No fare niente!

  2. maria monteiro says:

    devemos olhar esses 19 milhões de crianças como os futuros homens e mulheres da UE.

    • Luís Moreira says:

      Maria, o problema primeiro e maior é a criação de emprego e de riqueza. Não se pode distribuir o que não há. É por isso que o capitalismo se mantem. É o único sistema que é capaz de criar riqueza. Mal distribuída? Muito mal. Mas os outros nem isso!

  3. maria monteiro says:

    Considero que é uma forma airosa dos proprietários continuarem a ser proprietários e não terem as terras ao abandono. Tudo a custo de nada, melhor dizendo, duma simples cedência neste caso à CMArouca.

    Posso dizer que em determinada zona alentejana, todos os anos se oferecia para as IPSS a fruta da época só que… não queriam a fruta na árvore… tinha que ser colhida e entregue à porta da instituição, e com dia marcado.

    Refira-se que com tanta mordomia laranjas, limões, maçãs, peras, ameixas, abrunhos, cerejas, figos passaram a ficar nas árvores … os pássaros agradecem.

  4. joão Nunes says:

    Pois é Luis,
    Mas o problema é que não vai haver assim tanta gente a trabalhar e a criar riqueza para sustentar os pobres profissionais.
    O sistema capitalista, este, já disse ao que vinha:
    acabaram-se as regalias, os ordenados em progressão, as despesas médicas pagas, os prémios aos trabalhadores. O actual sistema aposta na miserabilização dos trabalhadores e quem não estiver bem que se mude.
    Isto tem de acabar mal.
    O sistema capitalista actual, não está apostado em criar riqueza no geral, mas sim só para si próprio. O que vão fazer daqui a alguns anos, ainda não sei, mas não deverá tardar muito para eu e todos saber-mos.
    Tem de dar raia, para não dizer outra coisa.

    • Luís Moreira says:

      O problema é que nesta fase do desenvolvimento não se conhece outra forma de criar riqueza. todas as experiências deram com os burrinhos na água, e esse é que é o problema. Antes da distribuição a criação e quem está nos comandos sabe isso. E abusa pois claro!

  5. maria monteiro says:

    Quem pede subsídios e regalias para isto, aquilo e aqueloutro (até para casarem e fazerem filhos) são o grupo das chamadas famílias numerosas… os outros, os pobres, recebem o que lhes dão

  6. maria monteiro says:

    Luís, aquilo que quero dizer é que existem dois grupos: “o grupo certo” que só tem filhos se o Estado criar condições para… e o “grupo errado”, menos egoísta, de onde nasceram 19milhões de crianças. O problema é que muitos podem achar que essas crianças não representam a fina flor da UE….

  7. Luís Moreira says:

    Sim sim, esse grupo tambem vive à conta. dizem eles que é por causa da demografia.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.