Pão, pão, queijo, queijo?

Num artigo de José Reinoso intitulado “Greves sacodem a fábrica do mundo”, publicado na última Visão, deparei com este parágrafo surpreendente:

“Os trabalhadores da Honda Lock reivindicam, igualmente, a criação de sindicatos independentes, coisa tabu no país, onde estão proibidos. As associações de defesa dos direitos laborais existentes na China estão ligadas ao Partido Comunista e actuam, normalmente, ao serviço dos empresários.”

É caso para dizer que, se fossem chineses, Américo de Amorim, Belmiro de Azevedo, Joe Berardo, Francisco van Zeller, etc., seriam militantes comunistas. Convictos, por amor ao capital.

Comments

  1. Luís Moreira says:

    Talvez os que estão, sempre, contra a democracia te possam explicar!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.