Sou contra a proibição das touradas

Sei que me estou a pôr a jeito e que vão chover epítetos que só constam de alguns dicionários, mas não me importo: sou uma besta, um primitivo, um primata. Além disso estou-me borrifando para uma certa ideia de Harmonia Universal Inter-Espécies, tipo coitadinho do tourinho, que mal é te fez o mosquitinho?

Lembro-me vagamente de ter entrado numa praça de touros (improvisada) na minha mais tenra infância angolana. Depois disso, nem praças de touros, nem garraiadas estudantis, nem largadas de touros. Provavelmente até nem gosto de touradas, coisa que está por provar pelo atrás exposto. Mas também não juro que não vá a uma se me apetecer, nem garanto que não goste, pelo menos de pormenores. Por ignorância e preconceito também destestava futebol. Era parvo, claro, mas estava convencido do contrário. Dupla parvoíce, portanto. Agora, que não cedo tão facilmente a preconceitos nem modismos, não me ponho parvamente a detestar touradas, tento perceber a minha estupidez antes de exercer o meu direito natural a ela e, por outro lado, há direitos que livremente dispenso. Também dispenso o Grande Livro do Pensamento Único, é um direito de que tomo conta e não prescindo.

Os direitos dos animais? Preocupam-me. Aliás, até percebo que um vegetariano radical odeie touradas. Aprecio a coerência, respeito-a. Agora um gajo que dia-sim-dia-não compra carne industrial no hiper-mercado preocupar-se com o sofrimento do touro? Um tipo que se esteja a marimbar na extinção da salamandra portuguesa vir acusar-me de barbárie? Um activista que desconheça a existência de grous em Portugal vir falar-me de incultura? Um fazedor de opiniões que não distinga uma cegonha preta de um perú e este de uma abetarda vir pregar-me o catequismo do amor pelos animaizinhos coitadinhos?

Sabem em que condições são criados os animais para consumo humano? Sabem quais as consequências, a montante e a jusante, das toneladas de rações animais consumidas diariamente, das toneladas de dejectos lançados quotidianamente nas terras e nos rios, sabem quantos quilos de alimento são necessários para produzir um quilo de carne industrial, sabem quantos milhares de litros de água? Sabem quantas espécies endémicas estão em risco de extinção em Portugal? Sabem porquê? Sabem qual o impacto das auto-estradas, das barragens, das descargas poluentes na vida animal? Estão preocupados com touradas, é ao fim disso que chamam avanço cultural e civilizacional? Eu, a esse nível, prefiro preocupar-me com coisas sérias, com aquilo que faz a diferença, e deixar o folclore para os aficcionados das causas que estão a dar na espuma etérea da falta de seriedade.  Porque os soundbytes e os holofotes estão virados para os trajes de luces, para os passo dobles, para essa terrível matilha que são os ganaderos, os toureiros, os forcados que, hoje em dia, comem criancinhas ao pequeno-almoço. Eu tenho mais que fazer do que impedir os outros de gostarem daquilo de que eu não gosto.

E não faltam causas a bem da tal certa ideia de Harmonia Universal Inter-Espécies: a seguir proíbe-se a pesca desportiva, o mergulho, as corridas de cavalos, as demonstrações equestres, a columbofilia, os peixinhos de aquário e por aí fora até à sardinha assada e ao pão com chouriço (estas últimas, bem vistas as coisas e sem ironia, com impactos muito mais negativos do que a tourada). No final, aparece um esperto a dizer a que horas posso ou não posso ir à casa de banho, fazer o quê.

Pois bem, sou contra a proibição das touradas (e contra as outras que virão a seguir). Agora, batam-me e chamem-me nomes.



Comments

  1. carlos fonseca says:

    Y olé! Es un saludo; no es una reclamación.


  2. Eu que nem sou pela proibição das touradas invocando estas razões, o gáudio público pela tortura e morte é coisa medieval em excesso para os meus princípios, e ninguém me tira que grande parte dos aficionados queria era humanos na arena, sou também muito alérgico aos argumentos tipo “isso é do politicamente correcto” ou do Grande Livro do Pensamento Único.
    É uma brilhante forma de não-argumentar, só porque estamos contra uma ideia que em alguns meios é dominante. Falácia, ou vá-se ver qual é o Livro no Ribatejo e redondezas a sul.

  3. karocha says:

    Gosto de touradas e pegas(Não confundir com outras touradas)
    Um bocadinho de estudo e se verá que só existem touradas na rota dos templários.
    Para todos os que me vão atacar, nunca usaria um casaco de pele de foca!


  4. concordo com o texto, boa argumentação.

  5. Walker says:

    É difícil entender a diferença entre alimentação e divertimento bárbaro?
    Eu sei que não sou culto, nem letrado, nem pertenço ao jet set, e que infelizmente em portugal continua a ser muito in defender touradas, apesar dos que as defendem quererem dar a imagem do contrário, tudo o resto que o senhor diz na sua palestra tem um fundamento de grande verdade mas querer comparar as duas coisas parece-me muito forçado, mas isto sou eu que acho.
    Há e na pesca verdadeiramente desportiva o peixe é devolvido ao mar/rio vivo, apesar de que também ainda não percebi a piada disso.
    Contrariamente ao que dizem as publicidades na televisão, comida não é diversão, pode e deve ser prazer e é necessidade.

  6. XicoAmora says:

    Lorca dizia ser a festa mais culta de Espanha.
    Picasso desenhou touradas magníficas.
    Hemingway cantou-as.
    Enquanto o homem matar os animais para comer, a tourada é o ritual que mais sentido faz a quem por obrigação se vê forçado a visitar pecuárias, aviários e matadouros. A violência escondida e higiénica é o pior dos insultos à carne que comemos.
    Na Catalunha utilizaram-se os toiros para afrontar a Espanha e fazer política. Uma barbárie.
    E quando o défice chega e não há dinheiro para pagar subsídios eu quero ver como se arranjam para salvar o toiro da extinção. Coitado do toiro.

  7. miguel dias says:

    Não suporto animais domésticos, em especial quando ladram.


  8. Eu ainda vou tendo uns desgraçados enfiados em paredes de vidro e vivendo numa espécie de água. E vai ser até os empandeirar.
    Vivi com gatos, animal que sabe demonstrar-te que não és dono dele.
    A tourada é muito pior que isso: é o espectáculo da crueldade, e tem de levar porrada, sobretudo da cruel, pela mesma razão que o futebol não tem piada quando é dar até morrerem.

    E acho que isso não deve haver.
    A Catalunha é outra coisa, e os bichos não são a caso. A Catalunha é.

  9. miguel dias says:

    Um toiro é um toiro. Para ti a Catalunha vale mais que um toiro. Para mim não. Quero que a Catalunha se foda. (o que naturalmente não inclui o Gaudi nem o Barça e muitos outros catalães).


  10. O Homem é um animal omnívoro. Sim?
    Isto quer dizer que come de tudo um pouco, outros animais incluído. E, como outros animais, o Homem mata para comer.
    Não conheço nenhum outro animal que mate (acontece ao touro sair dali em estado comatoso) porque gosta de ver, e goza com isso.
    A morte de um touro na arena não é um acidente, é um assassínio. Claro, o touro está ali preso e os toureiros armaram-se com ferros…


  11. Não é valer, foi mesmo a Catalunha a provocar o estado espanholito, olé.
    E sim, quero que se desfodam a Catalunha, a Galiza, o país dos Bascos, a Andaluzia, as Asturias e os outros sem passado mas com presente que se desenrasquem.

    Os touros é que quero que se fodam. Não houvesse touro, não havia toirada.

  12. mjrijo says:

    OLÉ!!! Finalmente vejo algu]em a dizer exacatamente o que eu penso e que comentei noutro post. Gaita que at]e as letras se esbarram, mas erstou como o autor do texto , sem um mil]imetro a mais nem a menos. e n\ao matem as moscas j]a agora que tamb]em deve ser brutal para elas e deve doer pra diabo.

  13. mjrijo says:

    João José Cardoso :Não é valer, foi mesmo a Catalunha a provocar o estado espanholito, olé.E sim, quero que se desfodam a Catalunha, a Galiza, o país dos Bascos, a Andaluzia, as Asturias e os outros sem passado mas com presente que se desenrasquem.
    Os touros é que quero que se fodam. Não houvesse touro, não havia toirada.

    Pronto… agora queres a inexist|encia dos touros para n\ao haver touradas..e o bom bife no prato, onde ]e que fica_


  14. Pronto… agora queres a inexist|encia dos touros para n\ao haver touradas..e o bom bife no prato, onde ]e que fica_

    Free touro!
    Free bife!
    Free Porn!
    Freeport…!

  15. mjrijo says:

    Dario Silva :Pronto… agora queres a inexist|encia dos touros para n\ao haver touradas..e o bom bife no prato, onde ]e que fica_
    Free touro!Free bife!Free Porn!Freeport…!

    Tinha que vir o raio da politica bem tinha dito eu…


  16. mjrijo :

    Dario Silva :Pronto… agora queres a inexist|encia dos touros para n\ao haver touradas..e o bom bife no prato, onde ]e que fica_
    Free touro!Free bife!Free Porn!Freeport…!

    Tinha que vir o raio da politica bem tinha dito eu…

    Eu estava a citar, viva o Touro Livre…
    (livre de achincalhamentos)

  17. mjrijo says:

    Dario Silva :

    mjrijo :

    Dario Silva :Pronto… agora queres a inexist|encia dos touros para n\ao haver touradas..e o bom bife no prato, onde ]e que fica_Free touro!Free bife!Free Porn!Freeport…!

    Tinha que vir o raio da politica bem tinha dito eu…

    Eu estava a citar, viva o Touro Livre…(livre de achincalhamentos)

    e eu tamb]em digo Viva o Touro livre..que tem uma vida sadia no campo, em lugar de estar preso na engorda, e depois rumo ao matadouro. Achincalhamentos numa tourada , pois fica sabendo que os toureiros respeitam e muito o touro.

  18. Ricardo Santos Pinto says:

    O teu texto é muitíssimo intolerante. Muito mais do que os textos daqueles que criticas.

  19. Pedro says:

    Ricardo, apesar de me escapar alguma subtileza no tua crítica, dou por mim a preferir uma intolerância que permite gostar a quem gosta, não gostar a quem não gosta, assistir a quem lhe apetecer e não assistir a quem não lhe apetecer, do que uma tolerância que impede quem gosta de gostar e quem pratica de praticar em nome de uma coerência que não há. Mas devo estar a ver mal as coisas.

  20. Ricardo Santos Pinto says:

    Sim, deves estar a ver mal. Basta ver a forma como falas das pessoas que são contra as touradas.

  21. Pedro says:

    Fiz várias releituras e, além de mim próprio, a quem chamo besta, primitivo, primata e parvo duas vezes, não falo de forma insultuosa de ninguém, digo apenas que há pessoas de quem não aceito lições de moral. Há uma vaga acusação de falta de seriedade, que mantenho.
    Quanto aos insultos a mim dirigidos, fi-lo com autorização do visado.

  22. amanda miller says:

    VC É UM DOENTE, QUE NAO RESPEITA A VIDA DOS ANIMAIS E DO PROPRIO HOMEM!! ESSAS PESSOAS OU MELHOR ESSES TIPO DE INSETOS QUE FAZEM APOLOGIA AOS MAUS TRATOS AOS ANIMAIS NAO MERECEM RESPEITO E MUITO MENOS A VIDA POIS NAO RESPEITAM AS DEMAIS. ESSES SEUS ARGUMENTOS FAJUTOS SOMENTE ENTRAM EM MENTE FRACA IGUAL A SUA E ESPIRITO DE PORCO. VC É ABOMINAVEL E ASQUEROSO JUNTAMENTE COM OS PRATICANTES DESSE CIRCO GRATUITO DE MALDADE HUMANA. PORQUE NAO FAZ UM TESTE E COLOKA UM CHIFRE NA CABECA E BRINCA DE TOURO ENQUANTO LEVA UMA LANCA NA BARRIGA SE VC AGUENTA??? PARA VC FALAR BALELA É UMA COISA SE POR NO LUGAR DE QUEM SOFRE É OUTRA COISA. VAI SE TRATAR RAPAZ.

  23. Liko says:

    Concordo com a sua opinião, Pedro Correia.

  24. your mom says:

    your son of a bitch

Trackbacks


  1. […] Sou contra a proibição das touradas […]


  2. […] Teixeira Lopes XXX XXX Paulo Ferreira XXX Comentários recentesTouradas e Catalunha | Aventar em Sou contra a proibição das touradasTweets that mention Climas temperados, ar condicionado e estupidez natural | Aventar — Topsy.com em […]


  3. […] XXX Comentários recentesClimas temperados, ar condicionado e estupidez natural | Aventar em Sou contra a proibição das touradasTouradas e Catalunha | Aventar em Sou contra a proibição das touradasTweets that mention Climas […]


  4. […] A. Pedro Correia assinou ontem no Aventar uma provocação inteligente sobre a recente proibição das corridas de touros na Catalunha, pondo-se como ele reconhece, a […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.