Allentejo em Aljustrel

Inaugurou no passado sábado, em Aljustrel, a exposição “Allentejo”, cujo texto de apresentação é o seguinte:

Convidaram-nos a expor no Alentejo.

A nossa vontade, enquanto colectivo sedeado no Algarve ( todo o artista é o criador e a sua circunstância ), seria levar todo o AlgarveAllgarve, falando português turístico– ao Alentejo.

Mas somos o Laboratório de Actividades Criativas, de Lagos, e a exposição acontece em Aljustrel, parte de um Alentejo remoto, a braços com a desertificação, com o esquecimento e arredado das preocupações dos príncipes e estrelas urbanas da cultura.

Nós, contra a desertificação, contra a exclusão, contra a centralidade metropolitana, contra o pretenso elitismo dominante, acreditamos na contaminação e o nosso desejo seria contaminar, a partir de uma pequena semente em Aljustrel, todo o Alentejo Allentejo.

As questões que cada um dos artistas presentes levanta, o seu talento, a sua arte, a sua entrega, ficam vincadas nesta tentativa irónica e solidária de trazer o mar ao centro do Alentejo, mimetizando a mentalidade reinante de que tudo o que não é litoral é apenas paisagem e, neste caso, um imenso mapa, vazio mar e de contemporaneidade.

Por todas as razões, e por acharmos que assim não é, seduz-nos mais o Allentejo.

Artistas presentes – A.Pedro Correia, Henrique Pereira, Jorge Pereira, Pedro Glória, Raymond Dumas e Sofia Fortunato. Mais informação aqui e aqui.

Também publicado no liberatura

Comments

  1. carlos fonseca says:

    Pedro, parabéns a Aljustrel. Aqui mais a norte, Galveias por exemplo, arte e artistas nem vê-los. Eu sei que a culpa não é dos artistas.

  2. Pedro says:

    Mas há um belíssimo escritor que é filho da terra, Carlos.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.